Sons Of Anarchy 6x01-05: A primeira parte da temporada

terça-feira, outubro 15, 2013



Charming tem dramas próprios e pesados. Pra quem faz parte de SAMCRO os dramas são ainda piores.


O início da temporada de Sons of Anarchy foi tão intenso que não há um trecho sequer de cinco minutos que pudesse ser retirado de qualquer um dos cinco primeiros episódios. A violência está mais presente do que nunca e os dramas afogam os personagens, motoqueiros ou não.

Confesso que cheguei a pensar que Gemma perderia um pouco da sua majestade com a prisão de Clay. Fui ingênuo. Em Charming as relações de poder tem uma dinâmica um pouco diferente do mundo normal, mais intensa. Gemma continua comandando o mundo – o seu mundo, pelo menos – com as suas armas. Rainha, Mama, consegue manter os netos por perto, Nero por perto e ainda acha que pode tramar com Clay sobre as negociações do clube, mesmo que seja em uma visita íntima um pouco mais movimentada do que gostaria.

O clube, por sinal, está também com relações e atritos do jeito que a gente gosta, ou não. Uma das melhores cenas desse início de temporada foi a que Chibbs espanca Juice com Gemma assistindo silenciosamente através do vidro, sem saber o porquê mas com a certeza de que não deveria intervir. O próprio Chibbs tem uma ligação com Jax de amor fraternal tão grande que não cabe dentro dos dois. Pequenas discordâncias tem ocorrido em praticamente todos os episódios entre o presidente e o vice-presidente do clube. Deixemos pra falar de Jax mais tarde, continuemos sobre o clube. Bobby parece ter abandonado de vez SAMCRO e está destinado a tornar-se um Nomad. Posso fazer uma aposta? Essa história de Nomad ainda vai render muito até o fim da temporada. Podem anotar aí e me cobrar daqui a algumas semanas.


Jax, por sua vez, comanda o clube com mão de ferro. A lealdade de todos, Chibbs, Tig, Juice, assusta a quem chega de repente em Charming, ou melhor, em SOA. O código do clube de lealdade, de fazer 'tudo pelo clube', de considerar o clube como uma família e aos parceiros como irmãos não pode ser completamente compreendida por nós. São laços tão fortes que não fazem sentido para os espectadores, mas que precisamos aceitar para seguirmos acompanhando a história. O melhor exemplo disso é Otto – interpretado pelo próprio Kurt Sutter – que de dentro da prisão fez tudo pelos Sons, o que podia e o que não podia, como se fosse ganhar algo com isso. Por sinal, costumo dizer que personagens de histórias não-maniqueístas, como SOA, geralmente agem de acordo com os seus interesses. Essa consideração não vale para os Sons. Quase todas as suas atitudes tem o bem do clube em primeiro lugar desde o início da série. Prisões, assassinatos, traições, negociações, tudo pelo bem do clube.

A charmosa esposa de Jax – e põe charmosa nisso – não compreende esse tal código e por isso sempre se deu mal. Recentemente Tara tem arquitetado o futuro dos seus filhos com Wendy e não com Gemma, já que nunca considerou Charming um bom lugar para seus filhos. É claro que isso ainda vai render muita coisa até o fim da temporada. Qualquer um que mexe com Gemma nunca sai completamente impune.


Clay na prisão tem dado um show, mesmo contracenando com personagens insignificantes. As feições de Ron Perlman são pesadas, quase como uma máscara, dando a merecida carga dramática a Clay. Outros personagens não andam tendo a devida atenção, já que a história está com tramas ocupando muito espaço. Tig parece ter se salvado graças à lealdade contraditória de Jax. Juice é outro desperdício de personagem, que parece ter uma história interessante, com o fato de ser (etnicamente) negro, e que tem sido deixado de lado.

O dilema do clube quanto aos negócios é simples: Jax quer sair do ramo das armas e tentar ficar bem com todos ao mesmo tempo. Os outros Sons querem seguir Jax nas suas decisões, pois isso faz parte do código do clube. Seguir o presidente nas decisões pequenas e decidir os rumos nas questões maiores sob a votação na mesa. É isso que faz SAMCRO. Os irlandeses não querem que o negócio de armas pare e não querem negociar com os negros. Clay, por sua vez, quer manter as relações comerciais históricas com os irlandeses, como se sua voz tivesse alguma relevância de dentro da cadeia. Provavelmente esse será o plot principal da temporada até o fim. A vida de Jax é, desde o início da série, resumida na sua vontade de sair das armas. O presidente do clube sempre esteve empenhado nessa empreitada e nem é preciso comentar que ele sempre saiu derrotado.


A sexta temporada de SOA está, tecnicamente falando, melhor que todas as outras. Todos os episódios foram escritos pelo criador da série, Kurt Sutter, com a ajuda dos seus roteiristas auxiliares. Os diretores, como sempre, variam, mas dois pontos merecem destaque: a fotografia, assinada por Paul Maibaum desde o início da série, e a edição dos episódios, assinada por Doc Crotzer nessa sexta temporada. É praticamente uma marca registrada de SOA o fim de alguns episódios, os mais dramáticos, com vários núcleos sendo retratados em diferentes planos curtos e com trilha sonora adequada. Assim foram os finais do primeiro, terceiro e quarto capítulos dessa temporada. A única ressalva negativa que tenho a fazer sobre esse início de temporada é sobre a quantidade de violência, sobretudo de assassinatos. A série nunca teve a infantilidade de matar personagens, mesmo que irrelevantes, por poucos motivos, ou seja, as mortes sempre foram significativas e tinham o seu peso. Nessa temporada, no entanto, me parece que houve uma vulgarização maior das mortes e a prova disso é que em todos os episódios personagens tem morrido. Mas não creio que continue assim, até porque não tem tantos personagens assim pra matar.

Só nos resta esperar pra ver o que vai acontecer em Charming nos próximos episódios. A partir dessa semana teremos reviews semanais de Sons Of Anarchy até o fim da temporada. Até o próximo episódio de Sons Of Anarchy!

Talvez Você Curta

0 comentários

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe