Prêmio Seriedade Anônima 2019: Anúncio dos Indicados e Votação

24.11.19

Pensou que o ano ia terminar sem uma edição inédita do prêmio mais respeitado da indústria? Nananinanão! Chegou a hora de conhecer os indicados crocantes de nossa competição e votar até o dedo cair! Vocês tem até o dia 10 de dezembro para eleger os melhores com toda a sua dedicação e seriedade. 




Assine: iTunes | Android | Spotify


Categorias

Vamos enaltecer a atriz que mais emocionou, divertiu, nos deixou tensos e admirados com sua capacidade interpretativa, a ponto de parecer incorporar a personagem.
Apresentadores de categorias no baile, demônios, dragões, investigadores, estudantes e eternos assombrados... Todo mundo pode ser ator possuído se seu voto assim decidir!
Aquela turma pouco expressiva, pelo menos no papel que está concorrendo. Alguns a gente não sabe muito bem porque ainda arranja emprego na indústria, ou melhor, sabe que pode ter por motivos que independem do talento.
Já um clássico por aqui, esse prêmio celebra aqueles atores que, brilhantemente ou sem o menor cacife, interpretam vários personagens ou versões diferentes de si mesmos. Em alguns casos, as versões diferentes são iguais, mas a gente finge.
A vitória de atuação mais almejada por qualquer ator sério. O negócio aqui é exagerar, dar o pior de si e, no processo, atingir a excelência graças ao esforço em ser o mais afetado possível na composição de seu personagem.
Melhor grupo de atores, seja pela qualidade de atuação no conjunto ou pelo tanto que a dinâmica entre eles, dentro e fora das telas, melhora a série em que trabalham.
Personalidade da mídia que não perde a chance de aparecer, mesmo que em algumas ocasiões isso custe a sua dignidade.
Homem mais bonito, gostoso, tesudo, com alto índice de aproveitamento de shirtless.
É tempo de eleger a musa que mais arrancou suspiros de marmanjos e mocinhas por aí.
Animal que melhor atuou, sempre respeitadas as normas das associações protetoras.
Owwwwnt, Cuti cuti, ET! Olha que fofura essas creonças, gente!
Sem a devida valorização, eles se sentem como meros objetos.
Grrrrrrr! Essas são cenas de grande sensualidade que, para o bem ou para o mal, ficarão para sempre no nosso imaginário.
Não deixando o samba na cara morrer, o melhor plot twist, conclusão de arco narrativo ou momento que nos deixou com cara de “NA-CRE-DI-TO”.
A morte mais impactante / bizarra / inesperada / sofrida / comemorada.
Casal por quem a gente mais torceu, ficou arrasado nos momentos de crise e que nos fazem acreditar no amor, mesmo com todos os percalços.
Os produtores até tentam dar uma esperancinha aqui e ali, uma trollada de vez em quando pra capitalizar em cima dos desejos mais profundos dos fãs, mas a gente sabe que não vai rolar, né?
Grupo de amigos cuja relação que aquece nossos corações.
Aquele casal, grupo ou estrutura familiar nada saudável pelos quais as pessoas torcem sem motivo ou que os personagens envolvidos simplesmente não conseguem desapegar. Para mais informações, leia o texto de Alê Barbieri.
Série que melhor aproveita sua composição visual, seja pelo investimento em efeitos, maquiagem, figurinos, ângulos de câmera ou simplesmente uma direção de arte eficaz e coerente com a proposta.
Piores chroma keys, maquiagens, cenografias, CGIs e composições artísticas.
Melhor personagem LGBTQIA+, seja pela representatividade, pelo carisma, pelo carão, pela militância ou mesmo pelo fator inusitado e safadeza oculta nossa de cada dia.
Estreando com tudo na premiação desse ano, a categoria celebra o que há de pior na masculinidade tóxica que move cada um desses personages, sejam os cafajestes assumidos ou os que se escondem por trás da máscara de sad boy.
Diva, rainha, mulher empoderada que coloca os outros no lugar e/ou nos diverte e entretém com sua garra, força de vontade e quenguice, no significado mais amplo da palavra.
A gente sabe que dependência química é uma coisa séria e se compadece muito dos dramas desses personagens e de pessoas reais acometidas pelo problema, mas vamos eleger o Zé Droguinha do ano? Desculpa qualquer coisa.
Simplesmente não aguentamos mais essas pessoas. CHEGA! Estamos cansados. Pode ser alguém que mal chegou e já desconsideramos pacas, ou alguém que já está aí há tempos enchendo o saco, o importante é colocar pra fora o nosso desprezo por eles e viver mais leves.
Melhor vilão, aquele que amamos odiar ou odiamos amar. Quem melhor enrola o bigode, planeja e executa maldades e toma banho com barra de sabão de côco megaevil.
Narrativa ficcional, escrita e divulgada por fãs em blogs, sites e em outras plataformas pertencentes ao ciberespaço, que parte da apropriação de personagens e enredos provenientes de produtos midiáticos. Tem como finalidade a construção de um universo paralelo ao original e também a ampliação do contato dos fãs com as obras que apreciam para limites mais extensos. Fonte: Wikipedia.
Finais de série e temporada que nos deixaram com cara de "que é que tá acontecendo, é minha irmã?" ou simplesmente "ATA", mas que no geral foram aquela bomba.
Finais de série e temporada que nos deixaram com vontade de ver mais, ou simplesmente com aquela sensação gostosa de tempo bem investido.
Parece que o jogo não virou, queridinha, para séries ou personagens que prometem grandes mudanças e depois estão correndo atrás do próprio rabo.
É sempre aquele choque descobrir que certas coisas continuam no ar ou personagens que já deviam ter ido para o saco (e em algum momento realmente foram) se mostram mais vivos do que Morena.
Prêmio atemporal para afagar o coração dos fãs que até hoje choram pelo seu cancelamento, mesmo quando a série já tem data para retornar ou acabou há mais de dez anos.
Produções que claramente foram desenvolvidas como cortina de fumaça para beneficiar de formas indiretas os cofres dos estúdios e emissoras.
Coisas que aguardamos ansiosamente, sejam continuações de temporadas iniciadas recentemente ou estreias que ainda não chegaram, mas são promissoras e trazem um pouco de esperança para os calejados espíritos dos seriadores.
Série que era boa e apodreceu, seja de uma temporada para outra, na mesma temporada ou vem apodrecendo constantemente.
Produções que nem dá pra levar a sério, de tão absurdamente ruins que se apresentam.
Sabe aquela série do menu de streaming que você nunca teve nenhum interesse, mas vivem tentando te fazer assistir? Que as pessoas do dia pra noite começam a brotar ao seu lado dizendo "por favor, vê tal coisa que é muito bom"? Pois é, vamos lutar contra a massificação e forçar menos a barra.
Série feita para massagear o ego dos intelectuais que gostam de uma trilha sonora imersiva, que não induz, fotografia que trabalha bem os sentimentos atrelados a cores, cenas contemplativas que causam a reflexão sobre a efemeridade das coisas, boa pra quem gosta mesmo quando não está entendendo nada.
Série que é ruim, mas dá a volta por não se levar a sério, nos segura com muita tosqueira e claro desapego com qualquer chance de ter qualidade real.
Série que melhor debate e problematiza temáticas de diversidade e inclusão.
A arte imita a vida e vice-versa, então a gente tem mais é que se divertir com gente rea, seja em produções para o YouTube, documentários, revivals com atores interpretando a si mesmos, remakes de Carros, gente barraqueando pela Austrália ou "celebridades" cantando fantasiadas.
História limitada que prendeu nossa atenção, deixou com gostinho de quero mais ou apenas a satisfação de ter visto uma trama redondinha.
Trama estreante que já conquistou nossos corações em apenas uma temporada.
O grande prêmio da noite para séries que, sim, podem ter algum drama, mas têm em sua essência o teor comicuzinho.
O grande prêmio da noite para séries que, sim, podem ter alguma comédia, mas têm em sua essência o teor dramático.

Talvez Você Curta

4 comentários

  1. Estou muito triste que vcs não indicaram Watership Down, vcs tem coraçãos geladas demaiiiissss!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A produção da BBC não faz jus ao romance, o filme e as adaptações anteriores pra TV são melhores.

      Richard Adams <3

      Excluir
  2. "Betty desativa uma bomba rodeada de agentes do FBI" PUTA QUE PARIU kkkkkkkkkkk Dá até vontade de voltar a assistir...sqñ kkkkkkkk
    Era os agentes de The (Un)Following?

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe