The Good Wife 4x15: Going For The Gold

segunda-feira, março 04, 2013


Como uma fênix.

Fênix. Sim, a do Dumbledore. Acredito que a maioria de vocês saiba qual o significado da tal criatura mitológica eu estou falando. The Good Wife terminou a sua terceira temporada no auge do seu esplendor, mas como toda Fênix, ela acaba envelhecendo e virando cinzas. Foi o que aconteceu durante esse período de 10 episódios. Cinzas. Mas então, como em um milagre, quando literalmente metade dos fãs já tinham desistido das esperanças, The Good Wife ressurgiu. Ressurgiu botando fogo.

Mesmo voltando de uma pausa de duas semanas, o impacto do último episódio continuava bem claro nas nossas cabeças. Depois de ser humilhada, profissionalmente e de modo pessoal, Alicia tenta agora conciliar a sua nova rotina de sócia, com o relacionamento com os colegas de trabalho, especialmente Cary, que tinha proposto a criação de uma nova firma. Enquanto isso, Peter continua sua batalha pelo cargo de Governador de Illinois, e Eli tenta fugir das acusações do Departamento de Justiça, contando com a ajuda da melhor advogada do país. Menina Elsbeth.

Acho incrível como a atuação da Julianna Margulies consegue transmitir toda a indignação contida da Alicia. Não só no episódio anterior como o de hoje, quando ela teve que cortar horas de trabalho dos amigos. São esses pequenos detalhes que fazem The Good Wife ser uma série muito gostosa de assistir. Mas é claro que não é só de drama que vive a série, prova disso são os sempre irresistíveis momentos inconvenientes do elevador. Amo essas cenas, principalmente por que elas já viraram tradição. Mas agora falando da relação Alicia-Will, ou como gosto de chamar, Wilcia. Ops, não tem relação Alicia-Will, pegadinha do malandro! A coisa toda é tão estática, que eu estou começando a ignorar os relacionamentos da Alicia. Uma hora ela tá se pegando na sala com o chefe e na outra está se esfregando no trailer do marido. Vamos dar um jeitinho nisso né?

Dando continuidade ao arco da campanha do Peter, a série consegue tornar o plot político mais interessante ao inserir um lado emocional na história. Eu estava achando tudo um saco até alguns episódios atrás porque nós já tínhamos visto tudo aquilo na campanha para Procurador-Geral, e diga-se de passagem, lá nós tínhamos um candidato opositor à altura e tudo era bem mais orgânico. Enfim, amei ver o Jordan quebrando a cara e fiquei muito feliz quando o Peter e o Eli apertam as mãos e ele convida o Eli pra ficar. As cenas do debate foram ótimas, principalmente quando o Peter começa a fugir das câmeras e a Maddie fica sem saber o que fazer.

E como sempre, a parte mais interessante do episódio ficou com a personagem mais interessante da série, Elsbeth Tascione. Até agora eu não tinha entendido a fixação do cara do Departamento de Justiça, Josh, com o caso do Eli, afinal, eles não tinham tido nenhum desentendimento prévio. E eu não sei se foi eu que me perdi na tradução do episódio, mas me pareceu que ele estava morrendo de tesão pela Elsbeth. Partindo desse ponto, posso dizer que tudo nessa parte do episódio foi sensacional. Incluindo ai as cenas com vovó Florrick e todo seu veneno. Eu só não entendi como a juíza estava totalmente pró-acusação quando eles não tinham nenhum caso contra o Eli.

Enfim, ainda da pra perceber os impactos que a saída do Mathew Perry e da Kristin Chenoweth têm sobre a série, mas mesmo assim estou gostando do jeito como eles contornaram a situação e os rumos que a temporada está tomando.

Observações:

- Diálogo sensacional da Alicia com a Maddie. Será que mulheres podem ser amigas?


Talvez Você Curta

0 comentários

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe