Castle 6x02: Dreamworld

terça-feira, outubro 01, 2013



Quando a justiça não se mostra tão clara.

É eu sei, eu sei! Todo fã de Castle que se preze, tem uma enorme satisfação em assistir a um belo episódio romântico, repleto de momentos emocionantes e cutes do casal mais querido da televisão. E não posso negar que me enquadro perfeitamente neste perfil, adoro ver a química que existe entre Rick e Kate, o sentimento passional que envolve a dupla em cada crime. É demais!!! Mas sabe também, o que eu adoro? Eu amo episódios aonde Castle vai além do que esperamos nos casos, onde o crime não é tão simples, e nossas convicções não são em nada subestimadas à exposição dos fatos…

E isto foi Dreamworld, um episódio absolutamente envolvente do inicio ao fim, exclusivamente centralizado em expor um excelente caso, preenchendo com êxito uma lacuna que, por muitas vezes, torna-se secundária.

É fato que sob as estruturas do seriado, podemos reconhecer a busca intencional de não trabalhar temas com a prerrogativa exclusivamente dramática, o humor é uma ferramenta diferenciada e bem utilizada por sua equipe de roteiristas. Circunstância esta, que não me canso de dizer, ser o grande diferencial do procedural de Castle. Quem não enlouquece enquanto Rick propõe assassinos alienígenas ou zumbis, como principais suspeitos de um caso? Pois é, eu também. Porém, isto não significa que não surja aquele brilho de satisfação, ao assistir uma trama como a abordada durante esta semana.

Sei que como uma enorme devota da “falecida / ressuscitada” 24 Horas, eu sou um pouco suspeita para falar de casos onde o grande vilão é o governo, temas políticos, espionagens e afins. Mas nem por isso, vou perder a oportunidade de valorizar o assunto, quando este se torna protagonista da minha série favorita.

Começando com as participações especiais e com a honrosa presença de Glenn Morshower. O agente Pearce subiu de cargo e passou de segurança do presidente para Secretário de Defesa, (se você não entendeu, precisa vivenciar o universo Jack Bauer na sua vida!).
E a manipulação de um roubo, inteligentemente estruturado, prova-se revelador de fatos que envolvem o Pentágono, ataques à rede al qaeda, e a morte de uma agente norte americana autorizada por ninguém menos que o diretor executivo do Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Precisa de mais? Então tudo bem...
Além da omissão dos fatos, o sigilo da missão, há a repressão da imprensa quando essa busca a exposição da verdade.

Por fim, a conexão do jornalista como noivo da agente morta surge para conectar o caso com o casal Rick e Kate, e a associação do desespero que pode provocar os extremos sobre a personalidade de quem ama. Como até mesmo “bater de frente” com o topo da representação do poder executivo do país, sem nem ao menos piscar sobre a preocupação de destruir a própria carreira.

Ah! Desculpe-me se eu me empolguei, mas Castle surpreendeu muito. Além de um episódio duplo no inicio da temporada, fazia tempo que não havia uma trama tão bem emaranhada na série, ainda que muitos episódios de qualidade tenham sido apresentados durante a quinta temporada, é fato de que poucos foram os momentos onde o roteiro se sobrepôs ao elenco.

Fica fácil perceber a preocupação, durante esta sexta temporada, em trabalhar os detalhes que permeiam a evolução da série e de seus personagens. Se na première ficamos admirados com a busca de expor a inovação do elenco, a evolução dos protagonistas quanto à sua atuação de forma “dividida”, mas que agem em conjunto para complementar a estrutura do episódio. Dreamworld vai um pouco mais além, buscando trabalhar as dificuldades que surgem perante os caminhos do plot escolhido. A escolha de Beckett em se desafiar no FBI expõe a hierarquia das instituições, as complexidades de seus desafios, e que a transição de sua “zona de conforto” tende a mexer com todos que estão ao seu redor.

Os casos do FBI são mais complicados, deixando claro que a parceria divertida com um “escritor / consultor / não policial”, fica para trás, com a colocação de sua vida em risco em um único fim de semana. O controle da situação que existia na NYPD demonstra-se frágil quando Beckett prova o gosto das falhas, a rigorosidade do sistema, e que sua abordagem não é tão eficiente quando estamos tratando de questões politicas e hierárquicas. A verdade é que o território é novo, Washington não é Nova Iorque e já imprime suas dificuldades no primeiro caso da agente.

Aproveitando o gancho deste assunto, e associando à cena final do episódio. Temos a apresentação dos fatos ao que pretende ser a grande questão da personagem, o reconhecimento da outra face da justiça, que não é tão cega e igualitária o quanto se proclama…

Desde o término da temporada passada, a grande questão que surgia com a aceitação de Beckett ao cargo de agente federal era o que isto significaria para a série, pois a sua partida não poderia ser definitiva, mas a sua provável renúncia do cargo não poderia ser representado de forma tão simples, ou até mesmo questionável. Bem, ao que tudo indica este assunto não será tratado negligentemente.

O “calcanhar de Aquiles” de Kate, este será o grande problema em trabalhar com o FBI. A personagem que representa a aplicação da justiça em sua conceituação literal e a valorização da lealdade em qualquer circunstância encontra-se no impasse de romper com seus próprios valores. Não posso negar que acho este tema é absolutamente perfeito ao perfil de Beckett e ao panorama da série, e tende a “colocar mais lenha na fogueira” ao decorrer da temporada.

Fato que me deixa curiosa: Já não seria o momento do Senador Bracken entrar em cena, a apimentar a vida da nova agente do FBI?

Bem, eu não tenho esta resposta, mas aguardo ansiosamente pelos planos de Marlowe.


Observações Finais:

1. Como a atriz Lisa Edelstein se enquadrou em Castle. Eu não sei se todos concordam comigo, mas eu consigo ver a personagem de Rachel Maccord fazendo parte da equipe da NYPD. Sei que não vai acontecer, mas esta mulher vai fazer falta quando se despedir.

2. Lembra-se que eu disse que não gostava muito quando o protagonista corre risco de vida? Então, eu continuo não gostando, pois apesar do episódio ter sido muito bom, a contaminação de Castle apagou o personagem de Nathan Fillion. Mas entendo que este contexto era necessário para balançar o cargo de Kate no FBI. Porém, perceba o quanto a série ficou tensa e dramática com a remoção do humor de seu personagem.

3. Depois de “metade” do elenco de 24 Horas participando de Castle e o episódio desta semana, fica difícil não pensar que Marlowe seja um pouquinho fã da CTU, não?

4. A cena onde Rick atende o telefonema da mãe e diz “Se eu não estiver aí amanhã…”, é de partir o coração.

5. Outra cena muito boa é quando o Castle desmaia e a Beckett corre desesperada para socorrê-lo, mas percebe que precisa do antidoto, então rola aquele “momento epifania” da Kate, ela engatilha a arma e “vou mandar bala!”, entra em ação.

6. Parceria admirável é esta que criaram entre Beckett e Maccord, a segunda vai dar apoio à Kate mesmo sem nem saber o que, exatamente, ela pretendia. Fala a verdade, você queria esta mulher em Nova Iorque?

8. Que bela frase: “Às vezes, as coisas mais difíceis da vida são as que mais valem a pena.”.

7. Apenas uma observação... Mas que ironia do destino! As duas pessoas que Kate mais amou (ama) na vida não puderam ser contempladas pela justiça. Sua mãe e o Castle.


“Passou batido”

Na semana passada eu me esqueci de comentar sobre uma cena muito interessante em Valkyrie. A Kate usa a aliança de noivado no pescoço. Vocês se lembram de o que ela usa naquela corrente?

O anel da mãe dela, (o relógio era a vida salva e o anel era a vida perdida)... Muito simbolismo em um único detalhe, mas interpreto da seguinte maneira: Beckett vive uma nova fase em sua vida, ela superou a morte da mãe e hoje vive por outra razão. Ainda que busque fazer justiça ao assassinato de Johanna Beckett, Kate demonstra sua superação a uma perda do passado para aproveitar o que o presente lhe beneficia, o amor de Rick.




Pôster da sexta temporada.
Para quem ainda não surtou, eis o pôster da sexta temporada, divulgado pela ABC.




Gostaram?
Achei o mais legal de todos!


Talvez Você Curta

17 comentários

  1. Começar uma temporada com um episódio duplo!? Marlowe eu te amo !!!! Simplemente Perfeito !!!


    Era de doer ver tanto Castle com Beckett tentando segurar o desespero e se concentra na busca da solução do caso. A cena final fazendo uma referência ao Magico de Oz com Alexis, Marta, Beckett e Pi.

    A frase final de Beckett " É isso que os parceiros fazem" enquanto ela olha para porta do quarto de Castle. Tive a impressão que para ela soou desconfortável a palavra parceiros vinda da boca de Maccord, O parceiro dela é Castle !

    Eu estou realmente curiosa para saber qual será o discurso de Beckett para retornar a NYPD, alguns dos motivos já foram expostos no final do ultimo do episódio: os politicos safados não tem punição ela tem que aceitar isso, mas Beckett não vai aceitar acobertar ninguém que faça algo de errado. Acho que no próximo episódio será dado a ela mais motivos para avaliar sua decisão, estar novamente com seus antigos companheiro de trabalho e chegar a conclusão que NYPD é o seu lugar.

    ResponderExcluir
  2. DeniseMoreira_Brazilquarta-feira, 02 outubro, 2013

    Puxa Solange, seus comentários sempre P-E-R-F-E-I-T-O-S!!! Isso aí, menina! Episódios muito bons! E realmente... Não iremos mais precisar dos tradicionais episódios de 2 partes de Castle nesta temporada. Estes 2, mataram a pau!

    ResponderExcluir
  3. Eu simplesmente ADOREI este episódio! Acho que isso deve ser inédito em Castle, mas gostei ainda mais que do primeiro. Eles romperam com a tradição de começar com um episódio mais tenso para fechar o arco anterior e depois fazer um mais leve para engrenar a nova temporada. Neste caso o 6x01 teve um foco bem maior na comédia e este foi tensão ao rubro do início ao fim! Eu concordo plenamente com você que o humor incomparável do Castle é um dos maiores e melhores diferenciais da série, mas confesso que amo quando eles apresentam um episódio mais sério em que o Nathan Fillion tem oportunidade de mostrar que é igualmente bom no drama para quebrar a rotina da série.

    Sobre o episódio, concordo com tudo. Caso brilhante. Desenvolvimento fantástico dos personagens. Também acho que a McCord se encaixou muito bem a trabalhar com a Beckett e gostei do diálogo com o Castle, vai fazer falta se sair da série, mas não vejo outra hipótese. Ficou bem claro que ela, ao contrário da Beckett já se conformou com essa "justiça cinzenta", então na melhor das hipótese vejo, quem sabe, uma participação especial nos episódios duplos, que sempre costumam ter casos mais high profile.

    Adorei a forma como o Castle ganhou o respeito de todos em DC pela forma heróica como lidou com a situação, passando do idiota que mete o nariz onde não é chamado a alguém com força de espírito e bons instintos.

    Sobre o final, já imaginava que seria esse o único motivo plausível para a Beckett desistir desse emprego, mas fiquei feliz de qualquer forma de ver que estão a tratar gradualmente e coerentemente a personagem. Gostava de saber o que vocês acham que significou o olhar pensativo da Beckett ao olhar na direcção do Castle e repetir o "That's what parteners do" da McCord. A ideia geral é óbvia, mas pode ser interpretada de diversas formas. Será que ela após trabalhar novamente junto com o Castle se apercebeu o quanto sentia falta dessa parceria e por um momento ponderou voltar atrás? Será que finalmente caiu a ficha que a parceira dela agora é a McCord e eles nunca mais vão ser parceiros de crime, as coisas nunca vão ser como antes e isso talvez seja o início do fim?


    Sobre o poster, que bom que finalmente saiu!! Já tinha procurado e estava desiludida que os posters de Castle sempre são engraçados e sugestivos e essa temporada não tinha nenhum! No entanto, discordo sobre ser o melhor. Não é que não tenha gostado, mas incomoda-me um pouquinho achar que o sorriso dela está muito Stana e pouco Kate :|



    PS - Fiquei o episódio todo a pensar onde já tinha visto o repórter, agora lembrei-me, é o Cameron de Alphas, não é?

    ResponderExcluir
  4. Hey Marcilia vlw por sempre compartilhar suas ideias aqui. Aliás esta galerinnha que comenta no Seriadores é expert em participar com comentários mais que capiciosos aqui em Castle.
    Entao sobre sua percepção ao comentário da Maccord sobre parcera e a reação da kate. Pra mim esta observação fez a Kate avaliar que ela deixou um parceiro para trás quando ele precisava dela. Afinal ele se meteu naquela confusao por causa dela certo? Entao acho que este será o gancho para trazer a Kate para a NYPD, perceber que ela optou por desenvolver uma carreira e deixou o parceiro para trás e talvez seus valores também. Quero ver a abordagem do Marlowe quanto a esta história bjks.

    ResponderExcluir
  5. Hey Su, tudo bem ? Hey menina desculpa a demora em responder, mas estou trabalhando muito e lá é tudo bloqueado. Hehe.
    Então fico feliz que a galera tenha gostado do episódio tanto quanto eu, hehehe.
    Quanto ao pôster, achei o mais legal oficial, ainda que a minha foto preferida seja aquela deles na cama tirando foto com o celular, lembra? Agora sobre ser o sorriso da Kate ou da Stana, não sou expert como vocês, bjks.

    ResponderExcluir
  6. Verdade Denise e acho que você pode acertar sobre nao ter mais duplo este ano ainda que seja muito cedo para dizer.
    Bjks

    ResponderExcluir
  7. Acho que dos episódios duplos de todas as temporadas esse foi o que eu menos gostei, pois não teve o mesmo impacto que os outros. colocar castle em risco de vida no começo da temporada e o caso político em si foi necessário para que kate repensasse sua decisão de ir para o fbi mas a gente sabe o desfecho.

    ResponderExcluir
  8. Ow Tati, tudo bem?
    Então, sobre comparar o episódio com os outros duplos é meio injusto, porque para ser sincera, não acredito nem de longe que o episódio buscou a mesma intenção da dinâmica dos outros. Além do mais, Target para mim, é o melhor episódio da série, logo ele encontra-se em outro patamar. Mas... acho que um episódio duplo para bater de frente com todas as estreias desta fall season e tentar se manter establizado na estreia para garantir bons indices à série, a jogada foi inteligentissima e deu certo, pois os ratings de Castle foram muito bons em vista ao que ele enfrentou neste incio de temporada.
    Bjks.

    ResponderExcluir
  9. Hey, Sol!! Review excelente, always ;) enlouqueci com esse poster. Já é o meu favorito!


    Dxo falar, apesar de enxergar claramente os porquês desse episódio ser considerado muito bom e admitir que realmente tocou em questões muito mais complexas do que era esperado, preciso falar do fundo do meu coração que me incomodei com "Dreamworld".
    Essa é minha série favorita e o que me prendeu primeiramente foi a capacidade do Castle de chegar num ambiente em que sua presença era, de certa forma, hostilizada e naturalmente se encaixar na equipe. Situações assim se repetiram, e mtas vezes vimos Kbex "por fora", enquanto Castle já fazia parte da funcionalidade do time (FBI, CIA). É lógico que uma hora sua participação efetiva seria vetada, mas a forma que se deu foi meio chocante pra mim, principalmente pq a Kate está pisando em ovos. A sensação que tive foi que os dois assistiram o desenrolar do caso naquela salinha em que o Castle recebia as injeções. É perceptível que a parceria com Maccord funciona, mas pra mim, é por esforço da mesma. Ela vai até a Beckett, ela entende, apoia e direciona, enquanto Kate, por sua vez, está perdida e não se sente parte daquilo. A cena "é o que parceiros fazem" disse tudo.
    Então assim, não nego que o episódio merece aplausos, mas me doeu não ver a minha personagem favorita se superar diante dos meus olhos, como sempre fez a cada semana. Me peguei segurando a respiração durante o episódio e só consegui relaxar na cena do confronto com o secretário Reed. Ali eu a reconheci, e a partir daí consegui ver os benefícios que essas questões trazem pro desenvolvimento das personagens.
    A parte que me fez me sentir "em casa" foi as piadinhas do Castle a respeito da própria morte e a interação Martha/Castle - Martha/Ryan/Espo - Beckett/Ryan/Espo. Adoro as cenas dramáticas que o Nathan protagoniza porque ele o faz muito bem.


    Então assim, o episódio foi incrivelmente bem feito, Castle inicia sua temporada muito bem e merece nossos aplausos, mas como nem só de críticas sobre as decisões dramáticas e espertas do roteiro vive um fã, achei válido expressar o tanto de angústia que senti ao assistir "Dreamworld".


    p.s: achei que os nomes dos episódios foram invertidos auhahuauhauh.


    =**

    ResponderExcluir
  10. Hey Priiii, tava sentindo sua falta, cheguei a acreditar que vc não ia passar.
    Primeiro, deixa eu comentar uma coisa que já falei ali em cima, mas ... Cada dia que passa eu sinto tanto orgulho de escrever estas reviews, e sabe porque? Porque só vem uma galerinha absurdamente sagaz e com observações capiciosas, fazendo nossos miolos ferverem em observações perspicazes sobre esta série tão querida hein... heheheh... OBRIGADA!

    Dito isto, vamos a sua observação... Respeito muitissimo seu ponto de vista, e fico muito feliz quando vejo que "os meus leitores" (Ah! Que amor!!!), não se deixam levar pela opinião alheia, o "kra" vai a fundo e diz o que pensa e o que acha indiferente ao restante, porque tem argumentos, isto é muito bom!

    Acho que sua visão do episódio deve ser muito considerada e levada em conta, até porque pensando em um panorama geral, achei a galerinha mais dos fóruns e twitter meio desanimadas com Castle esta semana, e ainda que eu não saiba se foi o excesso de drama ou foi o Paley, relevo que possa ser a soma dos dois, enfim... Um fã de Castle pode realmente se achar incomodado com o que viu sim porque foge drasticamente daquela "zona de conforto" da série, e nem sempre esta transição de agrado geral.

    Como vc mesmo comentou, eu achei um fator necessário à evolução da temporada, e de fato, achei bem real. Afinal de contas, não é assim que todos nós nos comportamos diante de todo um novo ambiente a qual não somos adaptados e ele pode apresentar-se hostil? Para mim o FBI é assim para e Kate, e um pouco para o Castle também, afinal ali não há o amparo do prefeito. Acho que ainda pareça desconfortante, eu gostei de sentir a Beckett sendo desafiada, mostrando que ela é extraordinária, Sim! Mas isto não significa que tudo é tão simples e dominável por sua personalidade.

    Acho que vc acertou na mosca sobre dizer que a parceria com a Maccord dá certo por causa exclusivamente desta, porque é isto mesmo. Ela transmite este papel de "super mãe" com a novata, e isto é muito bem recebido pelo público, pois quem não gostaria de se encontrar na mesmo situação quando muda de trabalho? E acredito que por esta razão gostamos tanto dela, (eu particularmente, adorei).

    Mas falando porque o episódio impressionou tanto, eu ponho "minha mão no fogo" que é por conta de ser começo de temporada. Você se lembra de Castle ter começado tão surpreendente? Eu não! Então acho que os méritos de Valkyrie e Dreamworld surgem por conta de começarem uma temporada tensa, cheia de estreias para o horario e com a série começando a ser ameaçada por sua "idade" e a constante reclamação sobre cair na mesmice, e o Marlowe não fez isto, na realidade provou sua criatividade e potencial para levar esta série pelo tempo que a ABC quiser, e o elenco também, pois este segundo anda me deixando com o pé atrás ultimamente.

    Nossa!!! Falei pks, SORRY!
    Bjks.

    ResponderExcluir
  11. Eu amei o episódio, cara ter certeza que temos as 'coisas' nós leva a prepotência, e ela pensar que podia perdê-lo foi bacana!
    A cena em que a Maccord pergunta a Kate ele sempre foi essa figura e ela responde que foi por isso que se apaixonou por ele! Foi lindo lembrou-me uma entrevista do Nathan em que ele fala de como sua mãe apaixonou-se por seu pai, kkkkkk foram as loucuras!

    O episódio não teve um beijo, mas mais romântico não séria com! kkkkkkk acho que diabético não teve assisti-lo!

    ResponderExcluir
  12. ow, Sol, eu sou sua leitora fiel uhauhaahuhuauha demorei a vir pq tava sem tempo, e tbm tava digerindo o episódio, mas não deixaria de comentar, você faz a melhor review ever e merece nossa atenção.
    Realmente, não me lembro de ter começado tão incrível. Geralmente a instabilidade vem no meio da temporada, então meio que estamos preparados. Esses desafios logo de primeira me deixaram na defensiva, e pensando tipo "ei, quem vc pensa que é pra não dxar o Castle participar da investigação?" e "Ei, kbex! Espo e Ryan são os seus parceiros, não os trate assim, conte pra eles". Esse episódio me desestabilizou emocionalmente, foi um choque. Mas agora eu to bem e to ansiosa por Need to know, pq vai ser na delegacia e lá eu consigo lidar melhor hauahuahauahau.
    Mas de fato, da mesmice nem a ABC nem ninguém pode reclamar. A.M. é um gênio e acho que nas mãos dele tudo é possível, ele faz funcionar. Achei que depois que os dois ficassem juntos a magia ia acabar, e cá estamos nós, passados com a abertura da temporada. Auhahuauhahuahuauhahu
    Mas me conta o que te dxa com o pé atrás com o elenco, talvez tenhamos opiniões parecidas. Ultimamente ando suando frio quando penso.


    <3

    ResponderExcluir
  13. kkkk
    Boa Milena! Sem dúvidas pode ser perigoso
    bjks

    ResponderExcluir
  14. Pri disse tudo, vlw!
    Sobre sua pergunta, vou responder lá no fórum, não é muito bacana levantar estas questões aqui.
    bjks

    ResponderExcluir

Fala aí, seuslindos!

Disqus for Seriadores Anônimos

Subscribe