Person Of Interest 2x16/17: Relevance/Proteus

segunda-feira, março 11, 2013




2x16: Relevance

Por toda a existência de Person Of Interest acompanhamos o produto de um propósito secreto da Máquina. Finch e Reese são os elementos que sequer deveriam existir, agindo baseado numa informação que jamais poderia ser divulgada. Em Relevance, a série mostrou o outro lado pela primeira vez, o real objetivo da criação do recluso bilionário e como isso constrói uma figura muito maior combinado com o que já sabemos dessa história.

A decisão de mostrar os protagonistas da série como coadjuvantes funciona, permitindo a possibilidade de desenvolver a trama de Shaw e todos os desdobramentos dessa com mais tempo, sem atropelo.  Entretanto, é difícil introduzir personagens novos e conseguir com que o espectador se importe com eles rapidamente. Assim, Cole, o parceiro de Shaw, é descartado sem necessidade numa tentativa dar mais profundidade a ela, motivando-a a buscar vingança. Desnecessário, já que tentativa de assassinato por si já seria razão o bastante.

Apesar desses pequenos erros — Cole foi a primeira vitima que Reese e Finch falharam em salvar e isso é praticamente ignorado — a introdução dessa nova personagem demonstra que os criadores de Person Of Interest não temem tornar a trama da série cada vez mais complexa mas sem jamais se tornar impossível de acompanhar.

O número de pessoas que sabem da existência da Máquina é uma quantidade sempre crescente. Em algum momento se tornará inevitável que os roteiristas abordem muito mais a trama continua da história em detrimento dos episódios isolados. Com tantos elementos e tantos episódios soltos como vemos agora, a série corre o risco de se tornar arrastada já que eventualmente o interesse pelos episódios isolados ira desaparecer dando lugar a uma decepção por não estar acompanhando tramas tão mais interessantes.

2x17: Proteus

Apenas dois episódios após uma fracassada tentativa de criar uma trama em um ambiente confinado (Booked Solid), Person Of Interest volta a mesma idéia mas com uma realização muito superior a anterior.

Não fora nada de inovador, mas a construção de Proteus como um pequeno filme de suspense funciona desde a utilização da tempestade como o fator de isolamento, passando pelo desenvolvimento e os pequenos segredos de cada um dos suspeitos até cenas como aquela em que vemos o agente do FBI escondido na escuridão ser rapidamente revelado pela luz dos raios. Todos são elementos facilmente observáveis no gênero que o episódio utiliza como base, e são aqui aplicados corretamente (até mesmo coisas não tão boas, como os timings perfeitos dos personagens)

O relacionamento de Carter e Beecher me parece até agora algo sem propósito. Quando foi introduzido, ele ressonava com a idéia do desajuste dos protagonistas da série, que parecem completamente incapazes de ter uma vida pessoal por causa dos seus trabalhos. Agora, com Beecher surgindo como a razão para que o relacionamento deles não funcione, o foco muda. A incapacidade de Carter não é mais o empecilho, deixando a trama isolada do todo.

Várias situações relacionadas a máquina também incomodam nesse episódio pois deixam o funcionamento dessa obscuro ou sem sentido. Finch diz logo no começo do episódio que já fazem dias que a Máquina não os informa de nenhum número. Ora, não é sempre assim? Eles passam dias resolvendo um único caso sem que nenhum novo número seja emitido e, de repente, isso é algo estranho.

Outro problema são os números de várias pessoas espalhadas pelo pais gerados pela Máquina nesse episódio, que me lembram do enorme absurdo que reside no fato de que a única cidade no mundo onde há pessoas planejando matar outras seja New York. O mundo inteiro é monitorado pela criação de Finch mas apenas números convenientemente perto dele e Reese são informados pela Máquina.

O ultimo ponto falho é, ao fim do episódio, quando Finch diz que a Máquina esta com defeito pois não identificou o risco que o verdadeiro agente Fahey corria. Por que deveria tê-lo feito? Ela foi programada para identificar apenas crimes planejados e o assassino do agente disse que o crime foi um improviso.

Essas declarações confusas sobre uma parte essencial da série estragam um episódio que poderia ter sido excelente.

Talvez Você Curta

0 comentários

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe