Blue Bloods 2x13/14: Leap of Faith / Parenthood

segunda-feira, fevereiro 20, 2012


Se você acredita em Deus, se você fala com Ele e, mais importante, se ele responde?

Essas foram algumas das questões que "Leap of Faith" trouxe a tona neste episódio de Blue Bloods. 

Quando Sandy estava gritando com Danny e dizendo que Deus a tinha contado que Charles, seu padrasto, havia matado sua mãe, ela pareceu ser uma maluca. Pelo menos é o que eles acharam, até os detetives descobrirem que a primeira esposa de Charles havia cometido suicídio. De repente, o marido em luto parecia um pouco menos inocente. 

O que há com Danny? Às vezes ele parece um cara inteligente e outras vezes eu quero bater ele. 

Se ele quereria informações sobre o suicídio da primeira esposa, que teria sido inteligente da parte dele não insultar o detetive do caso. Deveria ter encontrado uma maneira de interrogá-lo, sem chamar o homem um idiota. Falar, desse jeito, com o policial foi um completo desperdício de tempo, porque Danny deixou suas emoções tomarem conta, assim levando o melhor dele. 

Até a médica confessar que havia dado a Charles as drogas eu achei que ele tinha uma dúvida razoável do seu lado. A filha poderia ter plantado a droga quando roubou a bolsa e matou a mãe por dinheiro. 

Pelo menos essa é a história que eu teria mantido se eu fosse advogado de Charles. 

Fiquei decepcionado por Charles ser o assassino. Eu estava torcendo para ele, como eu sempre gosto de ator Timothy Busfield, mas acho que Deus não mente. 

E eu fiquei surpreso com o quão fortemente Danny apoiou Sandy desde o início. Achei que seu senso policial teria força maior, mas parece que a sua formação católica também teve bastante influência. 

Mas foi Jackie que fez a ligação ao paciente chamado Berlim. 

Do outro lado da cidade, com Frank sendo abordado para apoiar a canonização de um padre de NY, mas, é claro, pelo que conhecemos de Frank, ele não seria tão ingênuo de apoiar alguém antes mesmo de fazer uma boa checagem do passado do individuo. 

Fé à parte, eu acredito que tenha sido um episódio bem interessante que acabou envolvendo todos na família, até mesmo porque Danny estava em um caso bem peculiar também. 

A melhor frase do episódio ficou por quanta de ninguém menos que Frank: 

“Minha mãe era uma santa. Minha esposa era uma santa, especialmente pelo tempo que ela ficava perseguindo quatro filhos menores de 10 anos pela casa.” 






Blue Bloods nos deu vários olhares muito diferentes em "Parenthood", neste último episódio, como um homem desiste de seu futuro pelo filho, enquanto outro pai não podia sequer incomodar-se para reagendar o almoço com sua filha. 

Como poderia alguém não se afligir para a família Ortiz? 

Eles trabalhavam duro, mas lutando para sobreviver, quando um casal de idiotas decidiu que a família de imigrantes era um alvo fácil. Sua casa foi invadida, eles foram roubados e espancados. 

Eu podia entender o desejo de encontrar uma arma e caçar as pessoas que fizeram isso com a minha família. Infelizmente para o Sr. Ortiz, a lei viu de forma diferente. 

Que o verdadeiro culpado era o filho e não o pai foi um toque que me surpreendeu, embora ache que não deveria ter. O filho ficou furioso e a maioria dos pais estaria disposto a fazer quase qualquer coisa para proteger seu filho. 

A maioria dos pais, mas não todos. 

Nicky estava torturando sua mãe com sua fase adolescente ranzinza deixando a Erin com a sensação de que não podia fazer nada direito nos olhos de sua filha. O que Erin não sabia era que Nicky estava realmente brava, porque seu pai a havia rejeitado mais uma vez. 


Por quê? Porque a mãe estava lá. 

Frank sabe como é difícil ser um pai solteiro, ele não castigou Nicky para sua explosão, mas conversa com a adolescente e, em seguida, tentou mostrar suas coisas pelo lado de Erin. E ele teve o bom senso de dizer a Erin o que realmente estava acontecendo com Nicky mesmo que ele havia prometido que não faria. 

Há simplesmente algumas coisas que um pai precisa saber. 

Por fim, havia a história da filha do prefeito. Ariel foi presa por agredir um policial durante um protesto faculdade pelo aumento das mensalidades. Pude ver ambos os lados deste debate. O protesto saiu do controle e a adolescente reagiu sem pensar. 

Ela deve pagar por suas ações? Absolutamente, mas concordei com a redução dos encargos de uma contravenção. A condenação criminal perseguiria a jovem de 18 anos pelo resto de sua vida. 

Pelo que nos foi dito, ninguém ficou gravemente ferido, mas se alguém tivesse se machucado por suas ações, então acho que ela teria que enfrentar as consequências. Neste caso, os adolescentes tiveram sorte. 

Entendi a mãe de Ariel fazendo tudo o que pode para ajudar a filha. O prefeito era outra questão. Ele saiu da vida de Ariel há muito tempo. Ela era sua filha de sangue, mas outro homem era seu pai. 

Achei curioso que nunca o prefeito disse Frank sobre a sua conexão com Ariel. Ele parecia se importar com o que aconteceu com ela, mas ele estava mantendo o segredo para protegê-la ou a si mesmo? 

No final, o espírito da lei venceu mesmo que o espírito de todos os pais não o fez. Nicky que aprendeu jovem que a vida não é justa. Felizmente obteve o dom de um avô muito especial para ajudar no seu caminho.

A série tem ótimo ritmo, para quem gosta do estilo, é claro, mas espero que voltem logo no plot de Jamie, pois deixar de lado algo que pode render, é uma perda de tempo.

Aí está o promo desta sexta : Blue Bloods 2x15 - "The Life We Chose"




Talvez Você Curta

0 comentários

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe