The Following 1x05/06: The Siege/The Fall

terça-feira, março 05, 2013


Um episódio tenso e outro bem canalha.

Em The Siege as minhas preces foram atendidas e finalmente as tramas paralelas colidiram, e de quebra Claire Matthews conseguiu algo para fazer além de esperar ao lado do telefone. Para tanto, foram inclusos dois (três, se contarmos o apenas citado Rodrick) novos seguidores de Carroll na história, ambos desconhecidos até mesmo para os seguidores que foram apresentados até então.

Isso foi importante para catalisar os acontecimentos desses dois episódios e também para testar a eficiência de Emma, Jacob e Paul em situações de urgência. E eles foram bem... Até o episódio seis. A fuga de Joey e suas consequências tirou o trio da rotina de lidar com quem ama quem, quem está no controle, quem é gay e quem não é, para colocá-los frente a frente com Hardy e o FBI. O resultado foi a involuntária (ou será que não?) comédia de erros em The Fall, com direito ao herói da série ironizando todo o drama vivido pelo triângulo, mostrando como eles são tão incompetentes quanto seus amigos Jordy, Rick e Maggie.

O humor presente neste último episódio destoa de tudo o que The Following apresentou até hoje. Particularmente, me divertiu muito o senso de humor como forma de autocrítica, mas toda aquela gracinha acabou tirando a tensão da cena onde Ryan e Megan são ameaçados pelo trio. É diferente, por exemplo, do humor utilizado quando Joe se mostra decepcionado com Claire por esta ter ido a um show da Celine Dion, que é bem mais contido e não desconstrói nada que a série já fez.

Esses acontecimentos mais dinâmicos deixaram a presença de Joe em segundo plano, mas isso não diminuiu a sua importância para os acontecimentos futuros da série. Carroll continua agindo atrás das cortinas, forçando Olivia Warren – sua advogada da época em que foi preso, multilada a mando de Joe por contrariá-lo – ser sua garota de recados para Claire e porta-voz para a imprensa. Mas em The Fall é revelado o, aparente, principal motivo de Carroll recrutá-la: processar o Estado por violar seus direitos garantidos pela oitava emenda.

São discutíveis os benefícios que uma batalha judicial traria à série. Se realista e lenta, será um engodo; se ágil e eficaz, será inverossímil (assim como outros elementos da série, diga-se de passagem). Como tudo em The Following, devemos esperar até a conclusão do “grande plano” para uma avaliação plena.

No fim das contas, muito ocorreu nos últimos episódios, mas pouco mudou. Joey ligou para a mãe e fugiu da casa, mas continua sequestrado. Claire foi sequestrada por outro acólito, mas foi liberta pelo FBI. O status do threesome mudou, agora que Emma conseguiu escapar do FBI com ajuda dos followers infiltrados na polícia local (era uma questão de tempo até lidarmos com “infiltrados”), abandonou Jacob e Paul e seguiu em frente com a sua parte do plano. Será que voltaremos para as tramas paralelas com os núcleos da polícia, os envolvidos no sequestro de Joey, com a adição de Carroll e a advogada e Paul e Jacob foragidos? Outra mudança é que já não enxergamos Emma como o braço direito de Joe agora que sabemos de Rodrick.

E correndo por fora de toda a ação dos episódios e os planos de Carroll, tivemos os flashbacks da agente Debra. Neles descobrimos que a sua família faz parte de um culto/seita religiosa e mais importante: que sua mãe é Joyce Summers (uma abraço para você, fã de Buffy). Isso explica a orientação vocacional da moça, mas era mesmo necessário para a história que o público veja isso? A família dela será importante para a história ou foi só uma desculpa para usar o recurso do flashback, mesmo quando a trama não pedia, apenas para passar o tempo?

Por quanto tempo eu vou me dedicar a algo que é só um pouco mais bem realizado do que Alcatraz?

Talvez Você Curta

0 comentários

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe