True Blood 5x07: In the Beginning

quinta-feira, julho 26, 2012






Há um estranho paradoxo nesse episódio de True Blood: os acontecimentos nele retratados são interessantes, mas suas explicações não poderiam ser mais frágeis. Assim, embora o cinismo do "novo" Russell seja divertido e o desejo de Sookie por uma vida normal seja coerente com o tema da temporada e enriqueça a trajetória da personagem nessa temporada, é difícil aceitar desculpas como "eu segui vocês no dia que enterraram Russell" ou "suas baterias de fada irão descarregar.
 

No primeiro caso, existiam tantas outras possibilidades para explicar a libertação de Russell. O vampiro poderia ter sido resgatado pelo seu criador ou por outro vampiro transformado por ele. Seria simples, mais eficiente e infinitamente mais elegante do ponto de vista narrativo já que o conceito da ligação entre vampiros com laços sanguíneos já foi exaustivamente abordado na série, diferente da explicação rasteira oferecida, que recorre à alteração de eventos passados para justificar o conhecimento de Salome sobre o paradeiro de Russell.

Entretanto, a falta de qualidade apresentada nessa explicação não se compara com a estupidez da justificativa para a perda de poderes de Sookie. Por si só a justificativa de que ela se tornará humana se gastar todos os seus poderes é de uma imbecilidade ímpar já que, sem nenhuma preparação, é difícil aceitar que Sookie possa perder uma parte essencial sua. Mesmo um universo fantástico como o de True Blood necessita de regras e da manutenção de uma lógica interna, mas nunca fomos apresentados a nada que permitisse um ser sobrenatural simplesmente deixe de sê-lo.

Os problemas dessa trama não param na sua falta de lógica, existe um erro gritante na tentativa dos roteiristas quando tentam dar uma sustentação factual ao mal que acomete Sookie. Em certo momento ela menciona o recente enfraquecimento dos seus poderes. Em que episódio isso foi mostrado? Teria eu dormido por alguns instantes e perdido algum momento de fraqueza da fada? Tudo que me recordo é de uma Sookie cada vez mais no controle de seus poderes, derrotando Russell, recuperando memórias de pessoas enfeitiçadas por vampiros, ouvindo pensamentos como sempre, não houve mudança alguma.

Quando olhamos alem dessas frágeis explicações, entretanto é que surge paradoxo mencionado. As conseqüências do golpe planejado por Salome se revelam interessantes tanto no episódio em si, com a insanidade demonstrada por Bill, Eric e companhia (o que era aquele sangue?), como para o futuro já que sem o controle da Autoridade, nada mais impede os Sanguinistas de declararem guerra contra os humanos.

A trama de Sookie se mantém coesa tanto com o tema abordado na temporada - a briga entre humanos e seres sobrenaturais e as conseqüências disso para ambos os lados - como também com o desenvolvimento dela nessa temporada, aonde ela cada vez mais vem se dando conta da seqüência de absurdos que sua vida se tornou, muito por culpa de seus poderes e de outros supers.

Em suma, foi um episódio mediano cujo principal problema foi deixar escancaradas algumas das maiores falhas recorrentes de True Blood

Talvez Você Curta

1 comentários

  1. Meu Deus, só queria que Alguem tirasse logo a trama de Terry da série.. boa review

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe