S.A. Top: The Voice, As Melhores Apresentações, Pt. I

terça-feira, julho 03, 2012



Sucesso no mundo inteiro, The Voice está vindo para o Brasil e promete com as estruturas da Rede Globo de Telecomunicações! Você que está ansiosíssimo para ver essa bomba estrear e mal espera poder ver Claudia Leite caindo da cadeira, ou Daniel tentando sensualizar enquanto titia Lulu faz longos monólogos sobre alguma musica entediante, mas não sabe absolutamente nada sobre o show!!

Neste top sem colocações, você vai aprender tudo sobre os melhores concorrentes das outras versões e poder pagar de cult cazamiga do Colégio dizendo que s2 amou s2 as apresentações da Pavão e que a versão Australiana é muito melhor e com pessoas mais competentes, enquanto a US se preocupa apenas com vender sucessos!

Mas se você já é fã de The Voice, como Leo Oliveira (Embaixador de The Voice no Brasil, fã hardcore do reality e que nos ajudou neste lindo top) pode vir e relembrar, discutir e nos xingar! A gente não liga se você torcia para o Tony Lucca e achava ele um cantor muuuito versátil, ou se odiava Charlottezinha e pensava que Rachel estava apenas fingindo ser cega. The Voice é vida, e como tudo na vida, The Voice tem seus bons e maus momentos, então venha você também sair cantando Roxanne como se não houvesse amanhã!

BLIND AUDITIONS

A parte mais interessante e diferenciada do programa é justamente o começo, nas Audições às Cegas. Nela os quatro Treinadores/Coaches ficam de costas para o candidato, e se gostarem do que ouviram, apertam o botão para ele! Se mais de uma pessoa virar a cadeira ai o participante pode escolher em qual time fica, é ótimo ver as brigas entre as pessoas... Mas a gente sabe que na versão BR tudo será muito mais sutil com suborno de fotos sensuais e venda de drogas nos camarins. Tudo regado a muito leite, é claro.

Assim eu (Leo Gravena), meu parceiro (Não sexual) Thiago Sousa (tá, só às vezes) e o coleguinha Jairo Souza, decidimos pegar as nossas audições favoritas e falar um pouco sobre elas, porque somos egocêntricos e tínhamos absolutamente nada para fazer...

The Voice US 


Charlotte Sometimes, Apologize:
(Por Thiago Sousa)

Ah como é bom escrever novamente sobre essa D.I.V.A que é Charlotte, simplesmente adorei sua audição e sua versão de estúdio está na minha playlist eternamente, a moça é toda trabalhada num lado Bitch que infelizmente pode ter sido o motivo de sua saída extremamente precoce, os quatro coaches terem virado foi um sinal que a moça realmente tinha talento que só foi comprovado justamente no live show de sua eliminação.



Erin Martin, Hey There Delilah:
(Por Jairo Souza)

Perfeição! Essa é a palavra que descreve a “Blind Audition” de Erin Martin. Beleza, Carisma, Talento... Sério, quando ela abriu a boca para cantar, com aquela voz rouca mas ao mesmo tempo suave, meus olhinhos simplesmente brilharam. “Hey There Delilah” já é uma linda canção, interpretada por essa moça então parecia coisa de outro mundo. Mas infelizmente a beleza de Erin não foi ás suficiente para leva-la as finais, e como o Red Zone estava com o nível de competidores acima da média, só nos restou lamentarmos por não vê-la até o fim da competição.
 
Jordis Unga, Maybe I’m Amazed:
(Por Leo Gravena)

Amor a primeira vista, ou “ouvida” no caso. Foi fácil me apaixonar pela Jordis, primeiro que o estilo “rockeira chic” dela é muito legal, a voz rouca me conquistou e ter cantado Maybe I’m Amazed? Não tinha como não gostar, ainda mais levado em conta que ela não cantou a musica na versão baladinha (tipo a Jem em The O.C.), Jordis é foda, apenas.

 


Juliet Simms, Oh! Darling:
(Por Leo Gravena)

Acho que da para perceber que tenho queda por rockeiras com voz rouca , certo? Quando começou achei um pouco estranho, mas conforme ela foi mostrando mais de seus vocais, fui cada vez mais adorando sua voz, e a ela mesmo, não é surpresa que Cee-Le e Adam tenham virado, mas quando Xtina vira e quebra as mãozinhas no ar, eu soube, Juliet era definitivamente uma das finalistas... E não deu outra...

 
Lindsey Pavao, Say Aah:
(Por Thiago Sousa)

Não se faz um top de BAs sem mencionar nossa queria Pavao que fez uma das melhores audições dessa temporada, além de mudar a musica fazendo ter um cara só dela, Lindsey foi crescendo na musica e a cada nota ficava mais agradável de se ouvir, além de tudo a moça é extremamente estilosa, linda e tem um timbre maravilhoso. Não tinha duvidas que sua criatividade e originalidade a levariam longe na competição.





Mathai, Rumor Has It:
(Por Jairo Souza)

Ai, e o que falar de Mathai... Simplesmente que toda sua beleza e safadeza indiana conquistaram o meu coração. Além de um super talento a menina ainda tinha um carisma e uma presença de palco de dar inveja a muito profissional por aí... Acho que nunca vimos Mathai subir ao palco nervosa por alguma coisa. E num #TEAMADAM totalmente mais do mesmo e cheio de figurinhas marcadas foi refrescante ver a versão inovadora da cantora de “Rumos Has It” e todas as suas outras grandes apresentações.




The Voice UK


Bo Bruce, Without You:
(Por Leo Gravena)

Se Charlotte Sometimes foi a minha razão para ver The Voice US, bo Bruce fez isso com o UK, assim que vi pela primeira vez o vídeo da moça com a voz naturalmente auto-tunada, de estilo estranho e olhos esbugalhados sabia que tinha que assistir a versão UK apenas para torcer para ela! O fato de eu amar todos os covers de Without You (Odeio a versão original) favoreceu bastante a escolha da minha favorita na competição!

 

(Por Leo Gravena)

E qual a minha surpresa quando após Bo Bruce comecei a ver The Voice UK e felt in Love com David Julien? O Cara se demitiu do emprego dele no mercadinho onde trabalhava e foi atrás de seus sonhos, admito que não conhecia “The Man Who Can’t be Moved” antes de ve-lo cantando e sequer sabia que a musica era da banda do Danny, porém David me conquistou com a voz mais simples e adorável...

 
J Marie Cooper, Mamma Knows Best:
(Por Thiago Sousa)

Meu deus o que foi essa Blind Audition, que energia! Que voz! Que tudo! Nada mais me alegra do que vê-la cantar enquanto os jurados se deliciam com essa força que é Mariazinha, com estilo agressivo e uma potencia descontrolada! Me encantei pela moça, que também é muito linda... Pena que sabe-se lá por que ela saiu na sua Battle Round.

 

Joelle Moses, Rolling in the Deep:
(Por Thiago Sousa)

Uma característica fundamental em um artista é colocar sua marca em toda e qualquer musica que cantar, e foi isso assim que Jojo  começou sua ainda mais emotiva versão de  Rolling in the Deep de Adeele,  para que eu me emocionasse...


(Por Jairo Souza)

Versatilidade define a “Blind Audition” de Max Milner... Sério, “Lose Yourself” e “Come Together”, quem imaginaria? E ele fez. Apenas pela primeira apresentação ele já me conquistou e se tornou o meu candidato favorito no #TEAMDANNY, o problema foi que Max fez muita propaganda na “Blind Audition” e depois deixou a desejar, não sei se por falta de capacidade mesmo ou pelas péssimas escolhas musicais que Danny O’donoghue fez para ele.


 


 Vince Kidd, Like a Virgin:
(Por Jairo Souza)

Creio que nenhuma outra Blind Audition de nenhum outro The Voice foi tão inovadora e competente como a de Vince Kidd. Quando ele fez a sua incrível versão de “Like a Virgin”, mostrou profissionalismo e que já era um candidato completo, como Jessie J falou várias vezes... “Não há muita coisa para fazer por Vince Kidd, ele já é profissional”.  Logo de primeira o rapaz assumiu a ponta como Headline do #TEAMJESSIE e assim foi até o final... Fica também para conferirem a ótima versão de “Always on My Mind” do cantor.



 
 The Voice Australia


Casey Withoos, Samson:
(Por Jairo Souza)

No The Voice Australia sem dúvidas a “Blind Audition” que mais me emocionou, não só a mim como a todos os australianos foi logo de cara a primeira da edição. Quanto regozijo na voz de Casey Withoos. Além de simpatia, carisma e talento a menina ainda me manda “Samson” da Regina Spektor... Sério, faltou pouco pra eu chorar aqui... Já estava apertando o enter do computador o tempo todo por que queria que a minha cadeira virasse também... Enfim... Épico!

 

Karise Eden, It’s a Man’s World:
(Por Thiago Sousa)

Sabe quando um candidato começa e no primeiro verso você sabe que ele VAI ganhar? Pois é, isso que aconteceu quando Karise abriu a boca. Não é preciso ser Mãe Diná pra prever que no mínimo ela chegaria na final, e além de todo seu talento a moça vendeu seu hits no iTunes igual água. Karise se resume em uma palavra: TALENTO, algo que anda em falta no mercado espero, de verdade, que ela seja sucesso total.

 

Rachael Leahcar, La Vie em Rose:
(Por Leo Gravena)

Acho que todos já ouviram La Vie em Rose, de Édith Piaf, e eu mesmo jamais diria que esta é uma canção adequada para uma competição, mas Rachel dominou a musica, a garota cega de voz angelical conquistou multidões, e eu estava no meio. Não é surpresa que os quatro jurados tenham virado para ela, porém foi Delta que faturou a finalista. Inclusive é triste pensar que ela é cega e não possa ver o quão linda ela é, sem duvidas penso que ela é de todas as participantes de todos The Voice a mais bonita, será que já existe alguma modelo cega? Ou poderia Rachel ser a primeira?



BATTLE ROUND
 
Após as lindas audições cegas, chegamos a parte favorita de muitos no programa. As batalhas! Nela cada Coach escolhe uma dupla de seu time e assim eles devem fazer um dueto, onde um tenta se sobressair melhor que o outro, há alguns mais amigáveis, como a de Nathan e Pip, que foi amigável até demais... Dizem por ai inclusive que os dois são até um “casal”, mas também há outras, e essas são as nossas favoritas, onde um não bate com a cara do outro, como a de Charlottezinha e Lex Land...
 
The Voice US

 
Chris Mann Vs Monique Benabou, Power of Love:
(Por Thiago Sousa)

Coisa linda de se ver! Acho que essa batalha foi algo único, afinal, de um lado Chris, que todos já sabiam que tinha uma grande voz e técnica sem igual e do outro, Monique, que estava vindo de uma BA fraca comparada a de Chris. A questão é Chris vinha como grande favorito na Battle, o que ninguém esperava e o crescimento de Monique. A própria Xtina ficou impressionada com a força da moça, na apresentação em si ambos estavam no mesmo nível não era uma batalha e sim um dueto, eu estava indeciso de quem estava melhor até que Chris fez aquela nota sozinho, algo que me arrepiou, e ali tinha certeza que ele havia sido melhor, mas não tiro o mérito de Monique que foi sensacional. 

Erin Willett vs. Gwen Sebastian, We Belong:
(Por Jairo Souza)

A fase das “Battles” desse ano no The Voice americano foi bem fraquinha... Mas uma das que se salvaram foi a de Erin Willett e Gwen Sebastian. Apesar de nenhuma das duas candidatas fazer o meu perfil, não teve como não amar a versão delas da música de Pat Benatar. Apesar de Blake ter escolhido Erin para ir seguir em frente na competição, o destaque para mim foi Gwen e sua frágil voz. A “Battle” foi realmente muito boa, no meio de tantas ruins, as candidatas prenderam minha atenção.

 

Jamar Rogers vs. Jamie Lono, I Want to Know What Love is:
(Por Jairo Souza)

Sem dúvidas a “Battle” mais emocionante da história dos The Voice e que está em primeiro lugar no meu “Top Battles” foi a de Jamar Rogers e Jamie Lono. Além de serem amigos e os mais Ipsters do #TEAMCEELO os dois eram igualmente talentosos. Apesar de ter me simpatizado de cara com Jamar, gostava muito do Jamie também, e achei sim, que a música deu uma grande favorecida pro Jamar. Ele atingiu agudos incríveis e a cada apresentação me surpreendia mais. Acabou sendo o meu  favorito na competição. 

 
Katrina Parker vs. Angel Taylor, Bleeding Love:
(Por Leo Gravena)

Havia me apaixonado por Angel Taylor nas audições, porém sua postura realmente era um problema, já Katrina Parker havia passado despercebida diante de tantas vozes potentes e mais interessantes. Essa batalha, porém, foi o “game changer”, Angel falhou desesperadamente ficando com os ombros encolhidos e sem qualquer presença, dando chance para Katrina brilhar, se tornando a Runner-up do Team Adam...



Kim vs. Whitney, No More Drama:
(Por Thiago Sousa)

Essa batalha pode não ter sido a melhor em termos de técnica mais foi extremamente emocionante e provou que apesar de tudo Adam ainda tinha um pouquinho de sanidade, era obvio que por sua BA Adam queria passar Whitney, mas ele não contava com a garra de Kim que estava pronta para dar um show. E assim fez, em cada verso sua voz crescia, com cada vez mais emoção, enquanto Whitney desde os primeiros versos estava fadada à derrota, diante de uma voz tão potente de Kim, por mais que Whitney tivesse presença de palco ela nada pode fazer, a não ser ver sua oponente triunfar.
 
Lindsey Pavao vs. Lee Koch, Heart-Shaped Box:
(Por Leo Gravena)

Eu amo, simplesmente AMO Heart-Shaped Box, AMO Pavao, AMO Lee Koch, obviamente AMO essa batalha, ambos foram incríveis e dominaram a musica, não tinha como escolher um vencedor por ela, assim Xtina fez a escolha certa, sabendo que Lindsey divaria nos Live Shows, e mesmo sendo fã de Lee Koch, sei que ele não sobreviveria a essa parte, o que é uma pena.





 

The Voice UK

 
Bo Bruce vs. Vince Freeman, With or Withou You:
(Por Leo Gravena)

Admito que fiquei com peninha de Vince Freeman, o cara cantava muito bem e provavelmente poderia ter chegado aos Live Shows, isso se não tivesse cruzado o caminho de Bo Bruce, não tinha como, simplesmente não, Bo Bruce fez quase que nenhum esforço vocal durante a musica, porém com o carisma e a doce voz estranha, ela podia ter ficado fazendo “ohhh ohhh" no fundo que ainda teria ganho, sorry Vince, perto de Bo Bruce você não tinha qualquer chance.

 



David Julien vs. John James Newman, Dakota:
(Por Leo Gravena)

Ambos cantores mais simples, sem gritinhos histéricos, mega solos ou qualquer coisa extremamente “OHH! Quanta potencia vocal” Em Dakota ambos foram ótimos em fazer aquilo de deveriam estar fazendo, entreter e cantar bem, apenas. A versão é contagiante e admito que já fiquei, no mínimo, umas 6 horas ouvindo ela no repeat, pulando loucamente pelo quarto! David Julien venceu, mas sem duvidas foi uma escolha difícil para o Danny...

 

Jessica Hammond  vs. Vince Kidd, We Found Love:
(Por Thiago Sousa)

Confesso que adorei a BA de Jessica e apesar de ótima não gostei tanto da Ba de Vince, a questão é vendo essa Battle minha opinião mudou completamente achei a Jessica um pouco descontrolada nas notas enquanto o Vince ia muito mais confiante nos versos, isso sem contar a versatilidade mostrada por Vince que estava extremamente controlado e soube encaixar perfeitamente sua voz em uma musica que teoricamente favoreceria sua concorrente.


Leanne Mitchell vs. Barbara Bryceland, Edge of Glory:
(Por Jairo Souza)

Por falar na campeã do The Voice UK a “Battle” de Leanne Mitchell também foi outra épica. Ao contrário de Ruth, Leanne teve uma concorrente de peso. Barbara Bryceland é uma daquelas coroas toda inteira e com um vozeirão grave... Foi do caralho! Enquanto Leanne fazia os seus agudos incríveis, Barbara contra atacava com sua grossa voz. Essa foi uma das “Battles” que chegou ao final e eu, sinceramente, não sabia quem escolher.





Ruth Brown vs. Deniece Pearson, No One:
(Por Jairo Souza)

E como falar em “Battles” sem falar da grande descoberta de Ruth Brown. A cantora que passou despercebida no “Blind Audition”, simplesmente incendiou o ringue na segunda fase da competição, deixando Deniece Pearson comendo poeira. Ruth ia de agudos aos semitons em apenas uma frase da música. Acredito que nem Alicia Keys canta “No One” tão perfeitamente como Ruth Brown. Marrom merecia muito ganhar o programa, mas infelizmente foi derrotada por outra forte concorrente nas semifinais... Confesso que às vezes bate aquela saudade de ouvir Ruth Brown toda semana.



The Voice Australia

Fatai V vs. Mitchel, Love the Way you Lie:
(Por Thiago Sousa)

A batalha mais emocional de todos os “The Voice”  que já vi. G-ZUYZ o que foi isso? Arrepiou, emocionou e arregaçou com a concorrência, só de lembrar fico feliz, a combinação de vozes, o arranjo perfeito, que coisa linda! Fico sem palavras com isso! Ambos foram tão bem que até hoje não sei quem escolheria, afinal, Fatai tem um vibrato lindo e Mitchell uma voz tão versátil e adorável, os versos finais foram tão bons que, Meu Deus! A versão Live é bem superior a de estúdio, com apenas Fatai.

 




Lakyn Heperi vs. Nick Len, Big Jet Plane:
(Por Jairo Souza)

Meu amor declarado por Angus and Julia Stone não é desta vida... Ai Joel pega os meus dois candidatos favoritos do #TEAMJOEL e os coloca para duelarem ao som de “Big Jet Plain”... As lágrimas faltaram pouco escorrer... Acho que o diferencial do The Voice Australia é realmente toda essa emoção que os candidatos conseguiam transmitir nas apresentações, e essa em especial foi  de arrepiar. Podem dizer o que for, que eles eram novinhos, que era vibe crepúsculo... Mas a verdade é que Lakyn e Nick e sua “Battle” estará sempre em nossos corações...


Rachael Leahcar vs. Adam Hoek, Over the Rainbow:
(Por Leo Gravena)

Já disse que amava Rachel, mas Adam também me conquistou em sua audição em Use Somebody, quando vi que ambos cantariam Over the Rainbow, praticamente entrei em choque! Afinal, ambos são ótimos cantores e a musica favoreceria ambos igualmente. A batalha foi bela e emocionante, ambos deram o melhor de si e Rachel continuou na competição, merecidamente...








E por enquanto é isso, não perca, logo, logo (ou não) a segunda parte deste top, onde será dissecada de forma bruta e nada artificial os Live Shows e as Finais deste sucesso mundial que é THE VOICE!
Beijos Lácteos.

Talvez Você Curta

12 comentários

  1. Eu só assisti The Voice US, mas eu vi o vídeo de Beggin' das BRs do UK e eu não acredito que não ta no top, é muito boa, gente!
    realmente, não dá pra fazer um top BA sem Say Aah; eu já tinha gostado muito dela sem ouvir a original, depois então, Lindsey virou favoritíssima. Dessas aí eu trocava Maybe I'm Amazed ou Apologize (acho superestimada, não me matem) por Folsom Prison Blues do Jamie Lono, sério, que versão incrível! bomba demais no meu ipod

    ResponderExcluir
  2. achei que vccs iam colocar Pumped Up Kicks, que eu adoro, mas nem :/
    amo também Pip vs Nathan, mesmo sendo amigável demais, mas, pra mim, a melhor disparada foi If I ain't Got You, porran, que foi aquilo? quase ninguém confiava que o Anthony conseguiria encarar o Jesse, o cara creesceu demais, mas um deu pra ganhar de B-b-b-baby

    ResponderExcluir
  3. ai, minha fase preferida são as BAs, amo também a do Tony Lucca, do Jesse, do Jamar

    ResponderExcluir
  4. meu caralhooooooooooo esqueci de beggin! #FAIL mas coloque a live do Max... perdoa eu... u.u

    ResponderExcluir
  5. Adorei o top, amo amo amo amo the voice US tô loka pelo retorno e mal posso esperar para passar por essas fases de novo. Agora fiquei chocada de não ver Jesse x Anthony no top, para mim essa foi a melhor batalha disparada de 2ª temporada e me deixou com a cara no chão, mas Lee x Lindsey também mora no meu coração e não poderia estar de fora de jeito nenhum.

    Ansiosa pela próxima parte!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia o programa, mas amei o post!! Estão de parabéns!!!
    Gente que vozes fantásticas da Karise, Rachel e J Marie!!!!!!!!!!! Lindas elas em suas performances tb!!
    Pena que a versão tupiniquin deve avacalhar com td...

    ResponderExcluir
  7. só assisti a versão US. vi as 2 primeiras temporadas e acho que the voice não essa coca-cola toda. a versão americanas tem umas falhas e acho que precisa melhorar muito. sem contar que agora serão 2 vezes no ano. alguém aguenta? mais estou firme e forte pra ver os barracos entre christina e adam

    ResponderExcluir
  8. Como assim não tem a batalha do The Voice AU da Danni da Ros cantando The Hero!

    ResponderExcluir
  9. Olha foi muito boa mas nem se compara com as outras battles escolhidas do TVAU

    ResponderExcluir
  10. Versão Americana é a Piorzinha. A melhor é a Australiana e depois vem a UK. E por favor né? Essa segunda temporada de The Voice com Jermaine vencendo e Tony Lucca de finalista do Adam, só não é pior do que a Dia perdendo para Javier que sumiu DO NADA...

    ResponderExcluir
  11. Melhor batalha que existe pra mim é Jay Norton e Jaz Ellington cantando Marvin Gaye. Eu fiquei vendo no yt essa perfomance sem parar por dias. #chatiada que não tá aqui nos melhores.
    Saudades do Max Milner <3

    ResponderExcluir
  12. Apesar de a versão americana avacalhar com os ouvidos de vez em quando tem como não amar essas picuinhas dos jurados?
    Não sei o porque de acharem a versão UK tão maravilhosa assim
    -Willian como jurado? serio bitch? - mas td bem pelo menos um WGWG não ganhou e teve umas performances separadas bem divertidas.
    Estou arrasada por só conseguir ver as performances dos candidatos da versão Australiana, muito triste queria ver o episodios inteiros buááá mas Ok. Adorei a Karise ter ganhado/ arrebatado nossos corações ;D Me arrepiei inteira com essa mulher cantando Hallelujah com aquela voz de anjo que invejarei para sempre,se não a colocarem no proximo top os xingarei muito no twitter, kkkkkk. Tá não desperdiçarei meus dedinho teclando só farei uma macumbinha basica (:

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe