Person of Interest 2x06: The High Road

sábado, novembro 17, 2012



A vida normal.


Através das duas narrativas exibidas ao longo de High Road, Person Of Interest consegue mostrar como a idéia de uma vida normal pode ser encarada de diferentes maneiras. Da aparente apatia da vida suburbana a fascinação por alguém que é normal, sem nada para esconder e, por isso mesmo, tão diferente do resto, essas são as formas que o ‘normal’ é mostrado nesse episódio.

Na primeira perspectiva, onde vemos normal os roteiristas da série parecem enxergar o tédio. A forma como eles pintam a rotina do protagonista é propositalmente desinteressante. Vista pelos olhos de Reese e Finch, a existência de Graham Wyler é chatíssima. Isso rende algumas falas engraçadas enquanto Reese e Zoe — que sempre funcionam muito bem juntos, diga-se — tentam suportar o martírio de viver naquela vizinhança.

Há também no episódio uma nova manifestação da preocupação que ambos, Reese e Finch, partilham por aqueles que realmente desejam deixar um passado ruim para trás. É ótimo que procurem colocar elementos recorrentes no episódio que construam a personalidade dos protagonistas, mas fazer isso de forma tão expositiva, como Finch dizendo em certo ponto algo como esse homem tem uma chance de uma vida normal, temos que salvá-lo, são um desserviço ao desenvolvimento da série.

Diferente da trama principal da semana, nos flashbacks de Finch, a normalidade é apresentada como algo tão incomum que a Máquina chega a detectar como um elemento estranho. O fato de Harold se interessar por Grace graças a maquina é eficiente como construção de personagem já que alguém tão desconfiado das outras pessoas como ele só poderia se apaixonar por uma pessoa que ele conhecesse nos mínimos detalhes e soubesse que não havia nada de errado com ela.

Esse subtexto sobre a normalidade conseguiu compensar, e até certo ponto ocultar, o fato desse ter sido um episódio bastante burocrático nas sua trama principal, sendo, de certa forma, bom e ruim ao mesmo tempo, assim como a idéia de normalidade nele apresentada.

Talvez Você Curta

0 comentários

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe