Grey’s Anatomy 9x17: Transplant Wasteland

domingo, março 17, 2013



Uma bagunça que ao final foi salva pelo poder da emoção. Para variar, mais uma vez Grey's Anatomy nos faz chorar.


Até a metade de “Transplant Wasteland”, estava odiando o episódio e toda a bagunça que o roteiro aprontou, mas Shonda Rhimes soube apelar para o meu coração e salvar o episódio com um final muito bonito. Mesmo quando não beira a perfeição, Grey’s Anatomy consegue entregar episódios redondinhos, sem pontas e cenas desnecessárias, mas, desta vez, as coisas não estavam muito boas. Para mim, o episódio começou bem desinteressante principalmente pelo mimimi de Owen, Derek e Avery, que fizeram com que eu nem prestasse a necessária atenção às histórias. Assim, as coisas ficaram confusas e eu sem saber que paciente era de quem, quem precisava de um rim, de um coração, de um pulmão ou quem só queria morrer em paz e salvar algumas vidas no processo. A coincidência de tantos transplantes num dia só ficou um pouco forçada e absurda e não conseguiu me levar para dentro do episódio.  Além disto, não ficou muito claro qual o poder de cada um dos membros do conselho, do próprio Avery e do Chefe da Cirurgia e como cada uma destas peças deve proceder para o hospital funcionar.

De repente, os órgãos foram se encaixando e o episódio foi melhorando na medida com que eu me emocionava com a mãe do paciente que escolheu desligar os aparelhos e doar os seus órgãos. Por mais que seja mais um drama, a série ainda é capaz de emocionar principalmente quando apela para a vida e não para a morte. Gostei muito também de ver April finalmente retratada como uma médica, deixando toda a carga ridícula da personagem de lado para lutar pelo paciente e depois aprender a entendê-lo.

O caos gerado no hospital foi um pouco exagerado e deixou tudo muito confuso e todos os personagens meio avulsos, uma vez que nenhuma trama ganhou muito destaque e tudo ficou um pouco fragmentado demais, mas quando Avery conseguiu se impor e arrumar o hospital, as coisas foram se encaixando e fazendo bem mais sentido. A singela homenagem a Mark e Lexie fizeram com que eu esquecesse ou parasse de me importar com tanta coisa desnecessária ou mal apresentada no episódio, como o segmento de Jo dando um ataque de pelanca por um rim num hospital qualquer. Por fim, acredito que a habilidade de bagunçar toda a casa e já arrumá-la em apenas um episódio foi o grande mérito de “Transplant Wasteland”, já que agora as divergências e os mimimis parecem todos superados. Imagina a gente ter que aguentar o recalque de Owen e Derek e os desentendimentos com o Avery até o final da temporada, ninguém iria aguentar.

Agora temos que esperar uma semaninha para vermos como será a rotina do Grey Sloan Memorial Hospital.  

PS: A melhor cena do episódio foi Cristina sugerindo que seu paciente sambasse literalmente na cova do cara que traçou a sua mulher, como eu amo esta mulher.

Talvez Você Curta

3 comentários

  1. Gostei desse episódio, só não gostei de terem recontratado o Owen para ser o Chefe de Cirurgia. Gosto do personagem, mas ele deveria ficar apenas como um dos cirurgiões do hospital. O cargo de Chief deveria de outro personagem.


    Será que ninguém dessa diretoria percebeu que a Bailey é a melhor opção para Chefe do hospital?


    Espero que até o final dessa temporada percebam isso...

    ResponderExcluir
  2. Eu compartilho do seu sentimento....
    Quando vi o novo nome do hospital..... Eu chorei tanto... Mais tanto.....
    Greys anatomy... Tomando o lugar de one tree lindo como serie que me faz chorar todo episodio....

    ResponderExcluir
  3. Acho que Bailey será Chief quando a série chegar ao seu final.


    Acho que o Owen continua pq os roteiristas não sabem o que fazer além disto com o personagem.

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe