The Voice 6x19/20: Top10/Live Results

quarta-feira, abril 30, 2014


Samba (Ooh La La)! La la la la la la la la la lah!

Depois de semanas sendo requisitados por melhores performances, parece que os artistas da sexta temporada do The Voice resolveram finalmente acordar. E em uma semana que 80% das apresentações foram acima da média, tensão foi o que não faltou, tanto nos Live Shows quanto na noite de resultados. No meio de tanto samba, brilhantes apresentações, #iTunesFail e uma confusão do caralho com uma performance superando a outra, os olhos grudaram na tela e a emoção voltou a ser o prato principal do melhor reality musical americano.

#TEAMADAM sem dúvidas roubou os spotlights essa semana e estava a todo vapor. Apesar de seus três candidatos terem mandado super bem em suas apresentações, enquanto Christina Grimmie decolava para o sucesso, dúvidas envolviam o de Kat Perkins e Delvin choice, e nunca foi tão justo torcer para que todos os pupilos de Adam Levine avançassem na competição. E enquanto o #TEAMBLAKE se consolidava como o mais sólido da competição, milhares de erros envolveram as apresentações e as escolhas cagadas nos times de Usher e Shakira, que mesmo com ótimos conselheiros acabaram sendo os mais fracos da semana.


Bem verdade que as song choices do #TEAMADAM essa semana foram as grandes responsáveis pelo sucesso da equipe, e apesar de "Landslide" ser super batida no programa, uma coisa era certa, a música é a cara de Kat Perkins. Ao contrário de Shakira, eu bem lembrava que a cantora performou Fleetwood Mac em sua Blind Audition e que possuía sim essa abordagem mais característica. Apesar dela ter pecado mais uma vez na falta de contato com o público, e ter sido prejudicada por abrir o programa, para mim a performance foi deliciosa do começo ao fim, parecia que estava ouvindo a própria Stevie Nicks no rádio.



Ao contrário de Adam Levine que estava com suas escolhas musicais tinindo essa semana, Shakira fez um puta "scrambled eggs" e cagou completamente com as chances que Tess Boyer tinha de ir à frente na competição. Sinceramente não sei aonde a treinadora vê essa "menina do rock" em sua candidata, pois eu simplesmente não consigo enxergar isso. O que vejo é uma cantora versátil, com uma voz poderosa que deveria estar performando músicas de divas musicais, e só mesmo uma grande apresentação a salvaria de retornar ao Bottom 3, e definitivamente não foi isso o que vimos. Na cereja do bolo a falta de carisma da candidata novamente impediu que sua apresentação caísse nas graças dos americanos.



Da mesma forma que Kat Perkins, Audra McLaughlin veio essa semana decidida a provar que não era apenas mais uma na competição. E a canção escolhida foi nada menos que "You Lie", grande sucesso de Reba McEntire... "Diva do country!" A performance da cantora foi bem precisa, e apesar de ter várias notas altas, quase que repetitivas na canção, a cantora conseguiu conduzir tudo de uma forma gostosa e sonora aos ouvidos. Essa coisa meio que chorosa que Audra McLaughlin tem na sua voz, além de contar muito bem sua história, ainda quase que nina quem a escuta cantar. Apesar de ser uma forte concorrente desde o início, essa é a primeira vez que ela se destaca no jogo, vamos ver se ela mantém daqui pra frente.




Se Shakira não foi muito bem nas escolha musicais para a sua equipe, o que dizer então do Usher, que quase afundou o time inteiro em apenas uma semana. Sério, Kenny Loggins? Fiquei sem entender nada. Se a apresentação da semana passada foi muito hype, e ele queria variar um pouco colocando uma coisa mais antiga, porque não optou por um clássico de soul, alguma coisa do tipo. Sinceramente não sei em que essa vibe anos oitenta combina com o perfil sustentado pelo participante até aqui. A apresentação foi boa como sempre, mas faltou conexão com o público, principalmente por causa do início da música que é bem baixo e dificultou bastante a vida do cantor, que não é nenhum Delvin Choice. E é quando os cantores se sentem menos confortáveis que você começa a perceber alguns de seus principais defeitos. Notei que Josh se escora bastante em alguns truques e runs para disfarçar algumas de suas inabilidades vocais. Até quando ele fará isso e as pessoas continuarão comprando eu não sei. Fico no aguardo de uma melhora para semana que vem.



Eis que então estávamos prestes a presentear o ponto alto da noite, e uma das melhores performances da história do The Voice. Não é novidade que desde que o programa deu sequência, que aguardamos outra performance de Christina Grimmie no nível de sua Blind Audition, e apesar de "I Won't Give Up" ter sido muito boa, alguma coisa ainda tinha ficado a desejar. E se ainda tínhamos alguma dúvida sobre o talento da cantora, ou sobre o seu lugar de destaque nessa sexta temporada do The Voice, eis que todas elas foram sanadas. A versão que a menina fez para a música do Drake, foi simplesmente maravilhosa. Transmitindo emoção do começo ao fim, Christina passou suavemente por todas as notas, e quando elas aumentavam sustentava até o fim, contrastando com seus ótimos falsetes. Indescritível. Não consigo parar de ouvir. Acho que era algo assim que faltava para ela me convencer que realmente era merecedora de todo o burburinho em torno dela, finalmente estou dando o meu braço a torcer. Se ela continuar assim, sua vitória estará garantida.




Na sequência tivemos mais uma apresentação de Jake Worthington, e nessa altura do jogo preciso dizer uma coisa... Está ficando cansativo. Sei que temos todos os motivos do mundo para criar empatia com o rapaz, ele tem um grande carisma, seu tom de voz é maravilhoso, e as escolhas musicais que ele faz são sempre compatíveis com o mesmo. Adoro a música de George Strait, mas Jake vem fazendo isso já há três semanas. Esse é o grande problema de Blake Shelton, ele está repetindo a mesma fórmula da quarta temporada, com seu time inteiro. Viu um ponto aonde seus candidatos vingam, e irá fazer com que eles repitam o mesmo estilo até o final. Espero sinceramente que Jake saia da zona de conforto semana que vem.




Se as escolhas musicais cagadas de Usher essa semana já foram um grande baque para Josh Kaufman que estava no topo, imagine para Bria Kelly que já andava há muito tempo mau das pernas. Apesar de suas péssimas apresentações, a cantora vinha sendo carregada semana após semana pelo seu falso favoritismo na competição, por sua já construída base de fãs, e porque, querendo ou não, suas escolhas musicais eram condizentes com o estilo artístico que tenta transmitir. E foi só dar uma bola fora nesse quesito para que o público visse o quão ruim e unidimensional a cantora é, e que vem se escorando na gritaria desde o início da competição. A música de Avril Lavigne exige certo dinamismo na voz, possui vários "soft points", que Bria não consegue traduzir de jeito nenhum, sua voz é direta, ela não conseguia fazer as quebradinhas da música, as voltinhas, o baixo registro da cantora é incrivelmente ruim, e ela faz questão de ranhetar toda nota alta que faz. Resumindo, ridiculamente péssimo. Nunca tinha visto o painel de jurados ser tão duro com alguém nos Live Shows. Achei tudo muito bom, desejei o flop e inevitavelmente um dia ele chegou. 




Como já disse, as escolhas musicais do #TEAMADAM foram o grande destaque do programa essa semana, mais em específico as de Christina Grimmie e Delvin Choice, que acabaram deixando bem claro os tipos de artistas que almejam ser. Seja no pop ou no soul, os dois mostraram que tem um tino muito grande para o que é cool, o que é hype. E é exatamente atrás desse público que querem ir, que amam um estilo musical, mas que procuram um diferencial dentro do mesmo. A escolha de "Bright Lights" foi sensacional, e a execução de Delvin Choice brilhante. Sua versão de estúdio pode até ter sido ruim, já que seu iTunes foi bem fraco, mas na hora do vamos ver ao vivo, o cantor tratou de carimbar mais uma semana no programa, usando de todos, de TODOS, os seus recursos vocais e artísticos. E logo ele, que tanto cobrei interação com público semana passada. Apenas calei a minha boca depois de segunda feira. Perfeito!




Quem nasceu para ser Kristen Merlin jamais será Cole Vosbury, apenas! O que dizer sobre a escolha musical da cantora de Shakira essa semana? Funcionou? Sim, mas para mim alguma coisa ficou faltando. Apesar dela possuir essa voz melódica e o tal do "fast vibrato" que tanto agrada o público, achei que faltou uma abordagem mais intimista, uns falsetes, umas quebradinhas na voz, saudades desses artistas versáteis e dinâmicos que tinham aos montes na quinta temporada e estão em falta nessa. A performance da cantora foi bem sólida, mas no fim das contas me pareceu bem qualquer coisa. Ainda não entendi o frisson em torno dela.




E fechando a noite em grande estilo, tivemos a grande presença e a grande persona que Sisaundra Lewis é no palco. É impressionante como continuamos admirados semana após semana com todo o potencial e dinamismo vocal que a cantora possui. Steve Perry sem dúvidas foi uma escolha super ousada, fomos introduzidos à uma versatilidade artística que até então não sabia que a cantora possuía. Até então só tínhamos sido apresentados à sua postura Diva, então foi bem bacana ver esse lado mais rock'n'roll dela. Foi tudo incrível na apresentação, desde o arranjo até o controle vocal da cantora, que provou que é muito mais que gritaria, e que sabe muito bem controlar os seus runs, para fazer uma apresentação diferenciada. Lembrei muito de Amanda Brown. Seguindo adiante na competição, é urgentemente necessário que a cantora cante alguma coisa mais atual, se não os seus dias na competição podem estar contados. Quero muito vê-la cantando um Beyoncé, um Celine Dion, ela arrasaria e conquistaria todos os estilos de público.




Na noite de resultado os ânimos estavam altíssimos, e com os novos elementos do show, grandes surpresas estavam por vir e favoritismos estavam por ser destruídos. A noite já começou com a ótima apresentação do #TEAMUSHER que subiu no palco chutando bundas, tentando se recuperar do fiasco que fez na segunda feira. Tivemos também Shakira performando com sua equipe mais uma das músicas flopadas de seu novo álbum, uma banda "Who", e a volta do The Voice Confessionals, muito menos interessante que os do ano passado com todos aqueles candidatos extremamente fofos e carismáticos. Saudades Caroline Pennell. Na hora dos resultados tivemos o grande twist da noite e depois de anos o oráculo do iTunes finalmente errou uma, e Kat Perkins que teve sua música como a quarta mais vendida no aplicativo, acabou dividindo o Bottom 3 injustamente com Tess Boyer e a flopadíssima Bria Kelly, as quais já imaginávamos que estivessem por lá. "The Time Has Come, 4U2 Lip Sync Sing 4 Your Life!"


A escolha musical de Bria Kelly para a noite de eliminações foi bem mais sensata que a da segunda. Achei que ficou bem bacana essa versão mais acelerada e mais rock de "Crazy on You" que a cantora fez, e sem dúvidas explorou o mais forte de sua voz e de toda a sua apresentação, que realmente foi muito boa. Apesar de ter sido uma das poucas coisas que curti a cantora fazendo até aqui no programa, parece que o público americano não estava mesmo disposto a perdoar a cagada que ela fez no Top10, e por ironia do destino a candidatas que tinha uma das maiores fan base da temporada acabou amargando um dos maiores índices de rejeição já vistos na história do The Voice. Vai ser ruim assim na "puta que o pariu". Vai tarde Bria Kelly!



Tess Boyer fez a pior apresentação da noite de eliminações. Visivelmente abatida desde o início da apresentação, a cantora demorou para se encontrar no tom, não conseguiu imprimir o seu baixo registro que geralmente é bem apurado, e parecia hesitante o tempo todo na primeira estrofe. Apesar de ter se abrido mais depois do refrão, ela continuou desafinando por diversas vezes, me parecia bem nervosa e acabou ficando bem aquém de suas concorrentes. Eu lembro que gostava muito de Tess, mas o tanto que ela cresceu nas preliminares ela atrofiou quando chegou aos Live. Culpa de sua ótima treinadora, SQN.



E fechando com chave de ouro a semana Kat Perkins subiu ao palco para mostrar o que é cantar pela vida, e deixando bem claro o que cada um que estiver nessa posição da berlinda deve fazer para continuar na competição. Se sua ótima performance de "Landslide" na segunda, não tinha sido suficiente para os americanos, ela foi lá e se superou mais ainda destruindo "Paris (Ooh La La)". Olha que já vi essa música ser performada várias vezes no programa, mais nunca de forma tão magistral e tão visceral. A cantora dominou todas as notas, esbanjou todo o carisma que antes lhe faltava, e preencheu todo o palco com todo o seu talento. Kat Perkins conquistou o meu coração e sem querer acabou roubando a cena em uma semana que era para ser "All About Grimmie". Se ela continuar nessa pegada, eu não duvido nada que aconteça o que Adam disse, e ela fará história se não aparecer novamente semana que vem no Bottom 3.


No mais é isso meus caros, parece que a sexta temporada do The Voice finalmente resolveu mostrar ao que veio, e mesmo sem querer colocar muitas expectativas, parece que os candidatos finalmente entenderam que daqui para frente, todos tem que trazer o seu melhor jogo em cada apresentação, e que cada nota conta. A essa altura do campeonato tudo já virou um samba do crioulo doido, continuo apenas apostando que Christina Grimmie e Josh Kaufman devem figurar no Top3, e pelo visto a história da quarta temporada vem se repetindo, um #TEAMSHAKIRA e um #TEAMUSHER eliminados no primeiro programa, a mesma coisa no segundo... Será que temos eliminação dupla do #TEAMADAM vindo por aí. Que Delvin Choice e Kat Perkins estão na berlinda não restam dúvidas, agora é esperar para ver. Até lá!

Talvez Você Curta

0 comentários

Fala aí, seuslindos!

Disqus for Seriadores Anônimos

Subscribe