S.A.Top: 10 pais que todo seriador gostaria de ter

domingo, agosto 12, 2012

O mundo das séries está cheio de pais bacanas, por isso, nesse Dia dos Pais, resolvemos escolher alguns deles e prestar uma pequena homenagem, destacando alguns personagens que destacam algumas das qualidades paternas mais importantes. Temos pais engraçados, companheiros, compreensivos, amorosos, cheios de honra, de inteligência e até com muitas habilidades artesanais. Tem de tudo um pouco e é claro, vocês estão convidados a deixar seus pais favoritos da ficção aí nos comentários.

Walter Bishop (Fringe) – Por Camis Barbieri
 Depois de fracassar nas tentativas de salvar o próprio filho, Walter mostra que amor de pai não tem tamanho e desconhece limites, ao atravessar a barreira dos universos para salvar um menino que nem era seu de verdade, na esperança de que o Peter do lado B tivesse uma chance de crescer e ser feliz.
É claro que tudo isso não saiu barato para ele ou mesmo para o menino, já que o amor de Walter era tão grande que se mostrou destrutivo, tanto em nível pessoal quanto em catástrofes reais e que afetam a vida das pessoas em dois mundos distintos.
O importante dessa relação entre pai e filho é que, apesar de tudo, o tempo (e uns pedaços de cérebro a menos) colocou tudo no lugar e a distância imposta pelo trauma e pelas mágoas (afinal, Peter acabou sequestrado de sua verdadeira família e de seu verdadeiro pai) foi vencida com muito custard de limão, milkshake de morango e experiências – culinárias ou não – bizarras.
Falando assim, de toda dedicação e maluquice, quem não gostaria de ser filho de Walter Bishop? Além da chance de conviver com a linda da vaca Gene, teríamos risadas garantidas, uma vida cheia de emoções no laboratório e de brinde genético, um QI de gênio.

Phil Dunphy (Modern Family) – Por Diogo Pacheco
Quem é que não gostaria de ser filho do divertido Phil? O cara acaba sendo a escolha mais óbvia numa lista como esta, mas é impossível não se comover com a relação dele com cada um de seus filhos. Como não amar um pai que consegue ser um completo pateta e um gênio ao mesmo tempo, sem poupar esforços para divertir sua cria. Phil é um pai descolado, atualizado e que faz tudo para alegrar a sua família, já aprendeu todas as coreografias de High School Music, já fez amizade com o namorado da filha, já andou na corda bamba e chegou a enfrentar muitas montanhas russas para acompanhar o filho mais novo.
Sem dizer que Phil é um cara moderno, que usa jaquetas que estão na moda (para meninas de 15 anos), assiste maravilhosos filmes de gosto duvidoso como “Croctopus 3D”, é ávido por tecnologia, sensível quando se trata de seu relacionamento familiar e ainda leva seus filhos para comer deliciosas e gordurosas bacias de frango frito. Com certeza ser filho de Phil Dunphy é uma grande aventura, já que ele capaz de arrancar de nós muitas risadas, sabe amar e respeitar as diferenças de Haley, Alex e Luke e merece um iPad novo a cada Dia dos Pais por ser aquele que leva Modern Family nas costas em alguns momentos. 

Burt Chance (Raising Hope) – Por Leo Oliveira
Essa definitivamente não é a escolha mais óbvia para pai do ano. Com Burt como progenitor, você corre o risco de levar um taco de golfe na cabeça e perder todos os talentos musicais ou de ser obrigado a aparar seus pelos pubianos antes de uma cirurgia. Se sobreviver a esses pequenos contratempos, no entanto, Burt é um paizão de coração enorme e cheio de boas intenções – mesmo que quase nunca consiga colocá-las em prática. Empreendedor de mão cheia, Burt é o inventor do bro-gurt, o iogurte para homens, nos sabores bacon, costeleta, uísque e cigarro, além de sempre garantir um emprego estável para a prole em seu conglomerado de limpezas de piscina. Além disso, tendo esse prodígio como pai você garante que nunca apanhará, mesmo que o resto da família assim o queira, já que Burt fará um acordo de cavalheiros em que você pode apenas fingir que está morrendo de medo da próxima palmada, quando na verdade nunca levou nem a primeira.
Como se isso não bastasse, Burt ainda é um bom samaritano de ações nobres como educar um porco-guia para garantir a segurança de um cego. Não precisamos levar em conta que o porco-guia original, já treinado e cedido pela igreja, foi transformado em churrasco por falta de responsabilidade dele em vigiar o suíno. Entre alguns acertos e (vários) vacilos, o patriarca dos Chance é um pai que, a seu jeito, faz de tudo pela família. E isso é o que importa, não é mesmo? A menos que você seja um porco-guia.

Sherlock Holmes (Sherlock) – Por Arlane Gonçalves
Colocar Sherlock Holmes neste Top nem é uma situação hipotética. É uma situação mega imaginária, ultra-hipotética, que só serve para vislumbrar como seria a vida de um descendente deste gênio (maluco).
Considerando que meu pai fosse o Sherlock de Steven Moffat, imagino que eu tentaria ser exatamente como ele: purgante, petulante e arrogante. A inteligência viria como um presente do DNA (claro!), e eu, cumprindo meu papel de filha intrometida, não perderia tempo e me meteria nas investigações dele, dando palpites, atrapalhando e, porque não, ajudando a solucionar os casos de verdade.
Nisso eu ainda estaria presente no meio do bromance dele com Watson, e poderia usar a curiosidade de Mycroft e a infantilidade do relacionamento dele com meu pai para arrancar uns trocados do tio. É. Eu seria uma criança bem atormentada.

Ron Swanson (Parks and Recreation) – Por Camis Barbieri
Ele não é pai de ninguém, mas é impossível olhar para a carinha de Ron – Fucking- Swanson e não enxergar nele essa figura paternal, protetora e cheia de sabedoria. É isso mesmo. Ron pode não ser exatamente um homem que demonstra sentimentos com efusividade (ele só chorou duas vezes na vida, uma quando foi atropelado por um ônibus aos seis anos de idade e depois, quando Li’l Sebastian fez a passagem para o além), mas está sempre pronto para dar ótimos conselhos e para defender as “crianças” do Departamento de parques de Pawnee. Basta lembrar que foi ele quem bancou a ida de Andy para a faculdade e de todo o orgulho que sente sempre que April demonstra todo seu desrespeito pelo sistema ou age exatamente como ele: fazendo o mínimo possível, afundando o mundo em papéis e burocracia.
Com uma filosofia de vida que inclui apenas as coisas boas e simples, Ron seria um pai sempre pronto a ensinar como entalhar madeira, pescar, acender fogueiras, caçar, comer muito bacon, ovos e toda carne do mundo e claro, a arte de cultivar um belo bigode. Seu tato com os pequenos escoteiros é mais uma prova de que Ron Swanson deveria se reproduzir e abraçar a paternidade, só tomando cuidado na escolha da mãe do pequenino. Melhor fugir de todas as Tammys e adotar um bando de marmanjos que, como eu,  já estão loucos para aprender a viver sob a Pirâmide de Excelência de Ron Swanson.
Michael Britten (Awake) – Por Luciano Venceslau
Ao contrário do que você deve estar pensando (se é que mais alguém no mundo viu essa série), o principal motivo pelo qual eu escolhi o Michael Britten não é porque ele resolveu tirar a peruca loira e trabalhar com armas de fogo.  Esse é um dos motivos, claro, mas enfim:
Em pouco tempo, Michael demonstrou ser um pai relaxado (o que pra mim é uma qualidade), compreensivo e amigo. Ele manteria a família unida ao mesmo tempo em que esqueceria completamente da nossa existência. Pisaria no calo de um criminoso barra pesada, colocando nossa vida em risco, e ainda assim conseguiria nos passar a sensação de segurança que precisássemos. Sem contar que um pai detetive, que só mexia com megaevil da raça, além de ganhar muito, colocaria adrenalina a mil em minhas veias, me faria dormir com um olho aberto e uma arma embaixo do travesseiro, ou seja, o sonho de qualquer pessoa (eu).
Mas passando para o lado canalha da coisa, eu teria um pai maluco que frequenta dois terapeutas e vive duas realidades. Um pai que não dorme e precisa olhar uma pulseira pra saber se eu to vivo ou morto. Um pai que enxerga memórias transformadas em pessoas (?) e pinguins megaevil que o seguem pra todo lugar. Em suma, qual a moral que esse cara teria em casa? Ele teria no máximo uma cópia da chave da frente pra quando eu tivesse preguiça de levantar pra abrir. Seria um pai tão perfeito que não consigo mais olhar pra foto do Jason Isaacs sem chamá-lo de papai.
Bill (True Blood) – Por Arlane Gonçalves
Pensei em Bill como pai por causa do relacionamento dele com Jessica. Vocês se lembram como era no começo? Ele não dava conta dela, ela fazia pouco caso das regras dele. Porém, com o tempo, um foi se acostumando ao outro a ponto de se tornarem como pai e filha de verdade. Além disso, eles se protegem e várias vezes ele colocou a vida dela antes da dele.
Um grande exemplo do ótimo pai que eu teria, foi o momento em que ele voltou para casa e encontrou um baseado jogado no chão. Ele brigou com ela? Não. Repreendeu-a pelas festas que ela fez enquanto ele estava fora de casa? Não. Ele apenas reclamou da “qualidade” do produto, se tornando, imediatamente, meu pai dos sonhos. Sem contar que, enquanto ela está sozinha, ela tem uma casa luxuosa e imensa só para ela, e seguranças (!) para protegê-la. Ou seja, depois de morta a menina ganhou na loteria. Bill é o melhor pai do mundo mesmo.
Burt Hummel (Glee) - Por Erika Ribeiro
O pai mais maneiro da televisão com certeza é Burt, afinal, quem mais dançaria Single Ladies pra homenagear o filho Porcelina? Ele esteve pela bola sete, depois de um ataque do coração e de ter a careca alisada por Rachel, mas agora está aí sobrenatural de Almeida, dando todo o apoio para seu garotinho na nova fase de sua vida. Burt nunca soube direito como lidar com a sexualidade de Kurt, mas nem por isso deixou de tentar, mesmo com um coração de babuíno no lugar do seu. Ele é massa, um tremendo braço e está lá para Kurt em todas as horas, até quando acha homem na cama dele. Em qualquer momento de freje, eu penso que apertaria as bochechas de Burt, ETzão.
Ben Quimby (Jane By Design) – Por Camis Barbieri
Ben pode não ser pai de Jane, mas tudo o que ele fez pela irmã caçula é prova mais do que definitiva de que sim, ele seria um ótimo pai para qualquer um. Mesmo sendo muito jovem, Ben não pensou duas vezes quando precisou escolher entre sua carreira no baseball profissional e assumir a criação de Jane, que era apenas uma criança pequena quando o pai dos dois morreu e a mãe os abandonou.
Além disso, os dois têm uma relação divertida e honesta, mesmo que Jane minta quando lhe interessa. Ben sempre está disponível para conversar, dar broncas, conselhos (nem sempre úteis, já que ele tem lá suas imaturidades) e ser um amigão de verdade.
Eddard Stark (Game of Thrones) – Por Protógenes Coimbra
Honra, embora tenha virado adjetivo voltado para a troça no mundo dos shows de tevê, ainda é um dos pilares mais fortes para a nossa sociedade e, principalmente, para a família moderna. Não há dúvidas de que a sabedoria deste homem, que nunca deixou seus princípios de lado e nunca cedeu ás tentações (da carne, talvez, mas do poder jamais) é responsável pela sobrevivência e pelo êxito, ainda que questionável, de Robb, o rei do norte; Aria, a espadachim; Jon, o bastardo; Sansa, a vítima; Bran, o despernado; e por último, mas não menos importante, Rickon, o caçula. Sem o aconselhamento certeiro de Eddard, eles jamais se tornariam as figuras fortes que se tornam após a orfandade e é por isso que qualquer um seria afortunado ao tê-lo como progenitor.

Talvez Você Curta

15 comentários

  1. Walter e Peter Bishop, melhor relação entre pai e filho do mundo das séries!
    Muito, muito amor por eles S2

    ResponderExcluir
  2. Ai, fico entre o Walter e Burt Hummel. Walter é tão legal, mas com uma fragilidade tão grande, realmente a relação dele com o Peter é uma das mais legais já retratadas em séries. Já o Burt, me comove por ser o pai que, não importa o quanto não entenda o filho, a única coisa que ele precisa é ama-lo.

    Phil é um FILF. #prontofalei

    ResponderExcluir
  3. Poxa e o Castle com aquelas armas de laser e fantasias de zumbi?

    ResponderExcluir
  4. Esqueceram de citar que Burt assustava o filho todo ano no halloween só pra ganhar um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Verdade, tá aí uma coisa de paizão de verdade!

    ResponderExcluir
  6. Desses aí eu queria o Ron "Fucking" Swanson, é claro.

    ResponderExcluir
  7. Eu cito o Sheriff Stilinski, pai do Stiles de Teen Wolf. O cara perdeu o emprego por causa do filho, e quando o garoto pergunta pq o pai não briga com ele, responde algo do tipo "meu dia já foi horrível, não vou fazer meu filho se sentir mal e piorar". Ele é um paizão.

    ResponderExcluir
  8. Eu queria o Coach Taylor de FNL pra pai. O cara pode ser linha dura as vezes, mas que é um paizao nao dá pra negar, seja pras filhas, seja para seus meninos.

    ResponderExcluir
  9. Sei que é antiguinha, mas não consigo esquecer do Keith Mars... Pra mim ele era um super pai ! Saudades de VM ♥

    ResponderExcluir
  10. Foi a primeira coisa que eu pensei lendo a lista. hahah'

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe