The Voice 6x03/04: Blind Auditions Part 3/Part 4

quarta-feira, março 05, 2014


Virando o Jogo!

Depois de uma fraca semana de abertura, a sexta temporada do programa mais assistido da televisão americana volta para mostrar que não dorme no ponto, e rapidamente tratou de melhorar o nível da competição. Essa semana o The Voice foi completamente destacado por vozes femininas, e começou a indicar que elas serão as grandes atrações desta temporada. Vimos ótimas vozes, escolhas musicas bem diversificadas, e fomos presenteados com três horas de entretenimento, aonde a qualidade e o foco voltaram para o palco.

Enquanto isso nas cadeiras vermelhas a dinâmica continuou interessantíssima. Enquanto Adam Levine sentia os seus poderes se esvaindo, vimos Shakira e Blake Shelton dando a volta por cima da competição e arrematando quase que todos os melhores cantores essa semana. Enquanto Shakira depois de duas temporadas finalmente conseguiu arrematar para o seu time o primeiro 4 Chair, Blake tratou de conseguir três e igualar seus números ao do arqui rival Adam, que de tão triste que ficou nesses episódios foi procurar carinho no colo de Blake. O esquema é o seguinte como não consegui embutir os vídeos do Dailymotion aqui no Blogger, e só consegui os videos das apresentações por lá, deixarei a figura do candidato e logo abaixo na legenda o nome do mesmo com o link do video. Vamos as apresentações.

Ryan Whyte Maloney
A primeira noite começou com a sólida apresentação de Ryan Whyte Maloney. Particularmente não vi nada de excepcional na performance, que levasse o rapaz a ser um 4 Chair. Ele possui uma voz anasalada muito difícil de compreender para mim e fica se escorando nos "óooh" a música inteira. A seu favor ele tem a vantagem de possuir um tom genérico e alto que permite umas escolhas mais ousadas de música para ele. Assim que entrou no palco já estava escrito em sua testa #TEAMBLAKE e foi a primeira aquisição de peso para o cantor country. Tenho quase que toda certeza que ele eliminará Jake Worthington nas battles.


Deshawn Washington

Na sequência fomos presenteados com todo o swing de Deshawn Washington, que sinceramente não entendi porque virou menos cadeiras que o seu antecessor, já que sua apresentação foi bem superior. Apesar de não ter se arriscado em momento algum, a escolha musical foi ousada, e ele tem um timbre de voz bem peculiar. A única coisa que eu não gostei foi da sua atitude, ele me pareceu inconformado de ter virado apenas uma cadeira, quando deveria estar feliz por isso. Não sei não, mas para ter virado apenas uma cadeira e ainda ter ganho destaque na edição do programa, coisas grandes estão por vir para ele, nas próximas etapas.

Sam Behymer subiu ao palco para fazer uma apresentação controversa e que dividiu muito a opinião do público. Apesar da ótima escolha musical e da bela aparência e presença de palco, não pude deixar de notar uma coisa extremamente teatral na cantora que me incomodou muito no decorrer da apresentação, as vezes parecia que ela estava chorando ou forçando a voz, muito estranho. Isso sem contar que para começar essa música tem que ter um bom baixo registro, coisa que ela não possui e acabou começando a música com muitas dificuldades. Não sei bem, mas algo me diz que ela vai ser comida viva no #TEAMADAM.


Brothers Walker

O próximo ato aprovado da noite veio logo em dose dupla, os gêmeos do Missouri são a coisa mais fofa até agora da temporada. Eles são divertidos, super profissionais, já cantaram com Johnny Cash, possuem ótimas harmonias, não tem como não amar. Sei que Blake Shelton parecia a escolha mais óbvia para os Brothers Walker, mas fiquei seriamente torcendo para ele não virar, não queria que os rapazes corressem o risco de se transformarem nos próximos "Sono Brothers". Sei que eles tem talento e experiência para serem muito mais versáteis do que isso, e se tem uma pessoa que irá força-los a isso, essa pessoa é Usher.


Clarissa Serna

Para mim o ponto alto da noite sem dúvidas foi Clarissa Serna, depois de ter visto a preview vazada da cantora contava os minutos para ela aparecer na telinha. Além da ótima presença de palco e incrível escolha musical, ela me parece ter uma coisa super versátil e gostosa de ouvir na sua voz. Para mim ela é o pacote completo, canta muito bem e ainda me pareceu super comercial. Ao que tudo indica #TEAMSHAKIRA fez a sua grande aquisição da temporada, se a treinadora deixar essa dai escapar realmente não sei o que pensar. Não entendi posicionarem ela no meio do programa, fiquei na dúvida se ela realmente chegará aos lives #HOLLYFEELINGS, mas se chegar não vai ter para ninguém. Vejo um grande potencial nela.


No combo dos avulsos dessa semana tivemos a ótima voz de Lindsay Pagano, que me pareceu ter muita personalidade no palco; o incrível alcance vocal de Joshua Howard, que vamos combinar que apesar de ser muito bom, não terá nenhuma chance no #TEAMADAM; e o sem graça Tanner James. E na quarta noite vimos a performática e poderosa voz de Dani Moz, juntamente com o dinamismo e unicidade do tom de Muci Box, ganharem um lugar no #TEAMSHAKIRA; e Lexi Luca ganhando o coração de Blake Shelton com a sua apresentação de "Wasting All These Tears", pior que Amber ninguém consegue ser.

Melissa Jiménez

Melissa Jiménez foi o grande colírio da terceira noite. Talentosíssima e maravilhosa, a cantora tem uma elegância no palco de dar inveja a muitas artistas por ai. Adorei o à capela que ela fez no início da música, foi na medida, sem muita gritaria, conseguiu exibir sua técnica vocal, e no decorrer da música ainda a vimos explorar muito mais do seu ótimo timbre. Quando a estilo musical ela me lembrou muito Sasha Allen, por isso acho que seria um erro cruscial ela ter ido com Shakira, Usher vai saber muito bem trabalhar com ela para impulsioná-la para fora de sua zona de conforto. No fim das contas acho que a cantora fez sim a escolha certa.


Patrick Thomson

O programa já estava quase acabando quando fomos apresentados à todo o soul na voz de Patrick Thomson. Com música correndo nas veias o cantor tem um voz poderosa e uma desenvoltura impressionante no palco. Fiquei impressionado a forma descontraída como a voz dele se portou no decorrer da música. Seria ele o novo Cole Vosbury? Uma certeza eu tenho, Blake não será capaz de estragado porque ele foi para o #TEAMADAM. Tenho muito medo de qualquer cantor de folk que acabe caindo no #TEAMBLAKE pois já sabemos qual será seu caminho. Apesar de encontrar um caminho mais difícil pela frente acredito que ele tem capacidade para ir longe na competição, a não ser que enfrente Dawn & Hawkes logo de cara. Ai não vai ter a mínima chance.


Sisaundra Lewis

A terceira noite de audições fechou com chave de ouro, com a brilhante apresentação de Sisaundra Lewis. A ex backing vocal de Celine Dion subiu ao palco para uma performance estonteante de "Ain't no Way" de Aretha Franklin. Ela tem um ótimo alcance na sua voz, um vibrato lindo, agudos incríveis e é super consistente nas notas altas. Claro que a escolha mais óbvia seria ir para o #TEAMXTINA, mas como a loirinha não está no programa essa temporada achei realmente válido ela ir para o #TEAMBLAKE. Além de ter visto um brilho no olhar de Blake, de que irá levá-la até o final, a cantora pode se destacar da mesma forma que Jermaine Paul fez na segunda temporada, e não corre o risco de ser a próxima Judith Hill no #TEAMDAM.


Segunda Feira tivemos bons candidatos tendo que dar adeus a competição, como Brendan Ryan e sua ótima versão de "Love On Top", Robert Lee e sua fraca interpretação de The Band e a poderosa voz de Allison Bray. Sério, o que é a voz dessa menina? Fiquei sem entender porque nenhuma cadeira virou, não sei se foi a escolha musical... Enfim... Já ontem acredito que todas as eliminações foram todas justificadas, como a de James Caver que apesar de ter um timbre de voz bem peculiar e um áspero diferente na voz, não se arriscou em momento algum da apresentação e acabou nem tendo a chance de entrar no programa.

Megan Rüger

Ao contrário deles quem abriu a noite já virando uma cadeira vermelha foi a cantora de Nashville Megan Rüger, que nos entregou uma versão poderosa de Pink! e sem aquela irritação de costume que existe na voz da cantora. Ela fez Pink! e um pouco mais! Com uma voz muito mais limpa, foi possível apreciarmos muito melhor os agudos da música, e quando ela vai nas notas mais baixar um rouco lindo aparece na sua voz. A cantora realmente me cativou e acho que a decisão mais sábia mesmo foi ir com o #TEAMBLAKE.

 

Morgan Wallen

Morgan Wallen foi o segundo a se apresentar na noite e Shakira logo virou encantada com o seu ótimo tom de voz. Alguma coisa situada entre James MorrisonDaughtry o seu timbre realmente é uma coisa que se destaca e é o seu diferencial. Dito isto, não acho que o cantor fez nada de mais em sua apresentação, muito pelo contrário achei bem chata e regular o tempo todo. E ao invéz de ir com Shakira que tem um histórico de levar cantores avulsos para os lives, o rapaz escolheu #TEAMUSHER aonde não irá sobreviver.


Emily B.

Na sequência quem se apresentou foi Emily B., que já acostumada com o mercado fonográfico, resolveu cantar o que realmente ganharia a atenção dos treinadores. A escolha de um clássico conhecido com uma interpretação dinâmica do mesmo é sempre infalível. Sua afinação estava no ponto nas voltinhas, sua voz é bem melódica, e apesar de nenhuma característica marcante a cantora conseguiu fazer os seus momentos na música e parece ser uma das candidatas mais fortes até agora a conseguir uma vaga no #TEAMSHAKIRA.


Stevie Jo

Ao que tudo indica Steve Jo veio para confundir a mente dos incrédulos. Com herança metaleira e cara de cantor de caipira, o menino subiu ao palco e tomou uma postura completamente diferente de tudo isso. Com um pouquinho de swag e movimentos de cantor de pop, o rapaz é claramente discípulo de Usher. O cantor tem um lindo timbre vocal e soube trabalhar com muito dinamismo a música, fazendo o seu ídolo virar sua cadeira. Apesar de ninguém ter chance mesmo, foi super esperto da parte de Usher não exprimir reação.


Audra McLaughlin

O trabalhos da semana terminaram com a mediana apresentação de Audra McLaughlin. Apesar de ter sido pimpada e virado quatro cadeiras, acho que nem de longe a cantora é essa coca toda. Ela tem um timbre country bem forte e bem peculiar, mas sua performance foi linear o tempo todo, não consegui ver nada de espetacular, nem naquela última nota, que achei uma das coisas mais avulsas e aleatórias que eu já vi. É claro que ela iria com Blake Shelton, estava escrito na sua testa, e tem pinta de que chega nos lives.


No mais é isso meus caros, acho que o programa deu uma boa subida no nível essa semana, e se continuar crescendo desse jeito acho que podemos esperar grandes coisas das próximas fases. Como já deu para perceber o rumo que a temporada está tomando é realmente uma coisa mais voltada para o country, soul e pop, o que costuma a deixar as coisas bem genéricas e mais assimiláveis. Semana que vem estaremos aqui de volta, para cobrir a última semana de Blind Auditions, e para ver que rumo que irá tomar essa temporada.

Talvez Você Curta

0 comentários

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe