Castle 6x10: The Good, The Bad and The Baby

quinta-feira, novembro 28, 2013

Calma, calma. Você não perdeu nada! Só o episódio mais fofo de toda a temporada.

SPOILER ABAIXO

O Dia de Ação de Graças (Thanksgiving Day) é um feriado marcante à cultura norte americana, ele é celebrado durante a última quinta feira do mês de novembro e suas comemorações estão diretamente relacionadas em demonstrar sua gratidão a Deus pelas bênçãos e dádivas recebidas durante todo o ano. E neste conceito está intrinco a gratidão por àqueles que mais amamos: nossos familiares. Até mesmo por esta razão é que o feriado tornou-se marca registrada no universo cinematográfico para a representação de pessoas que viajam o país inteiro para estarem com seus familiares enquanto saboreiam o, tradicional peru, e outras variedades gastronômicas.

Um seriado muito famoso que inseriu o Thanksgiving como uma tradição presente em todas as suas temporadas, foi a memorável comédia de Friends. Os seis amigos que enlouqueciam as noites de quinta-feira sempre tiveram a oportunidade de demonstrar os absurdos mais impensáveis durante esta data. Variando desde um Joey que se esquecera, completamente, que precisava participar do desfile até o memorável episódio onde Rachel decide fazer a sobremesa do ano com um delicioso sabor de chulé.

E é claro que a principal razão deste cenário festivo se enquadrar tão perfeitamente à série estava em, exatamente, qualificar aquele grupo de amigos em um relacionamento familiar, onde não havia planos especiais, senão bater à porta do apartamento ao lado e gratificar o ano com todos os quais o fizeram valer a pena.

E foi, exatamente, esta essência do espirito familiar que Castle captou com êxito com o episódio desta semana The Good, The Bad and The Baby. E a ideia não poderia ser melhor. Mais do que manter o equilíbrio entre roteiros tensos, assim como fora Disciple, os episódios que simbolizam as festas e comemorações de fim de ano, precisam e devem ter aquele carinho especial que nos fazem desejar compartilhar de momentos familiares e se cansar de tanto dar risada. E eu confesso, sem qualquer receio, que foi exatamente este sentimento que eu tive durante todo o episódio. Ele foi leve, divertido e romântico.

A tensão apresentada fica por conta apenas de expor o verdadeiro espirito do “peregrino”, por assim dizer, com a vítima Cameron Ducane que sacrifica a própria vida para salvar um pequeno e inocente bebê, deixando-o em segurança nos braços de um sacerdote. Até porque, pouco simbolismo seria bobagem, nada mais justo do que apresentar em uma única cena os “símbolos” históricos que marcaram as comemorações do Tanksgiving.

Mas, sendo apenas necessário para apresentar o nosso crime da semana, rapidamente somos transportados ao espírito de comemorações e festas. E nada melhor do que diálogos sarcásticos entre Rick e Kate para eliminar toda aquela tensão. E é no primeiro ato do episódio que vemos o espirito do plot, o que ele pretende transmitir com a história de uma bebê na vida desta dupla: o concepção de que Beckett já é, definitivamente, um membro da família Castle.

E olha que bacana perceber a evolução de uma personagem, que durante o último natal ficou relutante a passar as festas de fim de ano com Castle por desejar manter sua tradição de estar de plantão na delegacia. Enquanto este ano ela já faz questão de planejar o jantar e fazer compras com Rick para unir os membros de ambas as famílias.

E sabe por que isto é muito gostoso de ver? Porque isto é uma série trabalhando pessoas, e não apenas lançando casos aleatórios para compor o cronograma. Ainda que um episódio filler, The Good, The Bad and The Baby trabalha os sentimentos que temos por estes personagens. Vemos um Ryan preocupado por não se sentir preparado em tornar-se pai. Temos uma Kate que começa a provar o saborzinho “salgado” de uma família maluca governada por Castle. E vemos um Rick que expõe seus sentimentos por criança e que demonstra total disposição em aventurar-se novamente na missão da ser pai.

Nada melhor do que transmitir estes sentimentos ao telespectador para que ele possa usufruir desta diversão e experiência. Afinal de contas, foi mais do que hilário ver Ryan absurdamente esperançoso em ganhar na loteria e para isto, o detetive comprara mais do que 50 bilhetes. Foi muito divertido ver Esposito “pagando” pela esperança do colega quando este o deixa sozinho na captura do suspeito para “fazer mais uma fezinha!”.

Mas não há como negar que o grande entretenimento e romance da semana ficaram por conta de Castle e Beckett “dando” uma de babá, ou melhor, pais adotivos e cuidando de um bebezinho perdido dos pais. Devo confessar que concordo em todos os gêneros com Rick quando este diz que é impossível olhar para um rostinho daquele e pensar de forma racional. E mais ainda quando ele se surpreende com a revelação de Kate, em não ser muito fã de crianças. E a grande diversão foi exatamente isto, dois grandes lados opostos da moeda, (como sempre foram), conseguindo encontrar referências em comum e sentir satisfação plena no que realizam como um casal.

Isto é muito Castle, melhor ainda, isto é o roteiro de Terri Miller exibindo potencial na nossa frente, de como é trabalhar um romance de forma tão divertida e satisfatória para qualquer público.
... 

Paralelamente ao romance, tínhamos um caso a ser resolvido, e permitam-me dizer com mais satisfação ainda à valorização deste roteiro, que não precisava, mas que mesmo assim, trouxe à tona uma trama muito inteligente e que não entregou, em nada, pistas sorrateiras para que o telespectador desvendasse o caso antes do próprio protagonista. Aliás, uma história que para muitos possa ser mirabolante, casou perfeitamente à imaginação de nosso escritor para ser solucionada.

Devo admitir que eu não vou me aprofundar neste assunto, afinal este é um tema confuso. Mas sei que não sou a primeira ou a única a desconfiar de certos métodos de premiações, assim como a Mega Sena, aqui no Brasil. Até porque se eu falar tudo que desconfio é capaz da policia federal bater aqui na minha porta!

Mas brincadeiras à parte, The Good, The Bad and The Baby foi um episódio perfeito e com todas as características e merecimentos de Castle, para marcar o encerramento deste ano. Com a participação de todo o elenco principal, muito humor, romance e um belo caso para mexer com a cabeça da N.Y.P.D, assim como a do telespectador.

Em suma, 2013 foi um belo ano para Castle, marcando a grande volta por cima da 5ª temporada que não seguia muito bem. Encerrando o mês de maio com o inesquecível pedido de casamento, e selando a metade de uma 6ª temporada que tende a ser uma das melhores da série.


Então... Que aguardemos ansiosos durante esta pausa, e que seu retorno seja marcado por belíssimos roteiros a satisfazer o ego romântico de todo este público fã.

Frases, diálogos e cenas totalmente Castle.



(Beckett) – Vocês se fantasiam para o Ação de Graças?
(Castle) – Sim. Não é comum?
(Beckett) – Não, é algo especial de vocês. Mais alguma coisa que eu deva saber antes de nos casarmos?
(Castle) – Muitas e muitas coisas.

(Castle) – Não olhe para ela, vamos. Vamos tomar um sorvete. [Enquanto chama um policial para ficar de babá].

(Ryan) – Por que Cosmo?
(Castle) – É o nome que eu daria a Alexis se ela fosse menino. [Aquele momento onde todos comemoram por ser uma garota!].

(Castle) – Como eu te disse, minha família se veste para o Ação de Graças.
(Beckett) – De repente, estou tendo uma visão clara e assustadora de como será o meu futuro.

(Castle) – Não acredito que não quer segurar o bebê. Todos querem segurar o bebê.
(Esposito mal humorado) - Eu não quero segurar o bebê.

[A cena mais engraçada do episódio] Ryan decide comprar o seu 51º bilhete de loteria enquanto Esposito corre atrás do suspeito. A cena onde Ryan dita os números ao caixa enquanto Esposito passa correndo na porta é hilária, encerrando com o sarcasmo perfeito: “Viu, eu sabia que este lugar daria sorte!” (Ryan).

(Beckett) – Eu nunca fui muito fã de bebês. Algumas pessoas veem bebês e querem segurá-los, morder seus pés. E eu nunca fui uma destas pessoas.
(Castle) – Eu não sabia disso sobre vocês. Aposto que também odeie arco-íris.

(Castle) – O que me diz Beckett. Você quer ter um bebê? ... Vamos, será divertido... [Algum tempo depois] – Isto não parece ser tão divertido.

Castle e Beckett dormindo na ponta do sofá enquanto Martha dá mamadeira para o bebê, então Alexis entra e vê a cena... “Quanto tempo eu fiquei fora?”.

(Beckett) – O Café não está ajudando.
(Castle) – Eu tinha me esquecido desta parte.

(Castle para Ryan) – Esta vendo este rosto? Esta é a face do seu futuro.

Quando Castle tenta beijar Beckett e o Ryan aparece, em minha opinião, a cena seria muito mais divertida se ele tivesse continuado e beijado a Kate, pois seria engraçado daqueles típicos beijos inapropriados e renderiam reclamações. Enfim...

(Beckett) – Acho que sentirei falta do pequeno Benny.
(Castle) – Quem sabe, talvez, daqui alguns Ações de Graças, teremos alguns Bennys nosso ao redor.
(Alexis) – Se vocês tiverem filhos nos próximos anos e eu tiver filhos, eles podem crescer juntos.
(Castle) – E... Planos arruinados.

Até agora, todas as vezes que vejo a Kate entrando naquela sala vestida de Pocahontas, eu caio na gargalhada diante de tanta inocência da moça. Mas sua vingança não poderia ser um prato que se come frio, logo Castle torna-se vítima da própria brincadeira, e que castigo! Nosso prêmio de Tanksgiving seria completo se ele tivesse vestido aquela fantasia, não? Mas valeu a pena sentir o prazer de o quanto esta família esta crescendo, e nós estamos presenciando tudinho, de camarote!

(Beckett) – Então eu pensei que, se isso não é uma tradição dos Castle, então deveria ser... [Castigo veio a cavalo para o Rick, merecidamente]... É melhor se vestir, peregrino.


FALANDO UM POUCO DE AUDIÊNCIA

Durante esta temporada, e principalmente a última semana, muito se comentou sobre audiência e qual a atual situação de Castle e sua concreta possibilidade de renovação para uma sétima temporada. Por esta razão decidi por explicar um pouco mais sobre este assunto e deixar você, leitor e fã assíduo, mais contente e tranquilo para almejar com afinco o retorno de Castle em 2014.

Nielsen Ratings
Muitos de vocês já devem ter observado o quanto ficamos ansiosos semanalmente enquanto aguardamos os resultados da audiência calculada para Castle durante a noite anterior, e que os resultados são apresentados com uma pontuação denominada rating.

Rating é o nome dado ao método de sistema de cálculo da audiência da TV Norte Americana, cada pontuação desta medida equivale a 1%. Então quando dizemos que uma série pontuou com 2.0 no rating, estamos dizendo que esta série foi assistida por 2% da população foco que estava com a televisão ligada durante o horário de exibição.

Complicado? Calma, vamos explicar melhor!

O foco da medição do rating é apresentar a popularidade dos programas e dos canais da televisão. E com qual objetivo? Mostrar aos publicitários aonde a sua propaganda será efetiva. Por esta razão a Nielsen (empresa responsável por esta medição), divide sua pesquisa em faixas etárias, característica do público (feminino ou masculino) e momento de visualização do programa (ao vivo, no mesmo dia, 3 dias depois, 7 dias após a exibição).

Logo a audiência apresenta as seguintes principais classificações.

18-49 Rating: Percentual populacional que possui TV, com faixa etária entre 18-49 anos, que assistiram a um determinado programa.
Exemplo: Se Castle apresenta um rating de 2.1, significa que de todas as pessoas norte-americanas que possui televisão, com idade entre 18 e 49 anos. 2,1% estavam assistindo a esse programa.

18-49 Share: Percentual populacional que estava com a televisão ligada em determinado horário e assistiram ao programa.
Exemplo: Se Castle apresenta um share de 6.1, significa que 6,1% das pessoas norte-americanas, (com idade entre 18 e 49 anos), estavam com a televisão ligada naquele momento assistindo ao programa.

Esta classificação ainda pode ser dividida pelo rating atingido por pessoas que assistiram ao programa ao vivo ou no mesmo dia (Live + SD). Pessoas que assistiram ao vivo, 3 ou 7 dias após a exibição, (Sem Pular os Comerciais!), (Live+3 ; Live +7).

Além disso, existe o foco do público feminino, para alguns canais como a CW, e para determinados programas que abrangem este perfil da população, (W 18-34: mulheres entre 18 e 34 anos).

Esta subdivisão do faixa etária com ênfase à avaliação da pontuação é o que chamamos de Demo, um determinado perfil demográfico em estudo.

E por que esta faixa etária é tão importante?

Porque esta é a faixa etária da população “consumista” norte-americano, são estas pessoas que mais compram, investem, gastam na camada comercial do país. E por esta razão, é por este pública que as empresas investem mais para chamar a sua atenção. Isto significa que, séries que apresentam maior rating com telespectadores entre 18 e 49 anos, conseguem cobrar mais caro no seu horário da propaganda e chamam muito mais atenção aos empresários.

É por esta razão que a medição da audiência apenas pelo número de telespectadores não é válida para garantir a durabilidade de uma série, pois esta medição não é válida para avaliar o preço da propaganda. A medição de telespectadores apenas é realizada para ter conhecimento do número de televisores da população e sua atual “utilização”, por assim dizer.


O que realmente é válido para classificar o valor de um programa, para o canal, são as classificações citadas anteriormente. Como resultado, o site publicitário Adertising Age apresenta uma tabela, mostrando o valor de 30 segundos no intervalo do primetime de cada canal da TV Norte Americana.


Como é possível observar, após a última temporada e a forte queda dos Realities Shows da ABC, Castle apresenta valor publicitário mais alto do que Dancing With The Stars. Isto mostra a força do seriado para o canal, mesmo concorrendo com The Voice ou The Blacklist.

Associados a estes valores temos o equilíbrio da série em suas pontuações semanais, o que resulta no equilíbrio de seu “valor comercial”, por assim dizer. Se uma série atinge pontuações concretas e estáveis, ela tende a aumentar o seu valor publicitário, diferentemente de uma programação que apresente fortes modulações de sua pontuação, fator que enfraquece sua credibilidade na aposta dos publicitários.

BALANÇO DA AUDIÊNCIA DE CASTLE

Então, após conhecer um pouco mais sobre este panorama da audiência, abaixo apresento os valores da audiência de Castle, até o episódio 6x10.

Esta temporada é a mais assistida em número de telespectadores, ainda que isto não tenha valor. Mas apresenta um rating médio, melhor do que a quinta temporada. E o quê isto significa? Bem, para uma Fall Season tendendo à catástrofe como foi esta temporada, não há porque se preocupar, Castle está em uma ótima zona de conforto (representando mais de 90% da audiência do canal), momento este que ela não chegou a viver nem quando esteve em sua terceira temporada (com ratings de 3,0).

Então, compre muita pipoca e reserve o sofá, pois este escritor e esta detetive ainda viverão muitas e muitas aventuras!

Para ver tabela completa com todas as temporadas, CLIQUE AQUI.

Syndication: O Syndication ocorre quando uma série atinge certo número de episódios, (Aproximadamente 88), e é vendida para outro canal para sua apresentação diária. Castle foi vendida para apresentação diária ao final da quarta temporada à TNT, o canal pagou US$ 1 milhão por episódio. Mas a esta altura do campeonato, o Syndication não apresenta mais valor significativo para o canal manter uma série que tenha queda de audiência.

O Syndication “segura” uma série que esta prestes a alcançar o 88º episódio, como Fringe por exemplo. Mas após conseguir o contrato e já estarmos duas temporadas após esta assinatura, ele não tem mais influência para manter a série no ar. Porém, atualmente, Castle não depende de nada para garantir sua renovação. Apenas aguardar a publicação oficial da ABC em Maio de 2014.


BALANÇO DA TEMPORADA

Além de ter apresentado uma ótima e equilibrada audiência durante esta “metade” da temporada, Castle também obteve ótimos resultados quanto ao material apresentado para o público. Por esta razão, decidi listar um balanço do que houve de positivo e negativo até este momento.


1. (Positivo) – A série investiu pesado no protagonista, apresentando episódios onde ele é responsável por liderar o roteiro, assim como ter apresentado forte evolução quanto a sua condição ajudante de policial, tendendo a nitidamente um parceiro de Beckett.

2. (Negativo) – Apesar do episódio 6x07 ser adorável, a série pecou no começo da temporada quanto ao relacionamento Alexis e Pi. Além de não investir na dupla para justificar a ações da filha de Castle, e alguns pontos do roteiro desconstruiu o perfil criado da personagem ao decorrer dos anos.

3. (Negativo) – O detetive Sullivan sumiu!!! Como assim? Eu não comentei nada para ver se alguém falava, mas a verdade é que o cara não deu nada certo, e para piorar, seu sumiço não fez falta! É... Mas mesmo assim, isto é uma falha bem grave para uma série, não dá para sumir com um personagem e não justificar porque ele não apareceu mais. O pior é que no contexto, acabou parecendo que a Beckett realmente “roubou” o lugar dele na NYPD.

É certo que deve haver alguma cena justificando isto e que aparecerá nos extras do DVD. Porém, uma pulga permeia minha orelha, pois bem na época destas gravações foi quando o ator Nathan Fillion e a atriz Stana Katic apresentaram suas desavenças e para completar, nem o criador da série, nem o elenco e nem o próprio ator mencionou este desaparecimento repentino. Enfim, ponto mais que negativo para Castle neste quesito.

4. (Positivo) – 3XK voltou a ser mencionado em um episódio fabuloso e de “quebra” trouxe um perfil enigmático e psicótico para lhe fazer companhia, futuramente. O episódio Disciple não obteve a audiência merecida, mas marcará presença eterna na lista de melhores episódios da série. Além de simbolizar a qualidade desta sexta temporada, até o momento.

5. (Positivo) – Em 10 episódio exibidos, apenas 2 são qualificados como fillers. Mais do que positivo, isto mostra que os roteiros estão em sincronia com a evolução da série. Era necessário mudar este perfil e assim foi feito. Parabéns aos roteiristas!

6. (Negativo) - Para equilibrar a lista e dizer que eu também me importo... ESTÁ FALTANDO PEGAÇÃO! Ah! Gente, eu sei que sou a primeira a defender que é muito fofo o relacionamento deles e tal, e que valoriza conceitos interessantes. Mas caramba! Está faltando aquela cena de beijo inapropriado, está faltando aquela pega “bonita” que a gente vai passar o ano inteira recordando. Como diria minha amiga ‘Pri’ “Está faltando sensualidade brasileira.”. Acredito que algumas cenas exploradas para o lado humorado neste panorama não fariam mal a ninguém, e levando-se em consideração que o relacionamento Castle e Beckett parte para o seu segundo ano completo, está mais do que na hora de nos oferecer algo mais.
...

E você o que achou? Comente sua opinião sobre um balanço desta temporada. O que mais lhe agradou e o que mais lhe irritou, até agora.
...

Castle retorna dia 06 de janeiro, com um episódio ainda sem nome, mas que promete ser muito divertido.

Até lá, aproveitem as férias para fazer o que mais gostam e retornem renovados para um ano que promete ser bastante movimentado, ao menos aqui no Brasil.

Feliz Natal! Um próspero ano novo!

E...

Comemorem, agradeçam, aproveitem... Por tudo que 2013 lhe ofereceu.

Até 2014!



CASTLE & BECKETT BRASIL

Quer saber todas as  informações que surgem sobre Castle? Spoilers, novidades, participações especiais, entrevistas com escritores, produtores e atores?

Acesse o Castle & Beckett Brasil e saiba tudo em primeira mão sobre o universo desta série que eu sei que você ama!


Talvez Você Curta

7 comentários

  1. Solange, parabéns pela review e pela análise do que se passou com Castle neste ano. Vamos preparar o coração para 2014. Você falou de desavenças apresentadas pelo Nathan e pela Stana. É sobre salário? Bem, problemas externos à parte, esta primeira parte da temporada está maravilhosa. E que venham bebês Caskett (três, como já foi dito, lembram?). Feliz Ano Novo para todos.

    ResponderExcluir
  2. Cara não me conformo por não ter visto Castle de peregrino!
    Sol mermã adorei tua explanação acerca da audiência de Castle! "Pras cabeças, galera", kkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. P.S.: "na época destas gravações foi quando o ator Nathan Fillion e a atriz Stana Katic apresentaram suas desavenças", melhor parte do texto. Sol, você, dando margem a indagações Stanathan´s. So...

    ResponderExcluir
  4. AAAhhhh esse episódio <3 Confesso que estive prestando mais atenção em Caskett com o bebê do que com o caso lol A Terri entende os personagens tão bem, só ela mesmo para saber que aquele era o jeito da Beckett, morri rindo dela dizendo que nunca tinha sido uma baby person. Mas quem lembra dela com a Angela, em Little Girl Lost?? Ela tava tão delicada lá, não sei, para mim é só charme da Beckett ahsuahus.
    Minha cena favorita: A troca de fralda huashuas ou a cirurgia. A trilha sonora ficou perfeita na cena.
    O Ryan merece um mega post no tumblr do cara mais empata da história. Mas eu o adoro <3
    Só eu achei o Jon bem zzzz nesse episódio? Seilá, o Espo pode não gostar de nenem mas....
    E o high-five do Cosmo com o Castle? *----*
    Eu analiso a audiência de Castle também lol Só não terá uma 7ª temporada se os atores não quiserem. A audiência de Castle deve ser comparada com as séries do canal (que, vamos combinar, a audiência da ABC tá muito ruim, até once upon a time marcando 1.9 de demo O.o) As novatas são um fracasso, exceto por AoS que ainda tá procurando se estabilizar.
    Lembrando que quando Castle voltar do hiatus o lead-in será com The Bachelor, logo esperem queda no nº de telespectadores. Mas o público de TB é geralmente mais jovem que DWTS.
    Achei estranho o sumiço do Sully, a Alexis tá na hora de sumir, e eu não tenho nada a reclamar da falta de pegação. Adoro desse jeitinho <3 Essa temporada tá A+ na minha opinião. Meu único problema é a Alexis.
    Feliz Natal e Ano Novo Solange!! Muito mais reviews em 2014 :D

    ResponderExcluir
  5. Post excelente. Parabéns e obrigada.

    ResponderExcluir
  6. YAY!!

    Adorei, Sol! presentinho de natal a análise da audiência!!!

    Certo, 1: Preciso falar que não aguentei a fofura desse episódio! Eu sou tipo Beckett, acho lindo os bebês nos colos das MÃES, não no meu, mas pelo Cosmo/ Benny eu me derreti! AMEI a questão do desconforto do Castle ao imaginar que tbm cuidaria sozinho de um bebê caskett e a grata constatação que dessa vez escolheu a mulher certa. Adoro os epis que contam alguma coisa sobre ele, que falam de suas fragilidades. Tbm achei o caso extremamente inteligente. Resumindo...tudo lindo!!



    2: Só eu notei essa excessiva referência à igreja? Tão tentando me fazer comprar a ideia de que é melhor fugir pra casar na praia, no mato, na rua, na chuva, na fazenda, na casinha de sapê?? Pq oh, NÃO! faço questão de festa, quero Beckett LIIIINDA PRA SEMPRE e Castle poderoso num terno. Não precisa ser na igreja, mas tem que ser em NY. Tem que ser bonito e significativo. Um casamento simples é a cara da Beckett, mas tem que inovar! Por favor. u.u


    3: Sobre os episódios em geral, concordo com tudo, principalmente a falta de pegação (olha eu ali *_*). É simplesmente incoerente, pq vamo lá, quem era Richard Castle??? sexo top 10 com a ex-mulher, pegação responsa com a atriz interesseira...com Kate é esse negócio sem sal. Desde o epi 4 que eles não se beijam....QUÉ DIZÊ, bota o dublê pra fazer (YAY, Nathan :*), tem problema não, essa "pureza" é que não dá. Cadê o fogo do noivado? Foram 4 anos de desejo e já ta resolvido? Só tivemos um episódio mais caliente em 2 temporadas. Depois o Marlowe acha ruim quando o povo implora pela cena excluída de Always. Se ele compensasse, o fandom ficaria feliz. Eu surtaria. Mas enfim, acho que só vai piorar a medida que eles ficarem mais caseiros.


    É isso, parabéns por todas as reviews da temporada, Sol, principalmente por aquelas que foram melhores que os episódios!! auhhuahuahuahuauhahua.


    Boas festas pra todo mundo!! <3


    Cadê 6 de janeiro? já quero ;) :*

    ResponderExcluir
  7. Caraca, Sol, muito boa a sua explicação sobre as audiências televisivas.Mandou bem.
    Esta temporada de Castle, a continuar assim, será a minha segunda preferida. A terceira ainda é imbatìvel. Ficou estranho mesmo o Sully desaparecer assim, talvez apareça de vez em quando, como a moça do TI, Pelmutter.
    Muita gente já acha que acabou a quimica do casal e que seria bom acender esse fogo pq está parecendo que estão casados há trocentos anos. Sou totalmente a favor... A Terri poderia ler mais Nora Roberts...hahaha
    Eu queria muito, muito mesmo, ver o Castle vestido de peregrino e sendo zoado.
    Sol, bom hiatus e Feliz 2014! Em janeiro estaremos de volta.
    Muito obrigada pelas reviews.
    Ah, que desavença é essa entre os protagonistas?

    ResponderExcluir

Fala aí, seuslindos!

Disqus for Seriadores Anônimos

Subscribe