The Good Wife 4x13: Je Ne Says What?

quinta-feira, janeiro 17, 2013


Back to the old times.

The Good Wife nos apresentou um episódio nostálgico, talvez até vingativo. A série simplesmente deu um tapa na cara de quem não estava mais gostando dos rumos dessa temporada. Um tapa inclusive em mim para falar a verdade. “Je Ne Says Waht?” foi consistente; Sendo que no meio de tantos episódios furados, foi o melhor da temporada. Com uma grande folga.  

Mas eu não posso começar a falar sobre esse episódio de The Good Wife, sem antes falar da minha, da sua, da nossa: Elsbeth Tascioni. Ela diva, e eu penso que para todos que viram o que eu vi nesse episódio, somente essa palavra basta. Ela brilha, e embora eu ache que em muito se deve ao roteiro, nós jamais poderíamos tirar o mérito da queridíssima Carrie Preston e suas caras e bocas. Quem? E eu digo quem? Quem iria chegar numa audiência esportiva correndo no meio do campo, de salto alto e gritando? O jeito como ela se perde nos próprios pensamentos e as mudanças repentinas de assunto são o ponto alto da personagem.

Mas eu não vou ser ignorante. Eu sei que praticamente todo o episódio foi carregado pela Carrie e que sem ela “Je Ne Says Waht?” seria uma completa perda de tempo. Ou seja, não existe mérito nenhum dos produtores e roteiristas da série. Eles só deram uma pequena base para Elsbeth fazer o seu trabalho. Embora eu fosse amar falar sobre Elsbeth até o final do texto, esse não é o meu dever, então vamos ao o que aconteceu.

Peter está enfrentando problemas no trabalho. Ao que parece, Zach, e seus super poderes tecnológicos, descobriu que dois promotores do seu escritório iriam acusá-lo de ser preconceituoso. Para escapar do problema, ele vai até a “Coalização dos Direitos das Minorias” discursar sobre raças e afins. O fato é: Peter é preconceituoso. Esse assunto já foi tratado na série várias vezes, como Grace faz questão de me lembrar em meus mais terríveis pesadelos (onde ela me prende com uma corrente eu tenho que a ouvir falar dos seus problemas). E eu vou continuar tocando na tecla do Peter e Alicia. Se é que existe Peter e Alicia. Mas depois de muito tempo me decidindo, irei dizer que eles são ficantes e só. A relação deles não faz sentido e parece que nós vamos ter que aceitar isso.

O caso jurídico da semana foi normal e para mim um tanto tedioso no início, porém foi crescendo conforme o episódio ia passando. A corredora olímpica, Anna, filmou um comercial para a Erobos (uma empresa do ramo tênis de corrida), pelo qual nunca recebeu pagamento. A empresa alegou que não iria pagar a esportista os 5 milhões de dólares que estava previsto no contrato, porque a corredora foi pega em um exame anti-doping. A advogada dela é a Elsbeth, que foi presa por assediar o acusado de não pagamento (o dono da Erobos). Elsbeth então pede para que Alicia a ajude com o caso, que agora dependia que o tribunal anti-doping não aceitasse a veracidade do exame.

Mais tarde nós vimos que a droga que ela usou na verdade era para fins de aborto, já que a esportista estava grávida na vésperas das olimpíadas, o que é proibido. Achei engraçadíssimo o tribunal falar em francês e a também a discussão acalorada no final. Eu, que não falo francês, não entendi nada. Mas o Will tem razão, ela é o “Rambo”. Nós não ficamos sabendo se eles ganharam o caso, mas é o que o episódio deu a parecer, já que estavam todos comemorando no final.

Observações:

- Nem tenho palavras para falar da minha felicidade em saber que teremos mais Carrie Preston em The Good Wife. Minha linda, larga True Blood e vem pra cá permanentemente. Por Favor! Eli não poderia ter escolhido melhor advogada.

- Para efeitos de curiosidade, o nome do episódio faz referência a música Je Ne Regrette Rien, da francesa Edith Piaf, e tocou enquanto Alicia e Peter transavam.

 - Sonhos eróticos e Boa Esposa? Não combina.




Talvez Você Curta

3 comentários

  1. "O fato é: Peter é preconceituoso. Esse assunto já foi tratado na série várias vezes".


    Errado. Isso foi apenas insinuado na época em que o Peter não demite o Carrie. Agora o assunto retorna com mais força e pode ser um fator agravante durante a campanha dele. O episódio foi melhor porque Elsbeth retornou? Sim, foi. Seria inútil se ela não estivesse lá? Não mesmo. O foco desta vez foi justamente a campanha do Peter e os problemas do Eli no gerenciamento. As coisas estão acontecendo em TGW e vocês não estão enxergando.


    E, só pra lembrar, continua sendo a melhor série da tv aberta.

    ResponderExcluir
  2. Sim, a série só insinoou que o Peter é preconceituoso e eu tirei minhas próprias conclusões. Eu lembro de um episódio na 2ª temporada, em que a Grace ve um video da campanha para Promotor, só tem gente branca e de classe média. O escritório dele é de gente majoritariamente branca. Fica praticamente explícito que ele é preconceituoso.

    E eu digo que o episódio seria inútil sem a Elsbeth porque esse assunto político já foi tratado antes. O Eli já teve esses problemas de gerenciamento na 2ª temporada. É por isso que eu digo que a série está repetiviva. Mas enfim, eu respeito a sua opinião.

    ResponderExcluir
  3. Concordo que a série tem ficado cada vez mais fraca e que esse episódio foi bom apenas pela Tascione.
    A outra única coisa válida da temporada foi a mãe da Alicia, quando disse: "larga seu marido minha filha, aprenda a largar as coisas e seguir em frente, vc nunca soube fazer isso."
    Quase largando a série já....

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe