Smash 1x11: The Movie Star

sábado, abril 21, 2012




Continue só no cinema, Rebecca, SÓ no cinema.



Quando achávamos que a adição de Kill Bill em Smash era uma coisa boa, venho dizer que não adicionou nada de interessante na trama. Ela só é uma Ivy mais velha, só que não dorme com Derek, não é pobre igual Ivy e também fala mais do que ela.

Simples assim. Sem contar que o talento que todo mundo falava que a mulher tinha pelo menos deu uma sumida, porque não deu pra levar a sério nenhuma interpretação de Rebecca durante o episódio inteiro. O que é um pena, mas convenhamos, a verdadeira Marilyn precisa conseguir cantar e nem isso a mulher consegue fazer direito. Sinto, porém, que ela genuinamente gosta da produção e mesmo que a maioria das estrelas fazem exigências dentro de um projeto, acho que ela só está tentando contruir um musical pelo qual estará orgulhosa em participar.

Até no momento não dá pra reclamar muito, afinal, a atriz nunca fez musicial e até mostra que é uma amadora mesmo, falando que em um MUSICAL tem que ter MENOS músicas. Probleminhas técnicos, mas até o final do episódio a duvida foi sanada.

No episódio ela deu uma imensa melhorada, daquele primeiro momento até o último. Se continuasse do mesmo jeito, iria me aderir à ideia de Julia e promover um suicídio grupal. Não dava pra aguentar a voz da mulher, fora do tom e ainda, super baixa.

Perceba que agora o foco da vez é em Karen. Por várias semanas, tivemos uma overdose de Ivy (e ela também teve uma quase overdose, ironicamente) e agora Karen quer mostrar que também sabe ter dramas. Achei bem válido o que falei em reviews anteriores: o único drama do namorado será o affair, porque a parte política da coisa estava pobre.

Claro que algo vai acontecer entre Dev e R.J, principalmente agora, que o moço não se sente à vontade perto da namorada e vai procurar outros colos para chorar a perda da promoção. Mesmo assim, ainda vejo Karen armando para cima do outro cara, só para tentar acertas as coisas com Dev.

Levei um susto quando o marido de Julia apareceu, mas ele só queria falar sobre o Leo mesmo. Nada original, claro que o menino iria ter problemas na escola por causa da separação dos pais. Frank até mentiu para a diretora, mas Julia queria deixar bem claro que ALÉM de estarem separados, isso aconteceu porque ela o TRAIU. Julia claramente nunca ouviu falar em sutileza.

Reclamei, mas vale reclamar de novo: Não gosto dessa nova amizade LOUCA, que só acontece quando Karen e Ivy estão super bebadas. Obvio que Ivy precisa ficar embriagada para conseguir aguentar Karen, afinal, a menina só sabe reclamar sobre a distância entre o namorado. Acho um plot super desnecessário. Agora vão fazer um Clube da Luluzinha para falarem mal de Rebecca até o final da temporada?

Outro ponto tensíssimo no episódio foi Eileen, ou melhor, a Bruxa Rata, se fazendo de difícil para o fornecedor de Martínis da mulher, só porque é ocupada. Os dois fazem um ótimo casal, e ainda é um combo. Da próxima vez que Bruxa Rata se encontrar com o ex-marido e estiver com o novo affair, ela joga o Martini básico na cara do velho e Nick bota fogo nele. Um par feito no céu.

Depois de muita flertação e muita conversa, finalmente Tom e o Gay Homofóbico decidiram que estava na hora de ir em um encontro. Aliás, minto, JULIA decidiu para o amigo. Will and Grace 2.0, pessoas?

P.S: Antes achava que Ellis era uma cobra venenosa e talvez até perigoso, mas alguém que não consegue apertar o botão certo para trocar a chamada não vale minha atenção.

P.S: Super concordo com o chocolate, deixando bem claro que não é um cara qualquer que Tom pode conhecer em uma Dark Room e largar depois de 20 minutos.

Talvez Você Curta

0 comentários

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe