Vikings 1x03: Dispossessed

segunda-feira, março 18, 2013




"Porquê seu deus precisa de prata e ouro?"


No último episódio exibido do seriado, presenciamos Ragnar e sua tripulação aportar onde agora sabemos que é o Reino de Northumbria, um dos quatro que compõe a Britânia (aqui chamada de Inglaterra), onde saquearam um convento e assassinaram a maioria de seus monges, com isso, essa semana, vemos as consequências geradas pela pilhagem. 

Dispossessed tem seu início com Svein ameaçando Lagertha e seus filhos, no intuito de descobrir o paradeiro de seu marido, e tomando um garoto, amigo da família Lothbrock, a mando de Earl Haroldson, atitude que reforça a preocupação do chefe da tribo em relação ao protagonista, como punição a desobediência do personagem. Haroldson, após dar-nos a entender que perdeu um filho, mostra que não se importa de abusar da crueldade para demonstrar as consequências de afrontas ao seu poder, independente de quem cometa tal desrespeito.

Ragnar retorna a sua terra natal repleto de tesouros e é recebido com muita estima por seus conterrâneos, mas como Rollo previa na jornada de volta, sua conduta não sairia impune. Sem poder comemorar o sucesso de sua missão os guerreiros são ordenados a comparecer ao Great Hall para serem inquiridos sobre suas ações. Tendo que abdicar de seus espólios após explanar a facilidade da missão, por ordem do Earl, demostrando mais uma vez sua superioridade em relação aos demais. Obrigado, cada um dos tripulantes a escolher um item como recompensa, com direitos a até piadinhas caçoando o líder, Lothbrock resolve tomar posse de Athelstan, o que eu entendi que foi feito como parte de seu plano, para assim, obter mais informações sobre as desejadas terras anglo-saxônicas. Seu irmão mais uma vez toma uma decisão impensada e rouba uma parte do pecúlio.

O relacionamento de Lothbrock com o monge não se limita ao de mestre e escravo,mas sim, evolui para uma co-existência respeitosa baseada na troca de informações sobre suas respectivas culturas. No diálogo entre os dois, sobre religião, aprendemos que a noção  de um sobre a cultura do outro é praticamente nula. O efeito que o teste a castidade do monge gera é excepcionalmente representado. A cena em que Athelstan corta seus cabelos é, apesar de tensa, belíssima e muito bem interpretada.

Com novas informações sobre as terras almejadas, vemos toda a genialidade de Ragnar, que consegue, mostrando toda sua sagacidade, ludibriar seu líder a deixá-lo continuar com suas viagens, prometendo-o mais e mais riquezas. Com o intuito de descobrir como o nórdico conseguiu navegar por caminhos nunca antes trilhados com sucesso, infiltra o delator Knut na tripulação. Esse novo membro, por incrível que pareça me fez por alguns instantes gostar de Rollo, que o confronta para descobrir onde reside sua lealdade.

Com Lagertha agora no grupo, a horda aporta nas terras do Rei Aelle, monarca de Lothumbria, e são abordados pelo Xerife (já existia essa denominação na época?) e seus soldados. Conseguindo manter um diálogo com os nativos, após aprender a lingua com Athelstan, sua inteligência é demostrada, provando que a escolha do monge como espólio fazia parte de um plano maior. Repleto de tensão, o encontro dos povos, que tinha tudo para terminar de forma pacífica, se não fosse por Floki, resulta em uma batalha, melhor dizendo, um massacre executado pelos nórdicos.

Parecia que apenas alguns minutos haviam se passado, mas infelizmente os créditos começaram a aparecer. A muito tempo que não assisto um seriado que me deixasse tão feliz. Mal posso esperar pelo próximo episódio, cada vez me sinto mais atraído pela história que nos é contada. Após apresentar um piloto excelente, Vikings consegue o improvável, aumentar a qualidade dos episódios semana após semana.  

P.s. 1:
Lagertha impondo respeito em Svein e intimando Athelstan, como não amar?
P.s. 2:
Senti muito nervoso ao ver  Athelstan se ferir enquanto cortava o cabelo.
P.s. 3:
Saldo de Rollo: Duas burradas e um acerto, pelo menos dessa vez ele fez alguma coisa boa.
P.s. 4:
Queria muito mais aparições de Floki durante o episódio. Senti muita falta do personagem.
P.s. 5:
Sério que o episódio durou 44 minutos? A sensação foi de que não passaram nem 15.

Talvez Você Curta

4 comentários

  1. Gostei muito do episódio e da review.
    confesso que fiquei arrepiada quando o padre cortou o cabelo... afff....
    estou doida para ver o próximo.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Cíntia.
    a cena do corte de cabelo foi realmente tensa..
    também não vejo a hora de assistir próximo e escrever sobre.
    abs

    ResponderExcluir
  3. continuando com o assunto do cabelo do monge, eu ri igual ao Bjorn, ao vê-la. não me impressiono com essas coisas, mas é claro q compreendi o significado da cena, e quanto ele queria manter as tradições de sua religião e tal.
    Estou adorando ver esta produção também, e concordo com você, ponto pro Rollo.
    Acho começo a entender melhor a função dele na trama, mas ainda não compreendo suas atitudes e personalidade.

    ResponderExcluir
  4. tb estou começando a entender a função do Rollo, mas pra mim ele faz muito do que faz para não ficar as sombras do irmão...o menino carece de atenção só pra ele... rs

    ResponderExcluir

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe