Smash 1x07: The Workshop

domingo, março 25, 2012


A culpa foi do calor.



Depois de 7 semanas, Smash dá seus primeiros passos rumo à concretização de um musical. Obviamente,  um musical demora bastante tempo para debutar. Veja o My Fair Lady, da Eileen, que demorou 3 anos para QUASE ver a luz da Broadway.

Os workshops são extremamente importantes, já que é a primeira apresentação de uma peça e ainda acontece em diversas cidades. Era óbvio que não veríamos algo coeso, já que tudo que está acontecendo em Smash ainda está em um pequeno estado de desenvolvimento.


A minha personagem preferida da série é a Karen, porque eu tenho a McPheever (Sacou? Se não, pense no American Idol de 2006) e comecei a assistir a série por causa dela. Entretanto, quase todo mundo lá é tão bom quanto ela e fica difícil então odiar alguém, além de Ellis, claro.

O que me irritou nesse episódio foi Karen fazendo drama, não indo logo na reunião com o produtor, só porque começou a trabalhar no musical primeiro e é, então, 'sua' casa. Ridículo. Até um outro produtor, que tinha acabado de ouvi-la cantando disse que a ama, imagina a gente, que vê aquela coisa linda por 7 semanas e a outra ainda fica se importando em aparecer no fundo de um musical. Não faz sentido isso, mas como tudo na vida de Karen, rapidinho ela consegue outra chance e quem sabe, até melhor.

As pessoas precisam começar a vasculhar o estúdio antes de dar umas pegadas por lá ou até mesmo conversar sobre alguma coisa tensa. Antiprofissionalismo é o que define Julia e pobreza é o que define Michael, que claramente não tem um bom salário, já que não consegue nem pagar um motel para os dois fornicarem.


Eileen agora realmente é do povo, já que consegue martini por 7 dólares, arruma um encanador ilegal (ou seja, mais barato) para consertar o ar-condicionado e ainda arruma o seu futuro segundo marido. O interessante é que, já que o martini custa só 7 dólares, ela precisa levar urgentemente seu ex-marido para o bar, já que como o drink é mais barato lá, ela pode se dar o luxo de jogar não UM, mas DOIS drinks na cara do velho.

O cara é super gay e Tom achava que ele era super hétero. Eu não tinha dúvida. O cara dança bem até demais. O problema é que agora Tom vai ficar mais atraído e obsessivo com o menino do que nunca e vai perder aquele outro delicia que está com ele atualmente, só porque o sexo é ruim.

Achei bem válida a saída de Tom para acabar com SOFRIMENTO que é ter que ver Michael todo dia com aquele jeans super apertado. Era algo que não via chegando, mas espero que Michael apareça ainda, e se não aparecer, voto logo para colocarem Chris Evans como o DiMaggio, porque Chris realmente é só magia.

Estava esperando odiar a mãe de Ivy até o final do episódio, mas entendo completamente o que ela diz. Realmente, o que adianta elogiar sua filha quando você sabe que alguém vai passar por cima? Não custava soltar um 'que lindo' para a filha, porém. Depois Ivy vira uma viciada em pílulas e ninguém sabe o motivo.

Talvez Você Curta

6 comentários

  1. Gostei do final. Esperava o filho da Julia ficar com raiva, mas a reação dele foi bem natural. Descobrir a mãe traindo foi uma barra. Culpa do FDP do Michael, vai tarde seu safado traidor.

    ResponderExcluir
  2. Marco, vc sambou imensamente na minha cara postando a review menos de 16 horas que eu pedi!! "Não custava soltar um 'que lindo' para a filha, porém. Depois Ivy vira uma viciada em pílulas e ninguém sabe o motivo." MORRI!!

    ResponderExcluir
  3. Prefiro que demitam o filho de Julia a Michael. Por favor, né? Aquele choro não convence niguém.

    ResponderExcluir
  4. Muito melhor demitir akele pivete maconheiro inutil!

    ResponderExcluir
  5. Vai ver sou só eu que não acho traição algo divertido de se ver, principalmente quando o marido da Julia não fez por merecer.

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe