The Newsroom 1x03: The 112th Congress

quinta-feira, julho 19, 2012


Consequências

Quando Jesus e Moisés foram jogar golfe, Jesus foi reprimido por Moisés de usar seus artifícios para acertar sua tacada, afinal, por mais que ele possa com muita facilidade fazer a bola chegar ao buraco, o jogo tem regras a seguir e Leona Lansing (Jane Fonda), diretora executiva do ACN, deixa claro para Charlie que ele tem que jogar dentro delas, por que nenhum jornal pode simplesmente transmitir a verdade. Enquanto o jornal for parte de uma empresa que visa lucro e for de um grupo de acionistas que visam lucro acima de tudo, não poderá “simplesmente” contar a verdade. É isso que o episódio “The 12th Congress” – o melhor até então – tem como foco: as consequências. O preço que alguém paga por andar fora da linha, ir contra o poder.

No início vemos uma declaração de Will McAvoy, nosso âncora, se desculpando aos expectadores em nome de seu telejornal pela sua conduta nos últimos anos. McAvoy promete para o futuro um jornal descente que foque nos fatos. Daí em diante o episódio mostra alguns dos programas que seguiram o pedido de desculpas mostrando o desenvolvimento da relação dos nossos jornalistas com o tempo e, de pouco em pouco, a insatisfação crescente da ACN com o seu jornal agressivo. E é com a intenção de informar que Aaron Sorkin mostra, através da sua apresentação das notícias, muitos dos artifícios usados para o controle de informação na mídia. Uma das notícias fala de uma tentativa de bombardeamento no Times Square. O “terrorista” era muçulmano, como os jornais fizeram questão de informar, mas, o que muitos esqueceram, o homem que viu e alertou o acontecimento também era. Agora, qual o interesse dos jornais em omitir essa informação? O interesse, não dos jornais, mas de quem os controla. Seria a vontade de criar uma imagem inimiga? O bom e velho terrorista que justifica os atos extremos do governo.


Ao longo do episódio vemos o desenrolar de seis meses desse jornalismo intercalados com uma reunião entre Charlie e os cabeças da ACN. A insatisfação da emissora está no constante ataque do jornal ao Tea Party, movimento político conservador que se diz a voz do povo. A ousadia chama a atenção dos superiores e a pressão em cima de Charlie só aumenta a cada menção do movimento e quando Will cita as indústrias KOCH, segunda organização mais rentável de 2010, parece pisar num calo do conselho. É sutil, mas pra mim, essa é a mais importante das denúncias. Mostra quem está acima, acima de um senador, acima de um partido. Está no poder quem financia. Para a emissora, Charlie não poderia nem citar o nome da empresa sem antes pedir permissão.

Destaque para a estrutura do episódio que faz esse salto temporal sem cansar, pelo contrário, ficamos presos.

Vemos também mais da relação Will x MacKenzie. Emily Mortimer acerta no tom de comédia ao ter acessos de ciúme a cada mulher que ia de encontro a Will. Por mais que negue, como negou a Maggie, tentava afetar MacKenzie levando suas namoradas ao jornal, mas o tiro sai pela culatra quando ela mesma encontra um parceiro.

Maggie também ganha destaque no episódio. Sua timidez e nervosismo não é tão fofo e ingênuo como parecia. Na verdade a produtora sofre de ataques de pânico e, é claro, ninguém menos que Jim aparece para salvá-la. Os dois formam um casal bonito, mas relacionamento não são simples. Jim tenta interferir no dela e seu conselho não vai como queria. Depois de terminarem, Maggie e Don acabam se reconciliando no final do episódio. E Don se mostra cada vez mais escroto, egocêntrico, como um Will que não se importa.

Pra mim, é o melhor dos três episódios e preparam para um futuro incerto, já que agora a carreira de Will está em jogo. Veremos qual será a próxima jogada de Charlie.

Talvez Você Curta

3 comentários

  1. Depois de um episódio fraco, esse conseguiu restituir minha fé.

    ResponderExcluir
  2. Depois de um episódio fraco, esse conseguiu restituir minha fé.

    ResponderExcluir
  3. Parece ótimo!! Quero conferir, com certeza, a estréia de The Newsroom, que promete mostrar uma comédia inteligente e crítica política tendenciosa.Tem todos os ingredientes para ser mais uma excelente série do talentoso roteirista Aaron Sorkin. Não vou perder de jeito nenhum.

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe