The Voice UK 2x07/08: Battle Weekend Part 1/ Part 2

sexta-feira, maio 17, 2013


"You're invited for The Battles!" ou "A Volta da Emoção!"

Chegou o momento mais esperado da franquia britânica do The Voice. As "Battles" é o momento do jogo em que o fator coache mais entre em ação, e é aonde o programa entrega o seu A Game e prova para todo o resto, que apesar de ser muito mais sem graça que as outras franquias, os seus treinadores são os melhores do mundo. Eu sinceramente fiquei impressionado, como que conseguiram pegar aquelas coisas super sem graça da "Blind Audition" e nos entregarem batalhas tão fantásticas. As escolhas musicais foram incríveis, e até Will I Am que é famoso por pisar na bola conseguiu passar desapercebido, devido a preciosidade de seu time. Por isso que eu clamava tanto por esse momento, sabia que iria ser épico!

O foco da semana foi #TEAMWILL e #TEAMJESSIE, que tiveram duas apresentações por programa. O primeiro dia não poderia ter sido mais incrível, dois "steals", muita gente boa indo embora para casa, revelações de alguns cantores que nós não dávamos nada nas "blinds", treinadores jogando estrategicamente para manter todos os seus pupilos no programa, e algumas decisões surpreendentes. Além do nível do show ter sido muito bom, foi tudo muito eletrizante, à ponto de você se pegar torcendo para todo mundo continuar no jogo, e que existissem mais de cinco "steals" para cada treinador. Vamos às apresentações...


A noite começou claro, com o time campeão, e com uma das melhores "battles" que eu já vi nesse programa, Jessie ficou chocada com o pareamento das duas melhores vozes de soul do #TEAMJONES. Sério, Sr. Tom Jones é muito fodástico! Alguém se lembra dessa fase do U2, que a banda ainda era boa, e tinha uns vestígios de blues? Deles cantando com BB King? O treinador em questão parece não só lembrar, como enxergar potencial em seus cantores para fazerem jus à mesma. E não só fizeram jus, como faíscas saíram daquele palco, e apesar de LB Robinson ter sim se adequado mais a música e aparecido mais, acho que a voz de Jamie Bruce tem uma qualidade inquestionável e impossível de se deixar para trás. 



O programa deu continuidade e a qualidade do mesmo só fazia crescer. Sabe o elemento brilho nas apresentações dos cantores, que sentimos falta durante boa parte das "Blind Auditions"? Pois é, aqui ele apareceu, e muito por causa das escolhas musicais grandiosas dos treinadores, que realmente acreditaram no potencial de seus candidatos. E que swing, que vozes, nossa, a "battle" de Matt Henry e Jordan Lee Davies foi simplesmente monstruosa. Amo os dois desde as "blinds", e achei muito bacana o que Will I Am fez, Matt já era um nome muito improvável de ir para casa, depois daquela "battle" então era jogada certa que ele seria roubado. Eu só acho que Will pode muito bem ter entregado o caneco para Jessie J.


Inebriado, embriagado, é como eu posso dizer que me senti nessa batalha do #TEAMDANNY, parecia que os meus ouvidos estavam flutuando nas nuvens, ao som dessas duas maravilhosas vozes. Sério, Andrea Begley tem uma força e uma constância na sua voz que é muito difícil de se achar em outros cantores, ao mesmo tempo que também possui uma linda suavidade... Perfeita. E apesar de achar que a música favoreceu muito a deficiente visual, Alice Barlow não ficou para trás como pensamos que ficaria, e chegou à em alguns momentos representar uma verdadeira ameaça. Ótima "battle"! Danny O'donoghue surpreendendo!


Agora para mim o que foi o momento mais fraco da noite. Não entendi qual foi à proposta de Jessie J ao colocar essa música para às cantoras, achei que não fez jus ao potencial de nenhuma das duas, e que elas também não conseguiram absorver a canção. A apresentação foi bem fraca e por vezes até irritante. Não tinha acontecido isso comigo na "blind", mas acho que a voz de Sarah Cassidy começou a me irritar um pouco. Apesar de Katie Benbow ter sido mais constante na apresentação sua adversária acaba sendo um pacote mais completo, e como ninguém foi bem, isso acabou sendo o fator decisivo.


Apesar da treinadora ter falado mal dessa "battle" aqui, achei que foi muito melhor que a do time dela, pelo menos aqui eu vi faísca, eu vi competidoras querendo seguir em frente no jogo com todas às suas forças. Apesar de terem metido os pés pelas mãos bem feio, vocalmente falando, conseguiu me entreter bastante, achei que Nu-Tarna estava muito melhor do que nas "blinds", o que deixou Cleo Higgins muito insegura, e incapaz de dar o melhor de si. Adorei a escolha de CeCe Peniston, algo meio 80's, que fez jus ao potencial vocal tanto da dupla quanto da cantora. Até o meio da música eu realmente estava achando tudo muito bom, mas quando começou a gritaria eu já sabia que a dupla estava predestinada a derrota, afinal não tem como competir com Cleo nesse quesito, e a cantora acabou levando à melhor.



E para fechar a primeira noite a melhor "battle" do #TEAMJESSIE disparada. Aqui não teve briga de egos, um cantor empurrando o talento do outro para fora do ringue... Não! Apenas duas vozes incríveis que sabiam suas diversidades e que tinha espaço para as duas dentro da competição. Eu sinceramente acho que depois dessa performance James Morrison deveria se aposentar, por que eles foram incríveis. Quando Ash Morgan começou as primeiras frases eu já disse... "Ok, isso vai ser épico!" Só que Adam Barron tem uma grandiosidade na sua voz que não tem como negar, ele tem muito potencial para vocalista. Eu no final não fazia a menor ideia de quem eu preferia, achei um "steal" extremamente justo e acho que Sr. Tom Jones fará grandes coisas com a voz do rapaz, esperem e verão!


Devo confessar que o segundo dia foi um pouco mais conturbado, com algumas escolhas musicais que não entendi muito bem, nem todos os candidatos entregaram o melhor de si, outros sucumbiram ao nervosismo, e devido à todos essas fatores nos surpreendemos bastante na hora das escolhas daqueles que seguiriam na competição. Porém dentro de tantas escolhas questionáveis, tivemos duas "battles" que só pelas suas existências já fizeram valer a noite, e nos deixaram muito contritos pela ausência de "steals". 


Abrindo a noite a "battle" mais WTF que já vi Will I Am fazer até hoje em toda a sua história de programa. Tudo, tudo foi muito bizarro. Primeiro, a escolha musical... Que merda hein! Eu que nunca concordo com Jessie J, não pude evitar de ouvi-la dessa vez, quanta cagada, que música rasa, não fez jus a nenhuma das cantoras. Segundo, Carla and Barbara... Queriam o que? Que colocasse uma ópera para elas cantarem? Sendo que não existia mas nenhum candidato com esse perfil na competição. No fim das contas achei elas teimosas, dois burros empacados, que mostraram incapacidade de adaptação às diferenças musicais que o programa exige, e acabaram sucumbindo à todo o talento de Leanne Jarvis.


E na "battle" de Tom Jones da noite, mais confusão à vista. Primeiro porque todos amaram Elise Evans desde às "Blind Auditions" e ninguém estava disposto à abrir mão dela, segundo porque a escolha musical claramente favoreceu Cherelle Basquine que é uma cantora muito mais soul, e terceiro que a sua adversária não tinha maturidade musical suficiente para entender que tinha que ser o diferencial e superá-la na sua zona de conforto. A inexperiência de Elise foi o seu maior encanto e o seu mais cruel defeito, no fim das contas Cherelle foi melhor, faz mais o meu tipo, o tipo de Tom, e continua na competição, apesar de Jessie J.


Na "Soul Battle" de Jessie J já sabíamos que haveria apenas um ganhador e não dois, no final é o que Will I Am disse, se o o BEP tivesse participado de um concurso como esse com certeza também não teria ganhado, porque não é a fórmula comercial mais óbvia. Apesar da harmonia de De'Vide ser muito boa, e de eu achar que é a melhor dupla da competição, a voz de Danny County é uma coisa de outro mundo, e claramente o estilo não era a zona de conforto do rapaz. O cantor fez maravilhas agora, e acho que ele ainda irá surpreender muito nos "Live Shows". Eu já sou fã de carteirinha.


Eis que chegamos então no momento mais incrível da noite. Não adianta, se você pegar dois cantores brilhantes como esses dois e ainda dar um Michael Jackson para eles cantarem, é épico na certa. O #TEAMWILL está tão bom, que à essa altura já acho que qualquer "battle" dele vai dar o que falar. Adoro CJ Edwards, o carisma dele, a desenvoltura que ele tem no palco, sua voz encorpada, seus falsetes,é tudo muito incrível... mas no fim das contas tenho que concordar com Will I Am, Leah McFall é única! Que personalidade na voz, que tom incrível, que gritinhos memoráveis... Não adianta a gente sabia que ia ser esse chororô nas "battles" do #TEAMWILL, que não existiria "steal" suficiente para fazer tanto talento continuar na competição.


Mais uma "battle" do #TEAMJESSIE veio e mais muita coisa eu fiquei sem entender. Não consigo entender o mecanismo de treinamento dela e daquele orientador dela que nunca vi na vida, de ficar pressionando os candidatos para que eles se destaquem no primeiro contato com a música nos ensaios... Sério, não sei o que  acontece com Jessie J essa temporada, mas acho que enquanto ela não encontrar afinidade com um candidato igual encontrou com Vince Kidd ano passado, ela vai continuar cagando com todo mundo. Nate James não pegou a música, não sentiu, não conseguiu se expressar e não teve ninguém que o ajudasse, acabou assim sucumbindo à incrível e emotiva performance de Lovelle Hill.


E para fechar a noite a "battle" mais fofa que eu já vi passar pelo programa, só mesmo Danny O'donoghue para fazer isso, porque querendo ou não, ele é o treinador mais versátil, à grande alternativa aos vozeirões que já estamos cansados de ver. Eu já previa o pareamento e a derrota de Smith and Jones, mas não sabia que iria ser tudo tão bom assim, e que a dupla iria representar uma real ameaça. No início achei estranha a escolha musical, preferia que fosse um folk, mas depois eles dominaram com tanta classe a música, Conor Scott foi tão firme e grande na apresentação, que eu não poderia ter ficado mais encantado. Deu um banho na "battle" do #TEAMJOEL no The Voice AU com essa música. O menino agora se junta à Andrea Begley, como os dois front-runners do #TEAMDANNY.


Depois desse início eletrizante da fase dos ringues, vamos ver como os times começaram a se configurar?

#TEAMDANNY é o que ainda está mais incerto e confirmou menos gente, mas pelo que temos visto até agora ele tem conseguido transformar água em vinho e já detém dois dos nomes mais fortes da competição: Conor Scott Andrea Begley, que provavelmente serão os semifinalistas do time.

#TEAMJESSIE já está praticamente completo, depois de quatro "battles" e de já ter usado o seu "steal", a cantora conseguiu montar o time mais puxado para o soul na competição. Temos os vozeirões de Ash Morgan e Lovelle Hill, toda a diversidade de Danny County, e Sarah Cassidy, que é a candidata que menos me agrada. Agora sem dúvida alguma o grande nome do time não era do mesmo, Matt Henry pode ser o grande "steal" da temporada e o fator que levará Jessie J a colocar a mão no caneco.

#TEAMJONES fez uma decisões estranhas, embolou o meio de campo, e a coisa está bem obscura quando se trata do perfil do seu time. Tom Jones garantiu o favoritismo de Jamie Bruce a voz soul de Cherelle Basquine, e roubou o ótimo vocal de Adam Barron, se configurando como a equipe mais diversificada do jogo nesse momento, mas ainda acho que faltam grandes nomes no time.

#TEAMWILL segue firme e forte na liderança esse ano sem fazer muitas cagadas, e monta um time forte de "Power Vocal House", de fazer inveja à qualquer outro treinador. Ele garantiu os nomes de Cleo HigginsLeanne Jarvis Leah McFall, e ainda tem Jordan Lee Davies que apesar de ser muito bom, deve ser massacrado pela concorrência que o cerca.

No mais é isso meus caros, achei bacana a proposta do "Battle Weekend", deu uma acelerada na competição, sem prejudicar a exibição das batalhas; achei que a fase deu um Up no jogo, os treinadores souberam trabalhar bem... No geral, voltei a ficar bem mais animado com tudo. Pelo que eu entendi, essa semana não teremos o programa, só na outra... Então até lá!  

Talvez Você Curta

3 comentários

  1. Vou pontuar do preferido ao que menos gosto:

    Team Danny: Tem Conor Scott, então tem tudo que precisa na mão. Nunca fiquei fã de alguém tão rápido assim. Estava esperando ele nas battles desde que o Danny apertou o botão. Sabia que iria ser contra a dupla. Não gostei muito da menina nessa música, entretanto, o garoto cantou muito bem. Não cheguei a ficar com medo de que o Danny não escolhesse o Conor porque além de bom, ele é popular.
    Andrea é forte. Danny ainda tem gente boa vindo por ai, mas acho que nada a altura desses dois. Talvez Mitchel surpreenda.


    Team Jessie: Tem Danny e Alex (que ainda vai aparecer por ai), meus preferidos no time dela. Claro, não podemos esquecer o steal que foi bem usado, entretanto, acho que Adam é melhor que Ash e que ela perdeu um grande cantor. Sarah é ótima, mas a escolha da música foi um nojo.

    Team Will: Leah é um monstro cantando. Cleo canta demais. Mas meu preferido no team Will é, de longe, Jordan. Não sei porque você acha que ele é fraco, mas ele é ótimo. Leanne tem potencial.

    Team Tom: Eliminou Elise, não comento mais nada sobre ele, a não ser o steal, que foi bem usado.

    Só vou te dar a dica de colocar o "nome da battle" e a música em cima dos respectivos vídeos para ficar de mais fácil "achismo". De resto, parabéns pela review.

    ResponderExcluir
  2. Gente, cadê o The Voice cabuloso que estava aqui? SUMIU!
    Que semana maravilhosa, eu ri como se não tivesse amanhã, mais até que quando assisto séries de comédia. Tudo foi tão bom, tão fluido, tão leve, tão fácil de assistir, que eu não parei de ver o episódio um minuto, só para repetir apresentações mesmo. Sua análise ficou muito boa, parabéns. Meus favoritos são Adam e Jordan, com Matt e Ash correndo por fora, pelo menos até agora né. E tem Leah, essa é demais.

    ResponderExcluir
  3. E por que a Carla e a Bárbara deveriam mudar de estilo? Se fosse assim, a Leanne também deveria cantar ópera para mostrar que é versátil.

    ResponderExcluir

Fala aí, seuslindos!

Disqus for Seriadores Anônimos

Subscribe