Shameless US: Season 1

domingo, janeiro 08, 2012


“We may not have much, but all of us, to a man, knows the most important thing in this life… we know how to fucking party!” PARTY!!!!

Sexo, drogas, rock, noites radicais em festas undergrounds, cerveja na fogueira, perda de consciência, gente surtando, pegação... e não! Não estamos falando de Skins. Estamos falando dessa outra crocância do Channel 4, incrivelmente bem adaptada pela Showtime e liderada por William F*king H. Macy. Sério, quando paro pra pensar não sei o que vale mais apena, se é a série como um todo ou só a atuação de William H. Macy.

Shameless conta a história dos Gallaghers, esse exemplo de família tradicional do séc. XXI, aonde enquanto a mãe desaparece o pai aparece bêbado de manhã no chão da cozinha, aonde irmãos se unem para cuidar se si mesmos chantageando uns aos outros e saqueando carros frigoríferos para conseguir comida, onde a moral está tão em alta que os responsáveis por colocar ordem no recinto são um casal de vizinhos viciados e quem tem fetiche por sexo exótico. Shameless é tão deliciosa e com tantos assuntos que nesse panorama da série, dividirei por personagens e shippers para ficar melhor de entender o contexto.


Fiona é a filha mais velha e a responsável do bando, ela que coloca alguma ordem na bagunça. Sensível e carinhosa ama todos irmãos incondicionalmente e sente com as alegrias e perdas de cada um. Por mais que o cotidiano dos Gallaghers seja confuso e tumultuado, Fiona reconhece a cada irmão pelo olhar. São poucos, mas são incríveis os momentos de franqueza que ela tem com eles, como as suas conversas com Ian, quando ela consola a Debbie, ou quando dá aquelas chamadas em Lip.

Fiona possui uma baixa estima muito grande, por isso não acredita quando Steve se apaixona por ela, por acreditar que ele é só mais um mauricinho pegador. Ao dar uma chance para o romance Fiona descobre que pode se surpreender várias vezes com Steve, não só ela como todo o público. Enfim, Emmy Rossum se transformou no grande trunfo da série, e de tão boa que a sua interpretação é, a atriz ameaça engolir o veterano William H. Macy em algumas cenas e se tornar a grande estrela da série.


Mas William H. Macy não faz por menos, todo carisma, deboche e cretinice que entregou ao papai Gallagher o tornou uma coisa extremamente caricaturada e pitoresca, é quase que assistir a um desenho animado. Engraçado que na versão britânica, apesar do roteiro ser o mesmo, não presenciamos toda essa identificação do público com o irresponsável Frank Gallagher, o mérito acaba sendo todo então de Macy que não mede esforços para nos entregar um produto fantástico, seja nas cenas em que está alcoilizado, que vai enfrentar o serviço de pensão ou em que é forçado a atender os fetiches de Sheila.

Sheila é um detalhe à parte. Eu já gostava muito das atuações de Joan Cusack, somando isso as nóias de limpeza, fetiches por posições diferentes no sexo, compulsão por fazer comida, realmente fizeram de Sheila uma das personagens mais divertidas de se assistir na série. Divertidas também são as crianças, Debbie com todo seu jeito meigo e sutil de conseguir o que quer, Liam sempre todo atrapalhado e Carl claro nos proporcionando sempre as melhores cenas de Shameless, seja quando está tacando fogo em alguma coisa ou quando está descendo a porrada em alguém, provando para todo mundo quem é que usa as calças na casa.


Destaque para os meninos Cameron Monaghan e Jeremy Allen White. Lip sempre com suas falcatruas, provando que o nerd descolado do século XXI vai muito além dos óculos e dos livros e sempre aceita um boquete como pagamento. E Ian com seus romances, seus confrontos com o pai, suas francas conversas com Fiona, sempre se debatendo para descobrir sua verdadeira identidade, o episódio em que ele sai atrás de seu suposto pai é, sem dúvidas, um dos melhores. Destaque também para Steve Howey e Shanola Hampton que fazem esse casal de vizinhos ultra-modernos e desprovidos de pré-conceitos que sempre funcionam como mais um alívio cômico para a série. Veronica e Kevin realmente são aquele casal de amigos que todos queriam ter.

Mas Shameless não é só essa comédia boba que te proporciona épicas gargalhadas. Os autores se utilizam desse fator para atrair o público para seus personagens. E quando já estamos apegados, as tramas começam a se desenvolver, como a questão das paternidades, a vida dupla de Steve, os problemas psicológicos de Carl, o triangulo amoroso em que Ian se mete, a conturbada realação de Lip e Karen e muitas outras coisas. Mas apesar de toda essa carga dramática Shameless é muito bem conduzida e proporciona grandes momentos ao seu expectador.

A primeira temporada foi ao ar ano passado e a segunda (apesar de já ter o episódio vazado) começa hoje na Showtime. Estaremos por aqui durante esses doze episódios crocantes comentando com você! E este ano, assim como para nós tropicais, em Shameless também é SUMMERTIME!



Talvez Você Curta

4 comentários

  1. OMFG! It's Showtime, bitch! It's Shameless! Ian S2!
    Série perfeitamente showtime, reúne tudo o que as grandes séries fizeram o showtime ser o showtime. Simplesmente imperdível. E os destaques sem dúvida são para Frank, Sheila, Fiona e Ian. Assistam sem medo de ficarem envergonhados, pois é muita crocância para uma série só!

    ResponderExcluir
  2. Eu não entendo todo mundo pagando pau para o WHM, claro que ele é um bom ator, mas no que ele mostrou da primeira temporada qualquer ator de meia idade sujinho fazia o mesmo.. Enfim, eu amei a primeira temporada e espero super ansioso pela proxima, que volta hoje yey!

    ResponderExcluir
  3. ñ sei se faria ñ hein Leo... ele deu bastante carisma ao personagem...

    ResponderExcluir
  4. Garanto que não seria igual. O William H. Macy fez um trabalho fantástico com o Frank, tanto é que por pior que seja, a gente acaba gostando dele e não deseja que ele desapareça, é como se fosse aquele membro da família que só te fode e você detesta, mas no fundo, ama.

    O Frank da versão inglesa não é tão carismático assim. Nesse quesito, a americana supera de longe a original.

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe