Fringe 4x06: And Those We've Left Behind

sábado, novembro 12, 2011


A única coisa mais forte que o tempo, é o amor...

Parece que foi ontem que eu vi “White Tulip”, um dos melhores “fillers” já feito em uma série de TV. Admito que chorei em posição fetal no banheiro por uma semana após ver o episódio, e quando vi que este também trataria de viagens temporais, esperei que fosse tão bom quanto o outro... Fringe não decepcionou. Claro que obviamente não chegou a magnitude da Tulipa Branca, mas toda a emoção, trama e easter eggs foi demais para meu coraçãozinho.

A começar por Pete e Olive, eles estavam tão... Conectados (acho que a melhor palavra para definir), foi incrível cada cena, desde o sonho de Peter, até quando eles falam da outra Olivia, de outra linha temporal, com quem Peter tinha um relacionamento, toda a cena em si foi belíssima, aquela não é a Olivia de Peter, aquela é a Olivia sem ele, o problema é que elas não são diferentes, como a Olivia e BOlivia, elas são a mesma pessoa, e acho sim que esta Olivia pode se tornar a “Olivia de Peter”. Pois como já deixei muito claro aqui, não quero mudança de timelines novamente...

Tudo começou com estranhas falhas temporais, Prédios pegando fogo e depois normais, trens passando por estradas e rodovias alagadas, tudo foi ótimo, efeitos legais e os eventos em si muito divertidos, até mesmo a garotinha virou um bebe! Mas o que mais chamou a atenção foram os “pulos” temporais de Peter indo e voltando, simplesmente adoro coisas assim e Fringe fez de forma majestosa. Outra coisa muito interessante é a espiral de Fibonacci mencionada no episódio, Fringe já mencionou o matemático várias vezes e a espiral está presente em alguns simbolos da série, como o Cavalo-marinho, o Chifre e até mesmo no centro da Margarida!

Mas o grande show da noite foi Romy Rosemont, a atriz, que participa de Glee como a mãe de Finn, fez um ótimo trabalho e emocionou nas cenas. Ela era um grande matemática que teve alzheimer e nunca pode terminar seu trabalho, assim seu marido decidiu usar seu trabalho, para que ela não tivesse mais a doença e terminasse os cálculos e assim viajasse no tempo. Todas as cenas foram lindas, e ao final, não houve nenhum culpado. É clichê? É, mas Fringe fez de forma magnifica, emocionou e brilhantemente nos chocou, eu já sabia que Kate não deixaria o marido continuar com aquilo, mas não tinha ideia de que ela sacrificaria tudo, todo seu trabalho, para parar aquilo e não machucar a mais ninguém, belo e poético. Daquele jeitinho que só Fringe faz...

O Observador pode ser visto (recomento uma lupa) bem no começo do episódio, antes de ser mostrada a cena do prédio, por uma fração de segundo:



E o Glyph Code da semana foi:


Living, que significa Vivendo ou até mesmo Existindo, trouxe um significado todo especial, gosto de que cada vez mais Fringe vai se levando para um lado mais sentimental (Sem perder o racional, lógico) e os Glyph Codes mostram bem isso. Continuar a viver é a única coisa que Kate pediu a seu marido, é o que Peter e Olivia estão tentando fazer.

Acho que, o que me preocupa em Fringe é o fato de que tudo parece estar tão solto... Claro, os episódios estão impecáveis e este foi belíssimo em cada segundo, mas ai vou para os sites de noticia e fico sabendo da audiência e penso que esta pode ser a ultima temporada, e ai? Acho que se deixarem tudo para os 3 últimos episódios, pode ser totalmente corrido e muitas perguntas não seriam respondidas... Isso contando que haja uma temporada completa, Fringe enfrenta uma audiência temível, e qualquer outro show da FOX, que tenha pouco mais de um milhão de viewers, teria somente mais dois episódios exibidos e pronto. Acabou. Mas Fringe não é qualquer show, Fringe é especial, diferente e formidável! Fringe faz a televisão valer a pena, mas começo a pensar de que os produtores e roteiristas estão achando que são totalmente a prova de balas e isso me da medo, muito medo do que pode acontecer com Fringe.

PS: Só eu não gostei do pouco destaque do Lincoln? Queria um episódio dele trabalhando somente com o Peter, deixando Olivia de lado, os dois tem uma Química muito legal, queria ver uma amizade verdadeira nascendo ali...

Talvez Você Curta

2 comentários

  1. Que tal um episódio explicando sobre os observadores e nos últimos 5 minutos matassem o Lincoln? Ê personagem tapa buraco, deviam era dar atenção pra Astrid!!

    ResponderExcluir
  2. KKKK COitado, eu gosto dele, mas Astrid é muuuuito Amor mesmo S2 S2 Meu sonho desde a primeira temporada é um episódio focado totalmente nela, seria lindo demais..

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe