The Strain 2x02/03: By Any Means / Fort Defiance

domingo, agosto 02, 2015


Urgência parece ser um conceito que existe distante dos pensamentos do roteiristas de The Strain. A cada novo episódio essa impressão se reforça a medida que vemos tramas que se arrastam e são esticadas além do necessário para preencher um episódio. By Any Means e Fort Defiance são cheios desses momentos, que talvez parecessem bastante interessantes no papel, mas quando filmados, desapontam.

O mais claro deles surge no terceiro episódio, quando Gus e sua companhia de vampiros decidem atacar Palmer. Quando a ideia e mencionada pela primeira vez, ela parece importante, uma impressão que se dissipa assim que vemos a execução do plano. Não bastando ignorar a possível luta entre Bolivar e os outros vampiros – uma expectativa que o próprio roteiro cria ao colocar o vampiro gótico na posição de segurança de Palmer -, o plano do grupo ainda é frustrado da forma mais anticlimatica possível.

Essa forma engessada de avançar com a história é um padrão que se repete em todos os momentos de The Strain. A duração de quarenta minutos de um episódio é apenas uma necessidade comercial, nunca algo que parece ser considerado na hora de construir a narrativa. Fosse a série vinte minutos mais longa ou mais curta, não faria diferença pois as cenas seriam colocadas uma após a outra com a mesma falta de cuidado ou planejamento.

A cenas colocadas em um episódio parecem estar ali para satisfazer um checklist. Há uma ou outra cena para mostrar o relacionamento do grupo de Eph se desenvolvendo – esses atualmente são os melhores momentos da série -, um flashback que revela alguma informação relevante, cabeças sendo cortadas e quando você menos espera, acabou. Semana que vem a série volta para cumprir o mesmo checklist sem jamais criar um arco dramático que se sustente dentro de um capitulo. Isso não é uma série, é uma novela.

Não sendo suficiente a já clara incapacidade de criar momentos que não pareçam nada mais que funcionais com as tramas já existentes, os criadores da série ainda insistem em adicionar mais subtramas, no que parece ser uma tentativa de inchar a série, usando a quantidade de personagens e histórias para esconder a falta de qualidade. Qual importância há a essa altura conhecermos o passado de Dutch com a ex-namorada? Qual o motivo para dar tanta atenção as disputas politicas entre o prefeito e a deputada que decidiu tentar limpar a cidade? Quem se importa com os momentos de criança revoltada de Zach ou a relação dele com o pai?


Parece que para a segunda temporada o que devemos esperar é tudo de errado que havia na primeira sem nenhuma das qualidades.

Talvez Você Curta

0 comentários

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe