Game of Thrones 3x04: And Now His Watch is Ended

quarta-feira, abril 24, 2013



A redenção de Daenerys e da série como um todo.


Desde a segunda temporada, Daenerys vinha perdida, depois que adquiriu seus preciosos dragões, a personagem vinha perdendo completamente seu carisma e chegou até a me irritar bastante. Toda a sua trama no ano passado contribuiu bastante para este processo, já que foi confusa, chata e com poucos acontecimentos realmente relevantes. Nesta temporada, a trama já parecia mais focada, uma vez que Danny estava procurando meios de adquirir um exército, porém a personagem continuou não me agradando já que ficava fazendo carinha de dó para os escravos e cara de “Sou fodona e vou destruir tudo que você tem com sangue e fogo”. Mesmo mantendo as minhas críticas, tenho que confessar que a série estava preparando o terreno para os acontecimentos deste episódio, que para mim já se colocaram como os mais legais na história da personagem durante toda a série.

Ao trocar 8 mil soldados imaculados por um dragão, o mestre escravagista, que eu não tenho ideia do nome, não contou com astúcia de Daenerys, que sabia muito bem que não é possível comprar a lealdade de um dragão como de um monte escravos. A cena do ataque foi sensacional, a revelação de que ela sempre falou e entendeu valiriano foi feita no momento certo e deixou as coisas ainda mais legais. Mesmo que no livro isto tenha sido feito de forma bem mais competente (o que é mesmo esperado por todos), é interessante notar na transformação da menina inocente em uma impetuosa conquistadora, que fará o possível para recuperar aquilo que acredita ser de seu direito. Daqui para frente será legal acompanhar até que ponto ela irá, se o poder vai lhe subir a cabeça e se ela conseguirá manter a sua visão de justiça. Não vejo a sua atitude de libertar os escravos como algo generoso ou bondoso e sim inteligente, já que era bem previsível que os imaculados seguiriam leais a ela uma vez que foram condicionados a obedecer. Mais do que qualquer coisa do roteiro ou atuação de algum dos atores, o que mais chamou a atenção foi a produção impecável da HBO, que com verba de televisão (será que é verba de TV mesmo? Não posso falar porque nem sei o quanto canal gasta com a série) consegue fazer sequências dignas de cinema. Tudo estava perfeito principalmente os efeitos visuais, que vêm melhorando muito em relação aos dragões e criou um exército de 8 mil homens de forma perfeita. Toda a sequência em Astapor tinha o peso de ter que satisfazer a grande expectativa dos leitores de Martin e acredito que tenha feito isto com louvor.

O que mais me fez gostar de “And Now His Watch is Ended” foi o fato dele não ter se limitado à cena final, conseguindo fazer um episódio bom em sua totalidade, como ainda não havia acontecido nesta temporada. O roteiro me pareceu bem mais fluido e desta vez não fiquei com a impressão de ver apenas cenas soltas de alguns personagens, mesmo com núcleos como o de Arya e de Daenerys aparecendo apenas na parte final do episódio. Além da competência do roteiro, isto ocorreu porque os núcleos mais legais foram foco, enquanto Jon Snow, Robb Stark e Stannis nem deram as caras no episódio.

Mesmo com todos os acontecimentos em Astapor, a temporada continua sendo de Jaime, que cresce ainda mais a cada episódio. Logo agora que temos tantos Reis que poderiam ser vítimas do Regicida, o cara acabou perdendo completamente a sua identidade. Como ele mesmo disse, ele era a sua mão direita e tudo que representava não existe mais. Não consigo parar de pensar em como será a reação de Cersei quando conhecer a nova condição de seu irmão e amante.  Apesar de Jaime ser o meu personagem favorito, gosto de vê-lo tão impotente diante dos Saltimbancos e tão inconformado com tudo que se perdeu junto de sua mão. O melhor de tudo é ver a sua relação com Brienne crescendo tanto, agora que ele tem que viver no mundo real, onde as pessoas têm coisas importantes tomadas, deve entender melhor a companheira de viagem e até se identificar com ela. Me diverti muito vendo Brienne comparando Jaime a uma mulher, visto que ela é uma e covardia é algo que não existe em seu dicionário. Espero que ambos consigam manter o destaque nesta e nas próximas temporadas da série, já que eles vêm sendo o ponto alto de Game of Thrones.

Em segundo lugar no meu coração, vem a Rainha dos Espinhos e sua sobrinha Margaery,que estão sensacionais em Porto Real. É impressionante ver como a série conseguiu transformar alguém que é tão apagada no livro (especificamente no terceiro livro) em uma das melhores personagens da série. É verdade que muito disto está no excelente trabalho de Natalie Dormer, que deu vida a uma mulher ambiciosa, inteligente e que exala safadeza pelas ruas de Porto Real. Margaery está conseguindo ser a mulher por traz de Joffrey, dividindo a sua popularidade conquistada com a batalha de Água Negra e caridade com ele para assim manipulá-lo a seu bel prazer. Encarei a sua aproximação de Sansa como pura trollagem por parte da personagem, uma vez que Loras é um cavalheiro e assim nunca poderia se casar com a pobre e inocente Stark. Está na hora de Sonsa acordar para vida e começar a ter um pouco mais de malícia e esperteza, até quando ela vai ser feita de tonta por todos?  Enquanto isto, Olenna Tyrell manteve toda a sua acidez com papos para lá de sugestivos e ameaçadores com Cersei e tendo uma visão muito boa de todo o jogo dos tronos através de conversas com Varys. Estes dois juntos podem ser uma mistura perigosa.
Outro ponto alto do episódio foi a conversa de Cersei com o seu pai, capaz de tratar todos os seus filhos com uma crueldade parecida. Gosto muito de ver Cersei no papel de feminista ao não querer ser julgada pelo seu sexo. A atual Rainha Regente tem planos de assumir o legado deixado por seu pai e se tornar uma verdadeira leoa, no poder e temida por todos. A gente bem sabe que as intenções da personagem dificilmente se concretizaram visto a falta de força política que ela demonstrou até aqui e a quantidade de inimigos que tem pela frente, sendo que Twin, Tyrion, Margaery e seu próprio filho Joffrey devem ser seus maiores obstáculos por enquanto.

Arya finalmente conheceu Dom Beric Dondarrion, o líder da Irmandade Sem Estandartes, formada por desertores de variadas casas que vêm atuando como justiceiros. Nos livros, fica mais claro que a guerra é ruim em todos os sentidos e que nenhum dos lados é bom. Diferente do que ocorreu na série, Arya fugiu de Harrenhal depois do local ter sido dominado por juramentados à Casa Stark e ao Rei do Norte, ao perceber que todos os exércitos são iguais e tratam os seus prisioneiros da mesma forma. É justamente aí que entra a Irmandade Sem Estandartes, disposta a combater o “mau” independente dele ser Stark, Lannister, Baratheon, Tyrell ou Greyjoy. A aparição de Dom Berric serviu para trazer a vingança de Arya à tona, uma vez que ele resolveu fazer um julgamento do Cão de Caça por batalha. Legal notar que o julgamento é fruto da morte de Mycah,que aconteceu no segundo episódio da primeira temporada da série.
No abrigo de Craster, também tivemos grandes acontecimentos com uma revolta de parte da Patrulha da Noite, que acabou levando o véio safado que comia suas filhas e o prórpio Lorde Mormont, à morte (a primeira de muitas). Apesar de tudo ter sido legal, numa série com tantos personagens, fica difícil da gente se importar com esta trama e suas consequências bem. Nem com Sam, que fugiu com a filha de Craster e seu filho recém nascido, eu consigo me importar muito.

Outra trama um pouco perdida vem sendo a de Theon, principalmente porque vem sugerindo um mistério um pouco complexo para quem ainda não leu A Dança dos Dragões. Fica um pouco confuso tentar entender e se importar com as motivações do captor de Theon quando temos tanta coisa acontecendo nas outras histórias. O bom é que o plot serviu para mostrar o quanto Theon se arrependeu de tudo que fez e como agora ele percebeu que não dá para negar que ele sempre foi mais Stark do que Greyjoy. Tudo isto pode trazer uma situação bem interessante caso ele consiga fugir, já que ele deve procurar a redenção ao mesmo tempo que Robb e grande parte do elenco da série quer a sua cabeça em um espeto.

Além de grandes acontecimentos, o episódio desta semana conseguiu mostrar certa unidade. Quase todas as tramas abordaram a vingança de alguma maneira, o que sugere uma certa coesão para a série, o que não vinha acontecendo nem de longe. Agora é ficar na torcida para que a boa fase dure por um bom tempo e que os próximos episódios sejam tão memoráveis quanto este.

Talvez Você Curta

5 comentários

  1. E a partir deste momento, a série engata as suas marchas de vez e toma velocidade e segurança nas curvas. É isso. Sem mais. GoT tá ficando para a história...

    ResponderExcluir
  2. Melhor episódio da temporada :D

    ResponderExcluir
  3. daenerys sempre surpreendendo, muito bom o epi, o melhor sem dúvidas.
    sou team targaryen! :)

    ResponderExcluir
  4. Loras ser um cavaleiro não inviabilizaria o casamento dele com Sansa. Isso aconteceria apenas no caso dele ser um membro ou da NightsWatch ou da KingsGuard (nessas duas ordens o voto celibatário é regra). Como na mitologia da série Loras não é membro dessas ordens o casamento seria possível (apenas relembrando que nos livros o prometido para Sansa é o irmão mais velho de Loras e Margary, que vive em HighGardens devido a um problema físico).

    Eu fiquei decepcionadíssimo com esse epi. possivelmente pela enorme expectativa que tinha em relação a libertação dos escravos e o conflito que se seguiria. Obviamente apesar da dificuldade da cena ela poderia ter sido mais impactante. Fica para a próxima...

    Abraços do amigo King Buddy Holly!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Decepcionado? A cena foi épica, sem mais! O problema do pessoal é criar sempre muita expectativa com base nos livros. Paciência..

      Excluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe