Castle 5x19: The Lives of Others

quinta-feira, abril 04, 2013



Happy Birthday, Castle!

Em uma tradicional segunda-feira do dia 09 de março de 2009, o canal ABC trazia ao seu fim de noite um programa sem qualquer grande pretensão para o preenchimento da mid season, com apenas 10 episódios e sem grandes objetivos o seriado embarcava com um elenco dividido entre experientes e novatos, e sem muita certeza sobre sua concretização. Castle possuía um piloto gravado em fases diferenciadas, com um orçamento reduzido e para muitos foi considerado um episódio sem grande estrutura e significado... Porém, não é sempre, que a opinião dos especialistas é a opinião do público, e este caso é um ótimo exemplo.

Com 11,8 milhões de telespectadores, Flowers for your grave, indicava o inicio do que pretendia ser um grande sucesso, e Richard Castle (Nathan Fillion), tornava-se o escritor mais querido e arrebatador de corações shippers por fãs espalhados em todo o mundo.

Talvez por apresentar total despretensão, ou por expor uma dinâmica divertida e totalmente direcionada ao humor no momento mais negro da existência humana (a morte), Castle surgia para romper com a rotina de Kate Beckett e lhe mostrar a possibilidade de aproveitar os momentos que a vida lhe proporciona da maneira mais inocente que possa existir, sobre o olhar de uma criança. E como uma criança inebriada sob a perspectiva das novas descobertas, este escritor mergulhava na realidade do universo que ele fantasiou por toda a vida e nos transportava, em sua companhia, por esta magia de divertimentos, revelações, aventuras e paixões.


Time to make one last appeal for the life I lead.

Durante quatro anos e cinco temporadas fomos expostos as mais diversas possibilidades e formas de se cometer um crime. E assim, nos envolvemos nas mais diversas tramas recorrentes destas investigações que enraizaram características peculiares ao seriado, destacando-o em sua categoria. São detalhes, pequenos contextos, que quando agrupados enriqueceram episódio após episódio, e define uma identidade singular de Castle.

Inúmeros são os momentos que transitam a emoção do telespectador e o posiciona em uma metamorfose de emoções das quais ele não tem real conhecimento do que vai acontecer. Se durante uma semana estamos embebedados pelo coletivo de gargalhadas ao assistirmos Richard teorizar que o assassino é um viajante do tempo, na semana seguinte estamos em prantos pelo desespero de Beckett em matar a única pessoa que lhe daria a chance de solucionar o caso da mãe.

Estas evoluções associadas a enredos concretos e ao desenvolvimento do relacionamento do casal protagonista são a grande razão de reconhecimento do seriado e estabelecimento do mesmo em uma posição de conforto e equilíbrio perante a audiência durante todos estes os anos, pois almejamos por mais... Humor, romance, aventura, suspense, tragédia... Sempre buscamos mais, pois quando estamos diante de tanta qualidade, nunca haverá o bastante.
...

E eis que por este caminho traçado, chegamos ao 100º episódio e com ele vieram todas as expectativas de qual seriam os sentimentos explorados e o que nós, telespectadores (fãs xiitas), iríamos presenciar durante esta comemoração. Talvez a maior emoção fosse perceber que este episódio tenha sido embrulhado em papéis de presente que remeteram às lembranças da trajetória destas cinco temporadas, e mais ainda, tudo que identificou e particularizou Castle durante estes quatro anos.


A caneta que representa o crime escrito com sangue, desta vez escreveu 100 e um coração.

Com um cronograma bem elaborado da ABC e uma oportunidade oferecida pelo ano de 2013, o dia 1º de abril ocorrera em uma segunda-feira. E o aniversário do escritor mais querido da TV poderia ser comemorado, pela primeira vez, e em um momento extremamente especial. E por isso, não bastava apenas ser marcante, precisava ser memorável. Para tanto, tinha que referenciar tudo o que amamos em Castle...


O número 100 permeou todos os flashes do episódio.

Para começar, não poderia ser diferente, todo o episódio é embasado nas referências de um clássico do cinema Rear Window (Janela Indiscreta), uma das inúmeras produções de Alfred Hitchcock, o filme relata exatamente a circunstância em que Rick se encontra, e que para romper com o tédio começa a bisbilhotar a vida de seus vizinhos.

Porém mais do que referenciar um grande clássico, Marlowe desenvolve um episódio onde seu protagonista depara-se na mesma posição de seus fãs. Afinal de contas, não somos nós, que há quatro anos observamos com tamanha aflição e obsessão a vida de Castle e Beckett? E mesmo sabendo que se trata de meros personagens, deixamos de nos envolver?

E esta foi a maneira de posicionar o fá e telespectador ao enredo de um episódio que homenageava todos que auxiliou a estruturar esta série, inclusive, nós.


Em determinado diálogo com Beckett, Esposito apelida Caslte de James Stewart, para referenciar o ator que protagonizou a primeira versão do filme Rear Window.



Assim como Alfred Hitchcock, Marlowe e Terri (sua esposa), escritores do episódio, aparecem em uma das janelas observadas por Castle, enquanto ele comenta: “Devem ser escritores”.

E mergulhando em universo de suspense embasado no humor, temos um episódio recheado de momentos absurdamente engraçados, retomando claramente aos grandes ápices das primeiras temporadas da série, e recordando a criança que sempre existirá no personagem de Richard. Um exemplo destas referências é o momento onde Castle brinca com seu “novo” helicóptero, assim como “pilotou” outro modelo no episódio One Man’s Treasure, durante a segunda temporada. Ou quando ele diz que se Beckett investigar é uma “busca ilegal”, mas que ele procurando é apenas “ilegal”. Da mesma forma em Hell Hath No Fury, ele diz que Kate é policial e ele é apenas um rico solitário procurando um encontro, justificando assim, que ele pode contratar uma prostituta suspeita em um caso...

Mais do que impagáveis, as cenas de humor em The Lives of Others, por si só, já seria suficientes para garantir um grande episódio. Assistir a Castle caminhar comicamente apoiado sobre muletas, ou tentar se levantar depois de um tombo épico, foram momentos indescritíveis de pura comédia que só somos capazes de apreciar neste seriado.

Porém... Iríamos nos deliciar com muito mais, pois o romance entre Castle e Beckett, seria explorado de maneira romântica e carinhosa. Todos os momentos singelos e significativos que constroem um belo relacionamento foram abordados de uma forma ou de outra, além de expor a evolução da relação do casal como foco do episódio.

E diante desta perspectiva, temos a oportunidade de conhecer um novo perfil de Beckett. Uma mulher que se demonstra feliz por estar ao lado de Rick, e que se posiciona complacente quanto ao momento de “carma astral” do namorado, e se dispõe a estar ao seu lado auxiliando-o em todas as suas solicitações e aflições. E é neste cenário que surge os detalhes singelos que comentei anteriormente, como por exemplo, o fato dela auxiliá-lo a coçar o pé, ou deixa-lhe com um beijo na perna machucada enquanto precisa sair para trabalhar em um caso. Neste episódio temos uma Kate descontraída, e perfeitamente satisfeita com seu relacionamento, e ela demonstra este sentimento a cada instante em que está ao lado de Richard.


Quando Castle fica chateado por perceber que Beckett não acredita nele, ela demonstra preocupação por perceber que seu plano pode seguir por um caminho diferente, mas mesmo assim, não desiste da surpresa.

A relação entre Alexis e Castle retomam suas origens depois de todo o drama sofrido em Target e Hunt. Mais do que apoiar o pai em uma empreitada sem futuro, a relação entre os dois, ainda que indiretamente, sem dúvidas define um dos melhores momentos do episódio. Onde um Rick teimoso e que não desiste da verdade, encontra apoio na filha, (por hora entediada um tanto quanto ele), para seguir em uma investigação maluca.


Se você for pega, terá uma ficha criminal e não poderá ser presidente.

Mais do que perfeito, The Lives of Others consegue cumprir em roteiro seu maior objetivo: homenagear a todos que construíram e auxiliaram nesta história de sucesso. Seja com participações extensas, ou aparecimentos de um simples ato, o episódio conta com todo seu elenco principal atuante no roteiro. E mais do que uma bela surpresa, assim como aquela encenação significou para o personagem de Castle o reconhecimento de perceber o quão grande é a sua presença no coração de Beckett. Para os fás, este episódio foi símbolo da consideração de Marlowe em todos aqueles que alimentam o sucesso desta história.

E parafraseando as garotas da equipe Queens of the lab: “À mais cem episódios de crimes, mistérios, romance e diversão... Thank you, Marlowe.”.


Momentos cutes ou absurdamente engraçados:

Kate coçando o pé de Castle por ele não conseguir, e depois deixando um beijo na perna machucada antes de sair – Definitivamente muito cute.

O desespero de Castle quando o helicóptero quebra é tão grande que não há como compará-lo com uma criança quando perde seu brinquedo favorito.

Castle entediado ligando pra Beckett perguntando quando ela voltará para casa, enquanto brinca com uma lupa, mais engraçado é uma Beckett totalmente sem graça diante de Esposito e Ryan e ordena que os dois não digam nada.

Quando Beckett acorda encontra Castle dormindo apoiado sobre o binóculo: “seriously?”.

Castle tentando filmar enquanto o rapaz carregava o tapete para fora do apartamento, como detetive ele é um péssimo investigador.

Alexis observa enquanto o rapaz tira a roupa admirando-o, Castle toma o binóculo de suas mãos, decepcionado. Então ela pego outro em cima da mesa e continua a observar.

O que dizer do tombo épico do Castle? Posso dizer que chorei de tanto rir todas a vezes que vi aquela cena.

Quando Beckett aceita investigar o armazém, mas não move um dedo para ajudar Castle e enquanto observa o esmalte da unha ele tenta a todo custo desenrolar o tapete com uma perna travada, o mais legal é o desespero quando ele percebe que tem que voltar atrás e pedir a ajuda de Kate.

Mais épico foi ver o desespero de Castle enquanto tenta correr sobre muletas.


Eu só percebi que era armação quando a Kate enfatiza a palavra “geladeira”, até então, eu achei que ele estava certo, e você leitor, quando percebeu que era tudo armação? 

Talvez Você Curta

12 comentários

  1. Amei essa review. Perfeita, assim como esse episódio de Castle.
    Ri demais e admito que chorei no final.
    Muito amor por essa série.

    ResponderExcluir
  2. ótima review.. e que episódio mais fofo, foi perfeito *---*
    ps: eu desconfiei da armação no meio do ep quando a Alexis se junta ao Castle..

    ResponderExcluir
  3. Dxo parafrasear Richard Castle, gente. "THAT WAS EPIC!" Que episódio perfeito! Eu simplesmente amei. Tipo, top de epis favoritos. Concordo com o que foi dito na review, "The lives of others" agregou tudo que amamos nessa série: O lado crianção do Rick, sua teimosia em investigar sozinho, o ceticismo de Kate e o desenvolvimento dessa relação, diversos momentos Caskett (o povo do tumblr ta sutando até agora! mtos mtos gifs), momentos pai e filha, Martha e suas respostas espirituosas, a dupla dinâmica em sua melhor forma, ou seja, um episódio delicinha de se ver...Thank you, Marlowe! No one's ever done something like that for us before. A Hundred More. *_*

    ResponderExcluir
  4. Esse episódio como um todo me fez soltar o maior "ouuun" de todos os tempos kkkkk como a Beckett mudou gente!

    ResponderExcluir
  5. Amei o review como sempre Sol.

    ResponderExcluir
  6. Esse episódio foi absurdamente ótimo! E Review perfeita tb. Engraçado tb quando Castle fala que Javi e Ryan poderiam ser "as angels" e ele o Charlie =D. NUUUNCA imaginei que pudesse ser uma pegadinha... Fiquei super aflita no final esperando encontrar o suspeito rendido por Beckett depois do 'apagão' rsrs. Foi muito bem feito, as pontas todas amarradinhas.Conseguiu resumir a série... a sua essência ( o review tb).
    Ah, tb fiquei emocionada no final... principalmente com a frase das Queens.

    ResponderExcluir
  7. Marlowe deu tudo o que os fans queriam em um só episódio! Ele é um gênio!!!
    Que venham mais 100 episódios!!!

    ResponderExcluir
  8. Excelente review, obrigada. O episódio foi ótimo e comemorou com humor e qualidade o 100º episódio de Castle.

    ResponderExcluir
  9. Ótima review Sol!!! Como de costume!!! Esses momentos cutes foram mto bons mesmo, kkkk.

    ResponderExcluir
  10. Como já foi dito em todos os comentários anteriores: review excelente assim como o episódio!

    Além disso, prometeu e cumpriu, a review saiu super cedinho mesmo :) para alegria de nós fãs que mal vemos o episódio ficamos logo loucos de vontade de ir ler a review e comentar! E este episódio teve mesmo de tudo. Daqueles para ver e rever, sem dúvida. Ainda mais porque eu sou muito crente e só me apercebi que era tudo armação quando ele abriu a porta e deu de cara com a festa surpresa.. Em minha defesa, tenho a dizer que assisti alguns dias depois, se tivesse visto mesmo no dia 1 ou logo a seguir talvez estivesse mais atenta a pegadinhas e me tivesse tocado mais cedo rsrsrs

    Venham mais 100!!

    ResponderExcluir
  11. Galera, agradecimento geral a todos que curtiram esta review, fico feliz e sempre tópico aberto para maiores detalhes que passaram despecibos, hein.
    Obrigada! :)

    ResponderExcluir
  12. Mewww em nenhum momento achei q era pegadinha....adoro Castle...aiiii como eu odeio os hiatossss!!!!!!!

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe