Glee 4x20: Lights Out

domingo, abril 28, 2013


Jesus, apaga a luz!

Relutei a admitir, mas a queda de ritmo na temporada depois de 'Shooting Star' é evidente. 'Sweet Dreams' e esse episódio não foram exatamente ruins e estão longe da época "ofensiva", mas também não fazem jus à qualidade que estávamos acostumados nesse ano até agora. A edição do episódio foi muito esquisita, provavelmente porque regravaram várias cenas para tirar Cory Monteith do episódio (o que não faz sentido, porque ele poderia ter aparecido normalmente nesse e sumido sem explicação para o próximo, já que o final do anterior também não conclui a história de Finn) e cortaram cenas de Sam e Blaine detetivões indo atrás do caso Sue Sylvester, transformando tudo numa colcha de retalhos bizarra.


A proposta de aproveitar o apagão para consolidar o grupo por suas vozes, deixando os instrumentos de lado, não é das piores, mas vamos pensar racionalmente por um minuto. É sério que, pouco tempo depois de um possível tiroteio, a escola fica misteriosamente sem luz por uma semana e os alunos continuam frequentando as aulas normalmente, apenas usando capacetes de operário com lanternas? Os pais e os alunos não se preocupam com essa situação completamente descabida, sendo que todo mundo acabou de passar por um momento traumatizante na escola?

Deixando esse questionamento de lado, o que nos resta é Sam dando piti com Artie pelo apego do rapaz ao Twitter, destacando que se acostumou a viver sem luz com a família pobretona; Blaine flertando lascivamente com outro rapaz na dança de lambaeróbica de Sue, numa investigação que rapidamente se perde; Ryder levando a falta de noção às últimas consequência com a história de Katie; e por incrível que pareça, Santana fazendo mais sentido do que todas essas histórias juntas com seu interesse em balé que foi inventado pelos roteiristas 45 minutos antes da gravação do episódio.


Costumo dizer que a atuação de Blake Jenner compensa os excessos nesse plot de catfishing, mas dessa vez não deu. Foi tudo de muito mau gosto, desde o momento em que Ryder conta que foi abusado por uma babá adolescente e Sam e Artie o cumprimentam com um high five, pois "essa é a maior fantasia de qualquer garoto", até o momento em que ele se gaba com Katie de ter feito isso para observar as reações dos colegas e descobrir quem ela era. "Não foi dessa vez, mas da próxima eu te pego", concluiu o rapaz com marra de espertão, me fazendo revirar muito os olhos com tamanha imbecilidade.

O único alento foi a intervenção de Kitty, que emocionou de verdade com o desabafo sobre abuso e depois se mostrou a coisa mais fofa do mundo, tentando fazer Ryder desistir da vida virtual e sair com ela. Torço para que Véider aconteça o quanto antes, porque não está rolando ver o rapaz sofrendo pelos cantor por Marley (cada vez mais mela-cueca andando agarrada a Jacó nos corredores) e agora por uma pessoa que ele não sabe quem é, mas que aparentemente "o faz se sentir livre para se despir de seus segredos mais profundos". Menos, Ryan Murphy e gangue, bem menos.

Quem também sempre salva os plots que aparece, além da linda Véia, é Tina Cohen-Chang, que se mostra sempre a maior fonte de fofocas do New Directions, contando para Rachel e Kurt sobre o novo trabalho de  Santana – "Oh, yeah, a girl-bar go-go girl!" – e deixando-os decididos a intervir na falta de rumo da moça. Esse grande amor de Santana pelo balé não poderia ter sido mais descabido, mas no meio de tantas coisas piores, foi o que mais se aproveitou. Isabelle Wright é sempre bem-vinda e, depois de fazer milagres pelo visual de Rachel e dar boas dicas para Kurt, fechou o ciclo dando direcionamento para Santana e se consolidando como a fada madrinha do núcleo de New York.


O caso de Sue, que declara estar no emprego de sua vida, começa bem com toda a flexibilidade de sua aula de aero bahia. Primeiro porque dá pra perceber o desespero de Blaine, assediando descaradamente o rapazinho ao lado e quase chamando-o para uma aula de cardio funk, sendo que há pouco tempo estava assumindo seu amor por Sam e no episódio que vem vai pedir Kurt em casamento. O rapaz está redefinindo o conceito de afliceta e, mesmo sem as cenas de investigação que lhe foram prometidas, traz ao episódio momentos sensuais de passivice de alto impacto. Espero um triângulo amoroso de proporções épicas com o pessoal do lamba jazz, porque esse núcleo promete muito em Glee.


Se não tem investigação, pelo menos tem falas maravilhosas de coach Roz, que encontrou o tom novamente e estava engraçadíssima maltratando as cheerios. Becky também foi muito esperta chamando-a de "treinadora torta de chocolate" apenas para ser levada ao diretor Figgins para confessar a verdade sobre a arma, porque não pensou na possibilidade de ir até a sala dele por conta própria. Para Sue, restou apenas reforçar que não sente a menor falta de suas meninas em um número surreal nas arquibancadas.


PS: quem achou que Jessica Sanchez fez a participação mais relevante da história da série, aparecendo apenas para cantar 2 segundos enquanto Will falava da gravíssima ameaça que é Frida Romero e sumindo pelo resto do episódio, porque provavelmente contracenaria com Finn, manifeste-se!


Músicas do episódio:

You've Lost That Lovin' Feelin' - The Righteous Brothers: Sam (Chord Overstreet) e Ryder (Blake Jenner)
Tirando o fato de que a música não tem contexto nenhum no episódio, que era pra ser um solo de Chord Overstreet e do nada virou um dueto sem qualquer razão aparente e que Sam foi concebido com ela, não resta realmente muito a dizer.

Everybody Hurts - R.E.M: Ryder (Blake Jenner)
Assim como aconteceu com 'Don't Stop Me Now' no meio da temporada, tinha expectativas altas com relação a essa música e, não sei se foi pelo arranjo, pela situação bizarra com todo mundo lembrando de slushies na cara enquanto Ryder cantava ou pela cena que veio em seguida, mas sinceramente não consegui aproveitar.

We Will Rock You - Queen: New Directions
Uma das músicas mais esperadas a ser realizadas pelo New Directions desde que Glee começou e a chance de Artie mostrar seu potencial vocal depois de uma temporada em que foi deixado de lado, certamente não decepcionou e combinou bem com a proposta do episódio.

Little Girls - Cast of Annie: Sue (Jane Lynch)
Tá aí um caso de música que tenho calafrios quando começa a tocar no MP3 Player e que não faço a menor questão de ouvir de novo, mas que no episódio foi bem executada e valeu a pena. Destaque para as cheerios voadoras, mostrando que os conhecimentos que aprenderam na época do Sue du Soleil não foram desperdiçados.


At the Ballet - Cast of A Chorus Line: Isabelle (Sarah Jessica Parker), Rachel (Lea Michele), Santana (Naya Rivera) e Kurt (Chris Colfer)
Mesmo caso da música anterior, não sou fã, mas a cena é bem poderosa. Sarah Jessica Parker em especial mandou muito bem e os momentos em que a câmera deu close em seu rosto de cavalo foram de arrepiar, porque a atuação dela estava inspirada.

Longest Time - Billy Joel: New Directions
Amo/sou Longest Time e terminar com essa música foi a única redenção para um episódio que, no geral, me deixou bem impaciente. Podia até ser música de competição que a vitória estava garantida!

Talvez Você Curta

8 comentários

  1. Apesar dessa história do Ryder já tá enchendo o saco, achei as histórias de abuso muito interessantes e pude me relacionar (!) com elas. No geral achei o episódio bem morno e a falta de luz me irritou um pouco. A única coisa muito legal do episódio foi "Everybody hurts", pq eu lembrei de TGP (apesar de por um momento ter pensado que o "grande segredo" do Ryder fosse o mesmo do Blake: ter praticado /assitido sem fazer nada bulling quando + novo).


    Ps: Não entendi, q cenas são essas do Cory e do Blaine de investigador q foram cortadas?

    ResponderExcluir
  2. Cory estava no episódio em várias cenas, inclusive na performance de 'We Will Rock You', que foi tesourada por conta disso, mas como rolou o lance da rehab e ele não pôde gravar tudo, fizeram mudanças de última hora. Já Blaine tinha várias cenas da investigação da Sue que estavam até na promo e, sabe-se lá porque foram cortadas.

    ResponderExcluir
  3. Blam foi cortado pq Finn é que daria informações que ajudariam as investigações.
    Achei preguiçoso não por Tina dando essa info. Já que Tina é onipresente.

    ResponderExcluir
  4. "cago o episódio até por não aparecer" Finn cago o episodio por NÃO aparecer: pensem nisso. #BOOOOOOOOOOOOOOOOMMMMMMMMM

    ResponderExcluir
  5. estão todos desaparecendo... sumiu joe, sugar, agora brittany!! onde foram parar?!?

    ResponderExcluir
  6. Léo review maravilhosa, parabéns, senti falta de mais gifs, amo esses gifs que vc cria...

    ResponderExcluir
  7. Acho que Glee caiu do topo da sua glória já no episódio do tiroteio, foi emocionante por 10 minutos e depois músicas ruins e só, e assim vem decaindo a cda episódio, músicas ruins e plots sem sentido, sem futuro ou requentados...mas sempre que leio as suas reviews penso, "é até que não foi tão ruim" kkk Bjsss sou fã di Leu e amo véia <3 e ivo pelo seu solo

    ResponderExcluir

Fala aí, seuslindos!

Disqus for Seriadores Anônimos

Subscribe