House 8x10: Runaways

sábado, fevereiro 04, 2012

Sonolento...


Desculpem-me a sinceridade, mas dessa vez demorei pra postar a review simplesmente porque não conseguia ficar acordada por mais que quinze minutos seguidos durante o episódio. Sério!

Eu? Dormir assistindo House?! Impossível!!! Há alguns anos eu teria dito isso. Nunca escondi de ninguém que sou fã incondicional de House, sempre reluto muito (muito mesmo!) em falar mal da série, criticar o roteiro, os personagens e tudo mais. Pode parecer exagero – e eu sou uma pessoal altamente exagerada – mas ao longo da minha jornada vendo House criei um carinho todo especial pela série e é difícil ver tudo se deteriorando como está acontecendo.

Podemos ser otimistas e pensar que, uma série como House, com um caso diferente (fora as “reciclagens”) a cada episódio, sustentar-se por oito temporadas ao longo de sete anos já é uma vitória. Convenhamos, não deve ser nada fácil escrever roteiros inovadores para uma série como essa. Prova disso (e essa vem direto do túúúnel do tempo) é The X- Files!  Uma série de sucesso que teve nove temporadas, mas começou a degringolar lá pela sétima... Fora muitas outras que têm por aí e não tenho conhecimento suficiente para citar. A questão é que, para um fã, é dureza ver uma de suas séries favoritas acabando...

Agora chega de mimimi e vamos ao episódio! 

O caso dessa semana foi o de Callie, uma garota sem-teto após fugir de casa e de sua mãe, que virou dependente química devido à morte do marido. Durante o tratamento, Adams e House entram em conflito, pois a Doutora-Politicamente-Correta insiste em chamar uma assistente social, afinal de contas a garota é menor de idade, enquanto House prefere deixar tudo como está e seguir com seu tratamento sem nenhuma interferência. A rivalidade culmina com os dois médicos fazendo uma aposta (que Adams ganha após um belo tiro ao alvo) e House tentando enganar a todos contratando uma prostituta para se passar por assistente social. Finalmente, após a interferência de Foreman e uma tentativa frustrada de House para chantageá-lo, a verdadeira assistente chega, junto com a mãe de Callie.

A relação conflituosa entre as duas abre uma discussão sobre a capacidade das pessoas de mudar. Adams acredita que sim, House que não. A discussão meio que acaba quando os médicos “esquecem” um frasco de Vicodin ao lado de Ellen no momento em que ela decide para qual diagnóstico a filha será tratada (a equipe ficou em dúvida entre um aneurisma e alcoolismo) e ela devolve as pílulas para logo em seguida escolher o tratamento do qual House é contra (alcoolismo).

Eu realmente não entendi a intenção da série com aquele caso clínico dos irmãos encenando. Tudo bem, eles tinham brigado e só conseguiam se comunicar “normalmente” fazendo aquela encenação...... tá, mas...... e daí?! Como isso se conecta com o resto do episódio? Se alguém entendeu me explique, por favor.

Em relação ao dilema de Taub em sua convivência com as filhas, bem, pelo menos rendeu a cena engraçadinha de Chase brincando com as meninas e aquela conversa sobre “como você consegue fazer a mesma brincadeira idiota várias vezes e não perder o entusiasmo?!” (eu quero a receita, Chase!). Acho que foi uma tentativa de conectar, MUITO superficialmente, o drama pessoal dos personagens com o caso da semana, coisa que não vem acontecendo com frequência. O resultado foi mais uma historinha isolada que não nos levou a lugar algum e tomou o tempo que poderia ser preenchido com alguma trama melhor desenvolvida, que durasse até o final da série paralelamente aos acontecimentos de cada semana.

Pra finalizar, esse episódio, se comparado ao anterior que JÁ foi mediano, foi pior. Faltou coesão nos plots, faltou mais participação de personagens como Wilson, Chase e Parks (cadê o resultado do convite que Parks fez ao Chase antes do hiatus? Afinal de contas, ele topou sair com ela...) e essa nova mania do House de querer reunir a equipe para discutir diagnósticos em diferentes lugares após se livrar da tornozeleira de monitoramento, parece que só serve para desviar a atenção do espectador da terrível falta de criatividade que assola o roteiro.

Espero que dias melhores venham... Espero de verdade. E vocês?


Talvez Você Curta

1 comentários

  1. Tem mais jeito pra House não...agora é torcer pra que deem um fim minimamente digno a série. Eutanásia urgentemente.!!!

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe