The Borgias: Season 2

quinta-feira, junho 21, 2012


Luxúria, morte, heresia, soberba, isso e muito mais é The Borgias.

Ao fim da season 1 de The Borgias fiquei com uma sensação de que havia muito mais a ser explorado e, portanto, havia porque de assistir a temporada seguinte, apesar de estar pronto a deixá-la de lado caso esta não flui-se, isso felizmente me levou a assistir a essa sensacional temporada.

Planejados ao não, os acontecimentos da primeira temporada foram determinantes para o destroncamento dos plots iniciados na temporada de estreia e as situações levantadas nesta segunda temporada.
Seja pela guerra com o Rei da França (Michel Muller, este que foi simplesmente brilhante em sua intepretação) até o fatídico ato final da temporada.

Ao inicio da temporada esperava mais uma temporada centrada nos facetes ocorridos na temporada passada, que apesar terem sido muito utilizados, muito bem utilizados, diga-se de passagem, não foi o principal foco da temporada, mas sim, a própria família do crime e suas intrigas familiares.



Claro, que a temporada arrolou em acontecimentos históricos que fizeram dessa temporada um prato cheio para todos os PNC’s de plantão.

Enquanto a season 1 se focou, praticamente inteira, no “roubo” do papado, a multidão de outras histórias girava em torno de escapadas sexuais, inclusive, do próprio Papa Alexandre VI.

Certamente há nada de errado com isso – e a Showtime faz bom uso de suas regalias por ser um canal a cabo – só que para um drama histórico ter relevância real em longo prazo, é preciso aprofundar-se na política da época.

E foi nesse ponto que os produtores se tornaram excelentes contadores de histórias, verdadeiras ou não.
Podemos destacar, dentre outras, o ousado movimento de quando Rodrigo Borgia exige que Roma "Combata fogo com fogo", enquanto o rei francês movia seus canhões de Nápoles para Roma, juntamente com toda a artilharia dos Sforza, fazendo com que todos os artesões partam à construção de canhões para defesa da cidade.

O problema?

Sem dinheiro e sem material para a construção dos mesmos, nada melhor que usar a melhor arma que os Borgias possuem: a enganação.Pois é, o caso foi que não havia como livrar-se de uma vez por todas dos franceses, mas pelo menos assim ganharam tempo e fama para outros não os desafiassem, ousadias à parte foi uma jogada perigosa até mesmo para eles.

E como o título do texto bem diz: “os Borgias não perdoam”, e ainda, mesmo após a derrota os Sforza , Cezare foi atrás do ex-marido e sua irmã para acertar as contas, e foi uma cena simplesmente magnifica, apesar de sádica, vê-lo buscando o coração do bastardo que machucara o coração de sua querida irmã, e põe querida nisso.

Lucrécia Borgia, que foi um ícone da temporada, e que apesar de seu rosto de anjo, mostra que realmente é uma Borgia quando alguém entra em seu caminho, mesmo que esse alguém seja o irmão mais novo.
Além mostrar que só se casaria com o homem que ela quisesse ou que, pelo menos, pudesse moldar ao seu gosto como foi o caso do príncipe que acabou nas garras da garota. Como disse a própria: “Pobre menino”.

Já Juan, sinceramente, fiquei feliz com seu final, pois, o cara conseguia ser o mais arrogante e FDP dos irmãos, mas apesar disso, não passava de uma criança pequena com “daddy issues”.

Enquanto isso, Cesare chegou ao fim da jornada em busca do que mais desejava, ou seja, deixar a batina para trás e se tornar, em definitivo, o guerreiro que sempre desejou. Não que não já o fizesse, mas pelo menos agora possui a “bênção” de seu pai.



O mais interessante de The Borgias é ver como a família é devota ao seu patriarca, que apesar de seus defeitos conseguiu também me conquistar ao longo dessa segunda temporada, já que na primeira não mostrara tanto seu lado bondoso, se é que posso chamar disso.

E inclui-se nessa devoção a sua amante Giulia Fornese, que apesar de ter crescido nesta segunda temporada com certeza terá um papel importante na próxima temporada, ou pelo menos espero por isso.
Interessante foi ver a “união” das mulheres da família Borgia para o bem dos pobres, não que isso seja um sinal de bondade, mas sim tentar mostrar-se como superiores aos clérigos, como fazem muitas pessoas hoje em dia (cof cof).

Foi uma diferente abordagem utilizada nessa temporada para tratar de assuntos que pensei que acabariam passando batidos como a pobreza das ruas de Roma, enquanto os clérigos viviam em abundâncias sem fim e ainda reclamavam dizendo que a população não contribuía mais como tempos antes, embora suas mesas continuavam fartas e continuavam a construção de seus faraônicos castelos, fico pensando aonde estavam as declarações de pobreza da época.

Entretanto, ver uma mulher na contabilidade da igreja foi uma real afronta aos cardeais, ou será que foi a possível descoberta de seus desvios, hein?

Espero que continuem essa abordagem mais agressiva das mulheres as contas da igreja na terceira temporada, mais acho que de inicio será mais complicado, já que com a saída de Cesare do colégio de cardeais, acredito, que quem ficará no poder até o retorno de Rodrigo seja o Cardeal Sforza, consequente os “poderes” dados às mulheres terá, muito possível, um enfraquecimento.


Sobram expectativas para a próxima temporada, mas não posso deixar de destacar a perfomance de Sean Harris, como Micheletto, além do personagem já ser ótimo e muito bem encaixado como “hit man” e leal súdito de Cesare,e a interpretação não deixou por menos.

Outro destaque é o magnífco Jeremy Iron, no papel do controverso Papa Alexander VI (a.k.a. Rodrigo Borgia), que personica a palavra controverso no sentido mais amplo, dados seus atos e feitos que acabam, a cada momento, modificando nossos sentimento pelo personagem.

E sem contar que amo o modo de que ele a todo momento se refere a si mesmo na primeira pessoa do plural, simplesmente demais.

Nós adorou essa segunda temporada. Sei que deixei muitos dos acontecimentos que marcaram a temporada de fora, mas foi uma forma de agradeçer a belissíma temporada que eles apresentaram e espero que  vocês gostem.

Talvez Você Curta

5 comentários

  1. disseram q é entediante. vale a pena aguentar a 1 temp?

    ResponderExcluir
  2. como disse na review a primeira temporada deixou a desejar mais a segunda veio com tudo, Mas nâo achei intediante apenas que foi necessária a construçõa de uma história...

    ResponderExcluir
  3. Adorei o seu comentário sobre a série! Fiquei feliz de vocês falarem aqui de uma das melhores séries da TV - na minha opinião! =)

    Realmente, a primeira temporada é um pouco parada (mais os primeiros episódios..) - mas não deixa de ser ótima! Principalmente porque mostra o relacionamento da família, como eles são conectados, dependentes.. e como tudo gira em torno do patriarca da família.. e também nos mostrou o início de muitos problemas que foram desenvolvidos na segunda temporada..

    A segunda temporada - como você disse - é mesmo maravilhosa! Cheia de ação, corrupção, luxúria, poder... - tudo o que a história sempre nos disse sobre a família.. e tudo o que estávamos esperando ver em tela!
    Jeremy Irons deu um show de interpretação e conseguiu nos passar todos os sentimentos (em conflito) de um cara corrupto e sem princípios, mas que vive para a família e por isso quer que a família toda também viva por ele! É muito interessante ver a dependência que cada um tem do outro e como as atitudes de um sempre reflete no outro..
    Durante a segunda temporada, Cesare, Lucrezia e Machiavelli tiveram um crescimento imenso e conseguiram nos passar tantas emoções diferentes.. foi sensacional! O elenco feminino junto (Lucrezia, Giulia Farnese e Vanozza) renderam ótimos momentos e o conflito entre os três irmãos (Lucrezia, Cesare e Juan) também foi ótimo.. principalmente o do Cesare e Juan e a questão do filho preferido, o outro que sempre tem que fazer as vontades do pai...
    Sem contas as questões externas nas quais a família se envolveu (com ótimos desfechos!) como a guerra com o rei da França, a batalha contra os Sforza e a questão do Savonarola...
    E se o Juan já irritava muito na primeira temporada, nessa ele conseguiu se superar..!
    A Season Finale da segunda temporada foi espetacular! Surpreendente e com aquele Cliffhanger!

    Enfim.. a série é maravilhosa! Principalmente pra quem gosta de história ou pra quem algum dia já leu alguma coisa sobre essa família.. recomendo muito!

    ResponderExcluir
  4. Concordo plenamente como suas observações e não vejo a hora do inicio da terceira temporada!

    ResponderExcluir
  5. Fiquei meio da saco cheio no começo da temporada, mas nós acabamos de assistir agora e Buáááá que final dramatico sensacional, sem duvida vou acompanhar o desfecho dessa trama ano que vem, com muito amor no S2 kkk.

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe