New Girl 1x10 / 11 / 12: “The Story of the 50”/ “Jess and Julia”/ “The Landlord”

sexta-feira, fevereiro 10, 2012

Finalmente consigo rir com New Girl em três episódios seguidos.


Após a volta do hiatus de fim de ano New Girl vem realmente se consolidando, não somente como uma série fofa e agradável de se assistir, mas como uma divertida e engraçada comédia.

A prova de que enfim consigo ver um futuro verdadeiramente promissor para o show, é que nos três últimos episódios venho sentindo finalmente um pequena dose de simpatia por Winston, um personagem que até então não me agradava em nenhuma situação proposta.



Toda essa empolgação começou com “The Story of the 50”, um episódio centrado no aniversário do meu personagem preferido da série, Schmidt.

Adorei ver a construção do roteiro sobre o aniversário do rapaz e o planejamento de sua festa de vinte e nove anos feito por Jess.

Foi muito bom assistir a interação Jess e Schmidt, e até torci para que o rapaz tivesse sorte e conseguisse alguma coisa com a moça.

A maneira como foi desenvolvida a trama me agradou bastante, muito pelo retorno do plot da “Douchebag Jar” (Pote do Babaca), e como este foi inserido no roteiro.

Uma nova personagem foi adicionada e já se encaixou perfeitamente na série, Julia, o novo interesse amoroso de Nick.  Uma advogada série que tem sérios problemas em controle de raiva.

A ausência de Cece foi a única coisa que me incomodou no episódio. Pelo visto a clara intenção de um plot amoroso com Schmidt demorará (muito) a acontecer.


Em “Jess and Julia”, como já sugere o nome do episódio, foi centrado na interação entre a nova namorada de Nick, Julia, e nossa “nova garota”. Foi interessante ver duas personagens com personalidades tão distintas interagirem e expondo o contraste dessa convivência.

Gostei de Julia e do contraposto que a mesma faz em relação às características de Jess. Sinceramente já me acostumei às particularidades de Jess e atualmente até acho fofo o jeito todo infantil da protagonista, porém é ótimo ver alguém questionando e confrontando ‘alguns’ exageros constantes que a professora comete.

Julia é uma boa personagem, com um potencial enorme e espero que ela permaneça no show. Temo dizer (aos Shippers do “casal” formado por Jess e Nick), mas a química da advogada com Nick é visível e fluente e atualmente me empolgo mais com esse relacionamento do que com a ideia de um futuro romance de Jess com o barman.

Paralelo a tudo isso, Winston ao que parece, conseguiu um interesse amoroso, resta-nos saber se este plot será desenvolvido, porque parece que os roteiristas esqueceram a proposta de trabalho mencionada no episódio natalino.

E mais uma vez Cece, que na teoria seria uma personagem regular, teve apenas uma pequena participação. Apesar de conseguir agora aturar a inutilidade de Winston, ainda prefiro as participações da modelo e adoraria que fosse feita uma troca de roommates para ontem.

Teve ainda uma inserção de personagem (que nem ao menos não foi mencionado o nome) do nada, sem explicação nenhuma, como se a mesma sempre estivesse presente na história da série e fosse uma antiga e presente amiga de Jess.

Não me incomodei com esse furo de roteiro, muito pelo fato de ser uma boa personagem e haver uma boa interação com o elenco. Acredito que se não sumirem com a personagem da mesma maneira com que ela foi introduzida, esta renderá boas e engraçadas cenas e diálogos com Schmidt.

Falando em Schmidt, este nunca para de nos entreter e proporcionar os melhores momentos do show, e o da vez foi tentar fazer com que sua toalha ficasse seca e limpa. Adoro quando colocam as neuras com limpeza de Schmidt em ação e isto rendeu ótimas cenas ao episódio.


Encerrando essa linha de ótimos e divertidos episódios, temos “The Landlord”. onde temos as diferenças de personalidade de Nick e Jess em um embate.

Enquanto Jess enxerga sempre o lado bom das pessoas e um mundinho cor-de-rosa cheio de bondade e felicidade, Nick em seu pessimismo profundo vê o pior lado de tudo e todos.

E para provar o seu ponto de vista sobre a vida, os dois entram e uma disputa de resistência para ver quem tem razão, envolvendo até uma tentativa de Threesome (Ménage à Trois) entre os dois e o Landlord (Proprietário do apartamento).

Meu único incômodo no episódio, com toda essa aproximação de Nick e Jess, foi não terem nem ao menos feito uma menção ao fato de Nick estar namorando atualmente com Julia.

Schmidt, por sua vez teve mais uma significativa participação no episódio e já o considero como o segundo protagonista da série. O mesmo sempre rouba a cena e as situações em que ele está envolvido são sempre as mais constrangedoras e engraçadas. 

Desde ele achando que sua chefe estaria interessada nele e possivelmente mandando sinais, passando pelo momento em que ele toma a iniciativa e é confundido com um agressor sexual no estacionamento pelos guardas, até a constrangedora cena em que ele se despi e começa a fazer danças e poses em cima da mesa na sala de reunião sem saber que estava em uma conferência com os japoneses, foram as melhores e mais engraçadas (como já virou um costume) sacadas do episodio.

Com uma boa sequência de episódios onde o crescente nível da série foi perceptível, New Girl ganha ainda mais força para uma provável renovação e consolidação de público. Resta agora esperar que o show permaneça nessa toada e procure sempre explorar o potencial que visivelmente a série tem.

E você, gostou dos episódios? Deixe seu comentário.

Beijos e até a próxima.
@Diany12_MT

Talvez Você Curta

0 comentários

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe