Fotossíntese - Glee 4x05: The Role You Were Born To Play

sábado, novembro 10, 2012


Dê férias para seus pés!

Que a temporada de Glee está toda espetacular e digna de fotossíntese em todos os episódios, não se discute, mas como infelizmente não dá pra dissecar a série semanalmente, prometi aos leitores na época dos reviews The Glee Project que cobriria a estreia do meu, do seu, do nosso Blake Jenner em Glee. E qual não foi a minha surpresa ao ver que, assim como Finn, Mercedes e Mike episódio, me senti voltando pra casa ao retomar a coluna? Nada como deixar as coisas mais temáticas possíveis, no melhor estilo dos roteiros de tia Ryan Murphy.

E já que o tema é se sentir em casa, abrimos o episódio com um questionamento filosófico de Artie.





Ameaças ao furacão Sandy original à parte, Artie acaba convencendo Finn a se envolver no musical (que foi ideia dele, afinal) como forma de descontar suas frustrações recentes de forma criativa. A partir daqui, começa a caçada por um rapaz para interpretar Danny Rizzo, eternizado como o heterossexual mais rebolativo do universo por John Travolta. Logo, a escolha mais óbvia seria Blaine, que mexe a cadeira muito mais do que Heloísa e muita mulher por aí.



Temos que aturar, então, um solo choroso de Blaine, se consagrando de vez como a nova Rachel com muitas caretas e sofrimento pelos corredores do colégio. A música, originalmente cantada pela própria Olivinha em Grease, é "Hopelessly Devoted To You" (Irremeadiavelmente Dedicado a Você) e a única parte aproveitável da sequência é a revelação de que, enquanto o time de futebol treina empurrões no campo, as cheerios estão dividindo o espaço deles dando várias piruetas.


Quando até os roteiristas passam o recado do quão pouco se importam com o chororô de um personagem, com uma líder de torcida sambando na cara dele, você entende que Blaine está aí pra trollar todo mundo mesmo, e aí quem sabe dê pelo menos pra rir desses dramas absurdos que ele faz – ou pelo menos torcer que, da próxima vez, o pé da moça acerte a cara dele. Há de se observar também que, bem na hora que os jogadores de futebol estão fazendo movimentos inacreditáveis, o nome desse ser de luz aparece na tela:


Passado esse momento lastimável, temos o retorno de Mike e Mercedes, já que segundo Artie, um bom diretor de musicais deve ter um bom coreógrafo e uma boa treinadora vocal à disposição. Palmas para os roteiristas por usar uma desculpa plausível pra ter mais dois velhos estudantes em cena, mas vaias para a cena cafoníssima dos dois entrando em câmera lenta, sorrindo abobalhadamente, enquanto sininhos tocam ao fundo.


Vejam bem, eu me emociono com qualquer bobagem de Glee e aplaudo que estejam tentando valorizar o elenco antigo, mas vamos maneirar porque é de Mike e Merdacedes que estamos falando, quando for Quinn, fazendo seu retorno com alguma doença terminal, um membro decepado ou qualquer outro plot maravilhosamente sádico que os roteiristas tenham em mente pra ela,  a gente conversa sobre o uso dos sininhos.



Já que o núcleo de New York não vai dar as caras hoje, temos o momento "spin-off dentro da série" com Will e Emma num momento de aconselhamento psicológico muito forte. Acho hilário que, com Jayma Mays demovida nessa temporada do elenco regular da série, esse impasse da separação dos dois aconteça porque Will quer ir embora e Emma quer ficar. Não reclamo e espero que na ausência dele, Emma produza novos panfletos esclarecedores para os estudantes. É sempre bom quando o casal tem alguma coisa pra fazer e, mesmo que o dilema soe repetitivo às vezes, é legal ver a discussão a respeito de Emma ser mais do que a namorada de profª Schue.


A busca por um protagonista para o musical continua e, voltando às escolhas óbvias, Sam já fez o papel – muito bem, por sinal – no ano passado, reproduzindo perfeitamente a dança da galinha nas arquibancadas do colégio e seduzindo muita gente (principalmente Puck, que não resistiu a um beijinho na mão do rapaz) em sua jaqueta de couro. Pra quem não se lembra desse momento bonito, vale a reprise.


Sam, no entanto, tem outros planos e não deixará a mão ser beijada ou a cabeça engolida por Mercedes esse ano. O que ele quer mesmo é ser Kenickie, e tem bons motivos pra isso.


Já começando a polemizar, sugerem Joe Hart, uma garota, para o papel



Jake aparentemente também não está interessado, o que obriga Finn a procurar por um talento fora do Glee Club. Infelizmente, isso não significa que ele ficará à espreita nos chuveiros esperando que alguém cante, como profª Schue fez com ele e ele fez com Sam. Mas se não ganhamos cena de Blake no banho, ganhamos isso aqui:


Além de exímio dançarino (I've got the moves like Jenner, já diria a torcida na época de TGP), Ryder está passando por uma barra ainda maior do que o fato de ser o meio-cubano mais branco que conhece.



Quem também está passando por maus bocados é Unique, que sonha em interpretar Rizzo, mas teme a recepção negativa das pessoas, mesmo que seja o papel de sua vida.



Mesmo com todo o apoio de Marley, que acha que Unique deve fazer o teste, Unique tem que enfrentar a revolta de Sue, que se revolta a deixar que um homem interprete Rizzo. Imagine se ela soubesse que Finn também queria uma mulher (Joe) como Danny?




Aparentemente, Sue está revoltadíssima com a perpetuação da confusão de gêneros entre os adolescentes, mesmo que a própria tenha tentado obrigar Kurt a se vestir de Porcelina para a competição, quando viu o sucesso que Unique estava fazendo no Vocal Adrenaline. Como coerência é uma coisa que aprendi a não esperar de Sue há algum tempo, finjo que compro esse súbito idealismo, até porque a história dá muito material bom pra Unique trabalhar,


Começando pela performance de "Blow Me (One Last Kiss)", da Rosa!, que já entrou no meu hall de melhores apresentações da série. Difícil não se empolgar com a postura de garotas malvadas de Marley e Unique e não esperar por mais cenas dessa dupla no futuro. O quarteto de "jurados" concorda e tira as palavras da minha boca quando diz que sobrou energia na performance das duas.


E por falar em apresentação boa, eis que, com muita safadeza oculta, nos presenteiam com o primeiro número de Ryder na série, "Jukebox Hero" (Herói do Fonógrafo Automático). A desculpa pra encaixar a música antes do horário das audições é sensacional: Artie quer que Finn escolha entre três jukebox para a peça e, por acaso, um deles tem apenas hits dos anos 80. E aí Finn, sempre muito sábio, dá a coragem que Ryder precisa pra soltar a voz e a franga.





Malabares com o microfone, pulinhos estratégicos e mãozinhas nervosas: marca registrada de Blake Jenner. Agora só falta o poema! Depois dessa apresentação sensual (e por que não dizer sensual?) que acaba praticamente em orgasmo, Finn já está seduzido o suficiente para dar para Ryder – o papel de Danny, é claro.


Não bastasse atacar Finn desse jeito, Ryder continua sua trajetória como conquistador da escola, lançando cantadas de corredor para a garota absolutamente estonteante com cara de boazinha e olhos azuis.



E aí não sei se é o fato de poder copiar as frases dela traduzidas no Google Transleite diretamente para as fotos que, pelo grau do absurdo, o trabalho da fotossíntese já está feito, mas a verdade é que ri da maioria das coisas ditas por Kitty, a cheerleader de 40 anos, nesse episódio.






A trollagem continua, com Kitty ousando comparar Marley com o labrador, algo que é inadmissível porque pensei nessa piada muito antes da velha, assim que a moça foi anunciada no elenco da série. Mas Ryder, ao contrário de Blake que na vida real viu gente sofrendo bullying e não fez nada, não vai deixar isso barato.


Esse confronto, claro, nos leva a um momento esperadíssimo dos fãs do Neon Trees: a destruição completa de "Everybody Talks" pela velha. Se até então, ela estava cumprindo bem o papel de causar riso com ofensas gratuitas, abrindo a boca pra cantar, a coisa não vai tão bem. A voz de canto de Becca Tobin é uma das coisas mais sofríveis que já ouvi, e o fato dela tentar emular o jeito de Dianna Agron o tempo todo não ajuda. E Jake, que até faz o possível pra salvar a música na parte vocal, entra no clima dos coleguinhas de elenco e libera a sua passiva interior.

 

Implicâncias com a velha à parte, devo dizer que a apresentação não foi ruim, não. Também não é digna das estripulias do quarteto na plateia, e nem de colocar Jake e Kitty na disputa pelos papéis de Ryder e Marley, mas como isso é só uma desculpa pra ver a velha perder mais tarde, vamos aceitar.


Voltando à história do banheiro, que ao contrário do que se crê por aí, não foi superada, Sue continua determinada a proibir Unique de fazer a peça como mulher e, quando Will aponta que na época de Shakespeare todos os papéis femininos eram feitos por homens, ela resmunga que "é impossível que isso seja verdade", o que arrancou de mim uma risada alta.

Sue também acha que isso abre precedente para que Unique daqui a pouco seja uma cheerio e, logo depois se contradiz, rebatendo à acusação de Finn de que é preconceituosa com a lembrança de que Kurt já fez parte da equipe de torcida, ou seja... Do que é que ela está reclamando mesmo?




Vale ressaltar também que esse é um dos poucos momentos em que Finn faz valer sua imagem de líder, defendendo a escalação de Unique no papel que quer e, no meio do caminho, abrindo todas as portas do inferno ao chamar a bebezinha de Sue de retardada, se arrependendo em seguida. Desnecessário colocá-lo nessa posição só pra de certa forma "justificar" as vilanias futuras de Sue, já que como eu já disse, ela é incoerente por natureza e não seria surpresa nenhuma vê-la mudar por completo de novo.



Beiste continua seu aconselhamento, deixando Emma refletindo, mas importante mesmo é o plot que vem a seguir. Notem que nesse momento, faltavam 10 minutos para o episódio acabar e Tina não tinha dado as caras ainda, pois aparentemente se recusa a fazer teste para o musical e encarar Mike frente a frente.



Antes da decisão final sobre os escolhidos para o Glease, Mercedão organiza uma performance conjunta de "Born To Hand Jive" (Nascido Para Manusear o Frevo), que é um verdadeiro desbunde. Tem Kitty empurrando Marley na maior cara dura, Ryder caindo enquanto questiona "how low can you go?" e o New Directions inteiro brotando no palco em um piscar de olhos.

 

Imagino que esses foram dias de gravação intensos para Zach, nosso coreógrafo favoritos, e para todo o elenco, porque o negócio deu certo. Excelente maneira de colocar as expectativas lá no alto para a execução do verdadeiro musical na próxima semana.


Tudo está bem quando acaba bem e, enquanto Will e Emma resolvem o impasse de se vou ou se fico, Finn tem uma cena muito bonita com Unique, mais uma vez levantando a discussão sobre encontrar um lugar ao qual pertencem, no caso de Finn, tentando se reencontrar como novo professor do coral, no caso de Unique, decidindo que banheiro frequentar.


A callback list (que Finn não sabe como é chamada, no caso de pessoas que serão called back para o espetáculo) também faz sua aparição, deixando o terreno preparado pra semana que vem. Percebam a felicidade de Tina, que até pouco tempo atrás se recusava terminantemente a participar.


Nos vemos semana que vem em Glease (se vocês forem bonzinhos e me convencerem a continuar a fotossíntese nos comentários) para relembrar com estilo os tempos da brilhantina!

Talvez Você Curta

29 comentários

  1. Mais fotossínteses por favor!!! É sempre muito engraçado, leio até as de séries que eu não assisto!

    Ao contrário de você gostei muito da Kitty cantando, me lembrou a Quinn realmente com o grave trêmulo e tal, mas a voz dela é mais ampla e tem maior alcance. Perdi a conta das vezes que vi gente reclamando pela voz da Dianna ser tão fraquinha. E achei a apresentação digna de todo o estardalhaço que foi feito. A coreografia foi muito superior a quase todas as coreografias do Nude Erections (foi digna de Brittany e Mike). E eu ainda acho o Jake muito chato.

    Chupe-me um último beijo só teve energia pela parte da Marley pq a Unique só andou e fez as caras de sempre.

    PS.: Podiam matar o Blaine.

    ResponderExcluir
  2. Priscila Farias Carvalhosábado, 10 novembro, 2012

    Leo, alegrando meu sábado. Palmas lentas /\o. As únicas músicas aproveitáveis, ao meus ouvidos, neste episódio foram: Hopelessly Devoted To You (gargalho com o sofrimento do Blaine), Juke Box Hero (as caras e bocas de Blake Jenner não tem preço!) e Born To Hand Jive. Apresentações e coreografias foram ok até a apoteótica Born To Hand Jive. Acho que Ryder Lynn é o tempero que faltava para a Marley Rose sair do ostracismo. Já shippo esse casal (como fica o ship dos dois?). Em Blow Me (One Last Kiss) e Everybody Talks, o casal Anders notadamente estava sem saco e resolveu acabar com os arranjos e harmonias (muuuuuito autotune) das músicas.

    - A atriz que faz a mãe da Tara é tão rodada (deu até as caras em The Newsroomzzzz) que só lembram dela por True Blood, né? Será que vai aparecer mais em Glee? #medodeplotssobrenaturaisemGlee

    - Nossa, como não vi Puck beijando carinhosamente a mão de Sam em Summer Nights? COMO?

    - Sobre a Escola Darren Criss de Expressão Corporal: quem mais vai se habilitar nessa temporada?

    - Blake "mais que delícia" Jenner fazendo uma estreia orgástica em Glee! Sim, Leo, queremos mais fotossínteses dessa temporada, please!

    ResponderExcluir
  3. Excelente e execelente Léo!!
    Me bateu uma nostalgia dos tempos do The Glee Project ...
    E acho que não vou ser o único a querer fotossíntes de Gleeeeeaaaseeee!

    "Volta volta volta!"

    ResponderExcluir
  4. Para o Universo pqe se tem fotossintese é imprescindivel a leitura!
    Só imagino a cara do Michael ao assistir o nascimento de um novo bromance entre Finn e Ryder aka Blake.
    Eu não lembro se li em algum lugar e nem mesmo se falaram no episódio, que o Ryder teria dislexia. O que é legal falar num seriado onde o foco é a vida escolar, além de dar um bom segmento pro personagem.
    Em quesito energia, Blow me foi linda, mas quem edita a voz da Marley tá fazendo isso errado, pqe a cada música ela fica com uma voz diferente. Mas em coreografia, Everybody talks foi divertido, foi movimentado, foi bonito... E a voz da Kitty, mesmo sendo guasguito, foi a original então ganha uns pontinhos por isso rs...
    Mercedes e Mike (principalmente Mike) passaram 3 temporadas em Glee e nem fazendo um "retorno glorioso" conseguiram significância.
    Quero muito uma sessão terapêutica com a Beiste hahhaha. Definiria a Beiste como fada madrinha. A piada que ela fez sobre o Finn me fez rir mesmo que beirando o humor negro. Destaque pro Finn persuadindo o Ryder a entrar no glee club com o papinho de que aumentou a média participando do coral... Se fosse por isso, Britt teria A pqe ela dança muito bem rs.
    Figgins consegue ser mais lerdo que Finn. Aliás, queria que voltassem com a vontade da Roz Washington de se aliar à Sue pra derrubar ele. Seria uma disputa interessante. Mas parece que vai ser mais uma coisa abafada em Glee.
    Se nada faz sentido em Glee, pqe a Rizzo teria que ser cópia fiel da Stockard Channing?! Tina vai ser a Jan (e parece estar satisfeita)!!!!! Então, pqe Rizzo não ser interpretada por Unique!!! Acho justissimo!!!
    Acho que a nova parceria de Marley e Unique vai ser explosiva! Unique tem o espirito da Kitty só que o oposto e ter duas pessoas com a mesma personalidade só que ao oposto vai ser divertido.
    Ryder e Marley é fofo, mas não sei pqe, queria ela com o Puck só pra variar um pouco e o "antagonista" ser o "mocinho".
    Quero rir com a Sugar como Frenchy. Ah... achei legal a causa da música, mas o Blaine que foi o safado da relação o que faz algumas partes da música serem mera hipocrisia.

    ResponderExcluir
  5. NÃO ACREDITO! GOD BLESS BLAKEZITO QUE É O RESPONSÁVEL ABSOLUTO PELO RETORNO DAS FOTOSSÍNTESES DO LEÓZIO!

    ResponderExcluir
  6. Adorei a fotossíntese, ri litros com as traduções alá google translate. Gente não que que a música de Rosa foi uma das melhores de toda a série, gostei muito.

    Muito amor por Ryder e Marley, podiam investivir nesse casal hein....
    Continua sim Leozio

    ResponderExcluir
  7. O que foi titia atendendo a minha solicitação no twitter sobre qual banheiro unique usa? Como não amar essa serie? Melhor que essa dlç que é glee só as suas fotossinteses, pra fechar com chave de ouro meu dia!
    Admito shippo Marley e Ryder . final

    ps:I've got the moves like Jenner @palmaslentas
    ps²:#vergonha das cara de sofrido de blane. #prontofalei

    ResponderExcluir
  8. Tia Ryan tá antenada nas vontades dos fãs e não ia deixar a história do banheiro passar em branco, só amor por essa careca!
    Tenho vergonha das caretas do Darren Criss desde que ele cantou 'Somewhere Only We Know' pro Kurt até se esgoelar, agora tô tentando encarar os dramas dele como comédia pra ver se rola!

    ResponderExcluir
  9. Cah, algo me diz que o plano de tia Ryan era só dá uma mexida em Jacó colocando Ryder pra querer Marleyzinha, mas o público já tá pendendo tão mais pro lado do casal novo que o pequeno Puckerman vai dançar!

    ResponderExcluir
  10. Tinha que manter a essência de TGP em Glee, né? (mas se fosse Ali que tivesse vencido, eu super não ia fazer fotossíntese da estreia dela)

    ResponderExcluir
  11. Opa, desse jeito fico tentado a continuar!

    ResponderExcluir
  12. É, não sei o que me incomodou na voz da véia exatamente... Acho a Dianna mais limitadinha sim, mas pelo menos a voz é gostosa de ouvir. A da Kitty é meio fanha, não sei definir o problema.

    Assim como diretor Figgins, eu acho Unique uma mulher muito voluptuosa e sensual, então me divirto com todas as performances dela :D

    Valeu pelo comentário! #killblaine

    ResponderExcluir
  13. Tô pensando se chamo o casal Ryder-Marley de Ryley ou Mader (como Malu), mas acho que o primeiro vai ganhar. Sério que você não gostou de Blow Me (One Last Kiss)? Eu achei muito, muito boa mesmo! Everybody Talks ficaria melhor só com o Jake.

    Imagina só plot do Glee club tendo que exorcizar a mãe de Tara e ela fazendo roda de samba com o pastor local na escola. Sucesso total!

    A Escola Darren Criss de Expressão Corporal está se popularizando bastante e aposto que, até o fim da temporada, Finn estará dançando todo soltinho como Dadá.

    O beijo de Suck (shipper maroto de Sam e Puck, que só dão motivo pra isso na vida real com Chord e Mark dando muita bandeira em trailer por aí) é um dos momentos mais singelos da 3ª temporada, amor de verdade se manifestando nas telas.

    ResponderExcluir
  14. Ele tem dislexia sim, Leo, esqueci de desmascarar esse plot repetido (pq Sam, quando entrou na série, também tinha, mas depois esqueceram). De qualquer forma, acho válido explorarem, só que é preciso falar do conflito dos meio-cubanos brancos também. Blake tá bem servido de plots.

    Acho que a intenção de Blow Me era justamente mostrar outro lado da Marley, menos doce e coitadinha, e aí a própria Melissa teve que fazer um trabalho vocal diferente do que costuma fazer, então não critico.

    Tiveram que deixar o plot da Roz de lado porque a Nene foi fazer The New Normal, mas pelo ódio na voz da Sue quando criticou as escolhas do Figgins, devem mexer nisso mais cedo ou mais tarde. O que é uma pena, acho Figgins um diretor excelente, super profissional e cujas tetas produzem leite delicioso, dizem por aí.

    ResponderExcluir
  15. \o/ FOTOSSÍNTESE \o/

    Blakezinho entrou pela porta da frente em Glee... Personagem simpático, fofo e já esbanjando química com Marley (e porque não dizer, com o Finn)...

    Tirando o musical dele, gostei de Born to Hand Jive e Blow Me, o resto achei só ok, mas curti a apresentação de Jake (possuído pelo ritmo ragatanga) e da Cheerio de Meia Idade.

    Com esse self hug (http://2.bp.blogspot.com/-jYvILyOz9cg/UJ2rHmKi5zI/AAAAAAAAGOo/lfMypXvahcA/s1600/Glee405.mp4_snapshot_24.01_%5B2012.11.09_23.14.41%5D.jpg) achei que Jake na verdade estivesse revelando seu lado Zach de ser...

    Ótima fotossíntese, Leo. Tomara que Mr. Jenner forneça material para muitas outras!

    ResponderExcluir
  16. Cadeirofobia!

    ResponderExcluir
  17. FOTOSSÍNTESE que lindo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! <3 Muito melhor que assistir ao episódio com certeza. Apenas esperando Unique cantar Born this Way a qualquer momento nessa série.

    ResponderExcluir
  18. LEOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO fotossíntese é mara! *-*

    Tava começando a shippar Jakezinho e Marley Labrador mas dai, ele liberou a passivona em 'Everybody Talks', então eu acho que a menina merece a malemolência de Ryder né?!


    AHHH RyanMurphyTeam pode até se esforçar, mas um episódio de Glee só é bom mesmo quando tem fotossíntese!
    (me fez até esquecer que a Rachel não apareceu)

    ResponderExcluir
  19. Adoooorei a volta das fotossínteses ^^
    Gostei mtoo desse episódio de glee .. por mim ,Blake já valeu na primeira cena dele que, de tds os outros ganhadores de TGP, me ganhou só naquela dancinha no meio do campo ... Uuuui !!
    Antes eu achava o jake tãoo sem sal, mas minha opinião sobre ele mudou depois de ver todo o seu molejo e rebolado saudável (palavras suas, Leo) !!!
    Adorei ver a Marley toda no estilo Punk e Unique ... prefico alex de unique, prq não aguento ver aquela cara de falso-sofrido do Alex ,AFF !!!

    Bjoos e pleeease, continue com as fotossínteses !

    ResponderExcluir
  20. Agradeço a Gaia, a Urano e a Hélio por terem me permitido acompanhar os textos periódicos de TheGleeProject2, pois adquiri clorofila suficiente para o completo regojizo desta fotossíntese.
    Óh, Grande Leo das Olivas, titã da autotrofia, presentei-nos sempre com mais e mais fotossínteses!!!

    ResponderExcluir
  21. Continuo defendendo a tese de que Artie não concordou com a Sandy morena para não copiar plot já feito ( http://www.youtube.com/watch?v=gwTpGqbV5qE )

    ResponderExcluir
  22. Apenas morto com a qualidade inenarrável dessa produção escolar!

    ResponderExcluir
  23. :O com um pedido tão cheio de energia, ligado ao cosmos e às forças da natureza, não tem como negar!

    ResponderExcluir
  24. Peralá, não achei o molejo e rebolado de Jake saudável não, acho que Michaelzinho faria bem melhor :P mas eu já gostava do Jake desde a serenata nas escadarias com Marley, então não critico agora só porque ele entrou na escola Darren Criss de expressão corporal.
    Eu tb prefiro o Alex de Unique, mesmo não tendo essa implicância que a maioria das pessoas tem com ele, mas é que "normal" ele é bem sem gracinha, Unique é aquela delícia de mulher voluptuosa já descrita pelo diretor Figgins!

    ResponderExcluir
  25. É isso aí, depois que Jake virou Jassiva, Marley tem que ficar com o Ryder que é muito macho-cho e não tá nem um pouco dando mole pro Finn! (ah, coisas que só Glee faz por você)
    Titia mal sabe o esforço que faço pela série dele, né? Se soubesse, me daria uma viagem pra conhecer o elenco em LA!

    ResponderExcluir
  26. Acho que vão é repetir o tributo a Rocky Horror pra Unique cantar essa delícia aqui: http://www.youtube.com/watch?v=pDKyj35ew0E

    ResponderExcluir
  27. Caramba, não tinha percebido que Jassiva homenageou Zach no self hug, muito puxa-saco! Mal sabe ele que só Blake e Chord recebem muitos elogios de Zachzinho no Twitter, muahahaha.

    ResponderExcluir
  28. Só me sobram três palavras:
    Grease, IBV , Épico

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe