Fringe 5x01: Transilience Thought Unifier Model-11

sábado, setembro 29, 2012


Queria taaanto ter gostado deste episódio de Fringe...

Venho aqui, novamente (e infelizmente) criticar Fringe. Não é apenas para querer aparecer, não é para ganhar muitos comentários e não é para ser “hipster” e ser o cara que escreve reviews de Fringe e “odeia” a série. Pelo contrário, sou um fã devoto da série, a amo, e parte meu coração dizer que ela está acabando. Acho que o grande sentimento que tive durante este episódio foi decepção. Decepção não por ter achado que o episódio poderia ter sido muito melhor, bem feito ou qualquer coisa do tipo, acho que o que realmente me pegou aqui foi o fato de que durante 90% dos 42 minutos do episódio, eu senti absolutamente nada. Apatia total, não consegui sentir qualquer coisa, e isso é algo que realmente faz com que eu me sinta mal em relação à série, pois mesmo quando duramente critiquei ao 4x19, “Letters of Transit”, ainda assim eu senti algo, porém neste começo de temporada, quando a tela escureceu, o ultimo glyph foi mostrado e tudo ficou preto, apenas olhei para baixo e dei um longo suspiro. “O que aconteceu com Fringe?”

Voltando ao Letters of Transit, revendo agora, um tempo depois, começo a ver que sim, eu estava errado em falar tão mal do episódio, mas duas coisas ainda vigoram em meu interior. A primeira é que o episódio não deveria, jamais, ter sido exibido naquele momento, para mim ainda parece ser algo tão forçado e errado, que prefiro não falar muito sobre. E segundo que Etta realmente não consegue fazer com que eu me importe com ela, talvez a atriz seja ruim, talvez a personagem seja. De qualquer forma não ligava para ela na antiga temporada, e não poderia me importar menos com ela nesta.

Desde o principio, não consegui me conectar as tramas vistas, com Etta sendo sequestrada, Olivia sendo encontrada, família se reunindo, nada... Acho que a única cena que realmente fez com que eu sentisse algo durante todo o episódio foi o interrogatório de Walter, me senti totalmente desconfortável e com muito ódio do Observer que o interrogava. Acho que se esse interrogatório serviu para que Walter voltasse a ser menos “dark”, então valeu a pena, mas sinto que não teremos tanta sorte.

De verdade, não gosto desse Walter mais estressado, com raiva, angustiado o tempo todo, claro que vez ou outra, em alguns episódios, vale sim a pena vê-lo. Porém não consegui ver nele o Walter que sempre gostei nestas quatro temporadas até aqui. Com Olivia algo de estranho aconteceu, mesmo depois de ter sido retirada do Amber parecia que ela sequer estava ali na cena, ela foi descartável, assim como Peter. Ambos que, durante o episódio todo apenas babaram olhando para Etta, tiveram uma trama de que pelo visto se separaram, e Peter desistiu de salvar o mundo, mas não me importei tanto como deveria...

Não consigo deixar de pensar de que algo deu errado neste episódio, mas não vou desistir, eu já vi o que Fringe pode fazer, e espero que ela vá lá e faça melhor, que se melhore e que faça um final inesquecível, que faça algo poderoso, sentimental, algo que fique marcado em nossas mentes, porque Fringe não é um show qualquer, Fringe merece um final que se possa chamar de fantástico, incrível, perfeito! Merece que cada pessoa, cada fã solte uma lagrima em seu final, não que seja algo triste, ou depressivo, mas que seja uma lagrima de saudades, pois acabou e nada igual está por vir. Realmente espero isso, e quando tudo se vai, a esperança continua. Firme e forte.

E é isso, espero que as pessoas compreendam que eu entendi sim o episódio, que achei que foi feito um ótimo trabalho na fotografia, trilha sonora, e sim, a cena final com Walter ouvindo Only You do Yazoo enquanto observa um único dente-de-leão na rua é poética, mas ainda assim, faltou algo ali, algo que realmente fizesse com que sentisse toda a dor, ou pelo menos a compreendesse, algo faltou.

O Glyph Code da semana foi:

DOUBT”, “Dúvida”, “Incerteza” em português, traz alguns questionamentos, afinal após a memória de Walter ter sido apagada pelo Observer o que mais se pode fazer? Como derrota-los? Como vence-los? Também tem o fato de que muita coisa ainda não ficou muito bem explicada, como o que aconteceu entre Peter e Olivia, e verdade seja dita, a menos que seja algo realmente importante para a história atual, prefiro nem saber...


Talvez Você Curta

14 comentários

  1. Vou me solidarizar. Achei que não estava no clima, tentei encontrar uma razão para explicar porque não achei fantástico, mas apenas não achei. Também não achei ruim, somente não fez meus sentimentos se agitarem. Foi ok.

    ResponderExcluir
  2. Você é a primeira pessoa que vejo dizer que não gostou do episódio. Nada contra... Cada um tem uma opinião a cerca de alguma coisa e é bom ver algo contrário à sua, faz você repensar, ver se estava errado... Eu o fiz e... ainda continuo achando o episódio maravilhoso. Senti tensão no interrogatório de Walter, senti pena por Olivia no ambar como se fosse uma mesa de centro, fiquei feliz pela reunião da 'familia bishop'. Senti um carinho enorme quando Etta beija a bochecha de Walter, senti desesperdo quando ela fala que a memória do avô está para sempre perdida e senti esperança na ultima cena. Pra mim, foi um episódio lindo e anseio por mais Fringe. Fico triste por saber que eh a ultima temporada mas, fico feliz por isso ter sido decidido com antecedencia, a fim de ser criado um final inesquecível pois a série merece o melhor!

    ResponderExcluir
  3. Desde a quarta temporada que, pelo menos para mim, Fringe deixou de ser aquela serie emocionante que fazia a cabeca explodir. Parece que simplesmente os roteiristas perderam a mao. No entanto, esse episodio me fez sentir que pode sim melhorar, chegar perto do que um dia foi, mas que nada vai ser como antes.

    seriessuperlegais.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Concordo plenamente com você. Para mim foi um episódio muito emocionante, achei tudo perfeito, tudo mesmo. Este episódio me mostrou que Fringe sempre consegue ir além. Atuação do John Noble, Anna Torv, e todo resto estavam fantásticas. Acredito que este será o ano em que ele merece o Emmy, somente por aquela cena da tortura. Espero que esta temporada não decaia o nível, sempre melhorando, para chegar em um final esplendido e memorável.

    ResponderExcluir
  5. Também achei o episódio bem inferior, abaixo da média. Ler a sua (corajosa) review me fez pensar no porque da sensação de vazio que eu senti durante todo o episódio. A única parte que eu senti alguma coisa foi durante o diálogo entre Olivia e Peter, falando sobre o que ocorreu ao longo desse tempo. Walter, Etta e Afro não me fisgaram. A trama com os observadores também não. Cheguei a pensar que fui comprometido pelo monstro da expectativa, mas, sinceramente, não esperava nada desse episódio. Não estou decepcionado com a série. Se queremos respostas, eles parecem estarem bem dispostos a nos fornecê-las. Mas se elas vierem com um pouco de emoção, ficaria mais gostoso e daria orgulho de assistir.

    ResponderExcluir
  6. Eu não achei o episódio ruim, mas ao mesmo tempo não me identifiquei com ele. Vou ter que assistir a season finale passada novamente, pois me senti totalmente desconectado da história e quando digo história faço referência a tudo que vimos da 1º até o início da 4º temporada...Sei lá, parece que caímos em outro universo alternativo um pouco mais chato e não retornaremos mais para nossa tão feliz realidade....

    ResponderExcluir
  7. Quem não sentiu nada com este episódio clramente não gosta do gênero drama pq esse epi não foi feito pra explodir cabeças mas pra introduzirmos a novos elementos (vimos que tem um plano, o dispositivo pra pra abrir passagem pra outra realidade e a milicia rebelde foi mais falada e os observadores estavão mais malvados do que em "Letteres of transit")

    ResponderExcluir
  8. O problema não acho que seja o episódio, mas o rumo que Fringe vem tomando. Começa com a luta dos dois universos, lugal. Aí os universos se unem, legal. E depois reapare william bell, e isso foi incrível, mas agora mudar tudo que vinha construindo pra começar isso de luta contra os observers... Mudou tudo que a serie estava construindo.

    Mas, como o Leo, espero muitissississimo que os roteiristas consigam fazer algo mind-fuck nesse final.

    ResponderExcluir
  9. A dúvida (DOUBT) é se a qualidade da série vai cair, se tudo aquilo que você acreditava caiu por terra. Pelo visto o episódio realmente conseguiu criar duvidas entre ps fãs.

    ResponderExcluir
  10. Nossa, eu estava justamente pensando isso!! Amava o plot dos paralelos, mas não gosto do plot dos observers. Gostava de pensar neles baseado no September e essa distopia atual não ganhou minha torcida. Além disso, já na abertura sentimos uma mudança a mais, onde havia termos interessantes de possibilidades científicas, agora encontramos evocações sociais, nada contra, mas tudo contra porque ganhou sim outro foco.

    ResponderExcluir
  11. Renato, eu sei de toda a importancia de Letters of Transit e talvez esse seja um dos motivos pela minha aversão ao episódio, porém não vou entrar novamente em discussões sobre o episódio, já que houveram muitas na review do mesmo. Mas eu sou sim um fã de drama, os episódios e cenas mais dramatica de Fringe sempre são meus favoritos, já chorei com White Tulip e Making Angels, e grande parte das séries que assisto são dramas e não Sci-Fi. Mas realmente não consegui me conectar a tudo o que estava acontecendo, por diversos fatores diferentes, e alguns deles sequer consigo explicar... Isso é algo muito mais pessoal, acho...

    ResponderExcluir
  12. Não vou entrar na discussão do episódio, se ele foi capaz de gerar grandes emoções ou não. Respeito o seu ponto de vista Leo, mas sou do grupo que teve boas impressões com o episódio.
    A minha dúvida pertence a Etta, ela realmente é uma figura estranha, o fato de ela ter influência em todos os grupos do novo regime (governo e resistência), até aí ok, o fato de os Observadores não poderem entrar na mente dela (explicável por ser filha de Olívia, deve ser devido ao cortexphan), mas continuo a ter a impressão que há algo mais nessa garota, fora o fato dela ter se perdido dos pais, ou ter sido sequestrada com três anos, não lembrar dos momentos da infância com a sua família, mas saber perfeitamente quem eles são. Além disso a imagem que Walter mais tentava preservar na tortura do Observador era da sua "little girl".

    ResponderExcluir
  13. P.s: Alguns afirmam que esse plot do domínio dos observadores não se encaixa na trama, mas ele está sendo anunciado desde a primeira temporada com a famigerada frase: "the observers are coming".
    E desde que September nos foi apresentado com mais intimidade, em meados da segunda temporada, ele foi apresentado como uma espécie de subversivo, o fato dele salvar Peter foi de encontro à ira dos demais observadores. E fora September, os outros observadores sempre foram apresentados um pouco mais sinistros. No último episódio da terceira temporada os observadores "comemoraram" o desaparecimento de Peter da realidade.

    ResponderExcluir
  14. Exatamente.
    E minhas esperanças para um final foda estão caindo muito agora, pq acho que eles vão manter esse plot dos observers.
    Mas, com um pouco de sorte, os roteiristas podem surgir com alguma solução foda envolvendo tudo que havia acontecido no plot anterior.

    Estou torcendo.

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe