The Mentalist 5x19/20: Red Letter Day/Red Velvet Cupcakes

domingo, abril 28, 2013



Do velho oeste à terra do romance.


A questão Red John pode ter andado em passos sutis nos últimos dois episódios de The Mentalist, mas certos relacionamentos tiveram evolução bem rápida -  e já estava mais do que na hora.

Antes, porém, falemos sobre Red Letter Day e a tática de Jane logo no início do episódio. Parecendo mais atento do que nunca (e muito sagaz), Patrick fez uma pausa na investigação própria sobre RJ para ajudar na análise do caso da semana. No entanto, já prevendo que tinha ~gente~ interessada no progresso do caso Red John, deixou uma armadilha na porta do aposento que ocupa no prédio da CBI. Se alguém adentrasse o local, mesmo sem deixar outras pistas, ele saberia. Fácil saber o que aconteceu a partir daí, né?

Enquanto essa parte da história ficava pendente, descobrimos que a vítima da vez, Hollis Percy (Stephen Macht), havia sido assassinado brutalmente dentro de casa e era nada menos que um ricaço dono de vários empreendimentos na região em que vivia. A cidade nos moldes do velho oeste e voltada para o turismo estava em época de festival e muita gente poderia ser suspeita. Os que mais pareciam ter culpa no cartório eram o xerife Cook (Antonio Jaramillo), o “amigo” de Percy, Francisco Navarro (Harry Groener), a aparentemente boazinha demais Lily Soto (Tamara Mello) e o filho da vítima, Ian Percy (Eyal Podell). O xerife, responsável por forjar a existência de laboratórios de drogas no condado parecia o mais suspeito de todos, e geralmente o mais suspeito não é o culpado, então...

Enquanto a investigação transcorria, a graça estava nas típicas excentricidades do mentalista, que causou barraco na taverna ao provocar Navarro; causou impressão em Lily e atormentou até não poder mais o mágico (Kevin Cahoon) local, quase fazendo o cara perder o emprego.

Nesse ínterim, a equipe de Kirkland invadiu o “cafofo do mentalista” e fotografou as anotações diversas de Patrick sobre Red John. Cada vez mais tudo aponta para a culpabilidade de Kirkland, o que faz parecer menos possível que ele seja o serial killer. Mas, a possibilidade de que ele seja muito próximo ao assassino é grande. Se Behind the Red Curtain fez parecer que a resposta era óbvia, o 5x19 veio mostrar que não era bem assim. Desenvolvendo devagar o papel de Kirkland no caso RJ, a série está deixando um gosto interessante de suspense no ar.

Outro ponto maravilhoso desse episódio foi a pegação no pé de Rigsby sobre as flores que deu para Van Pelt. Como Cho não poderia ter definido melhor: “você está apaixonado por ela e em vez de abrir o jogo, compra flores”. Que vergonha, Wayne! O climão entre Van Pelt e Rigsby ficou maior no final do episódio, quando a moça revelou (sem querer querendo) que havia arrumado um “peguete” na viagem para o treinamento. Duncan (Brian Ames) parecia um empecilho até Grace chama-lo de Wayne na cara do verdadeiro Wayne. Era só o começo...

Já o final de Red Letter Day foi polêmica pura. O assassino era o filho, Ian, que namorava Lily e descobriu que estava pegando a própria irmã. Sim, pois Lily Soto era filha ilegítima de Hollis. A discussão entre pai e filho escapou ao controle e deu no que deu. Foi um desfecho interessante.
Mas, claro, interessante mesmo foi ver a cara de Patrick quando descobriu que seu cômodo havia sido invadido. Será que ele desconfia de Bob Kirkland? Pergunta óbvia, né?

E falando em óbvio, Red Velvet Cupcakes veio doce como o título, iniciando com mais climão entre o casal Rigspelt. Profissionalismo pra quê, né? Grace e Wayne tiveram DRs e mais DRs durante a investigação da vez. E dava para desconfiar o que sairia disso.

Dava para desconfiar também que Jane não largaria o osso fácil depois de saber que sua investigação particular estava comprometida. Isso fez com que o mentalista desse sua contribuição inicial para o caso da semana por telefone e foi sem dúvidas um dos momentos mais engraçados. Destaque para a cena em que ele percebe, não pergunte como, que Rigsby estava surrupiando um dos velvet cupcakes da cena do crime.

A vantagem de operar via telefone durou menos do que o esperado. Teresa mais do que rápido foi recrutar Jane para ajudar na investigação da morte de Missy Roberts (Amy Motta) e, para o delírio das shippers Jisbon de plantão, só conseguiu fazê-lo sair da toca dizendo “preciso de você”. Own!
O marido da vítima foi o primeiro suspeito. Logo descobriu-se que o casal Roberts enfrentava problemas no relacionamento e haviam participado de um programa de rádio que aconselhava casais. Lisbon era fangirl do apresentador, Buddy Hennings (John O’ Hurley) e do programa e foi muito aloprada por Jane por isso. 

Logo, até o produtor do programa parecia suspeito. E dessa vez foi o eleito por Patrick para ser trollado (o bom humor do produtor era tão grande quanto o do mágico do episódio anterior). Para Jane, a rádio era o palco perfeito e ele explorou seus talentos como locutor, aprontando mil e uma em prol do caso. 

Com o desenvolvimento da investigação, Kip Rogers (Chris Marrs) foi descartado como potencial assassino, mas descoberto como traidor da vítima. O affair do viúvo masoquista fez Jane perceber o que nem os detetives estavam percebendo e, para identificar o assassino, que Patrick parecia achar ser Buddy, resolveu usar Rigsby e Van Pelt como infiltrados.

Era previsível que o casal iria se empolgar na terapia de casal teoricamente fake. Os dois lavaram a roupa suja ao vivo, deixando Lisbon roxa de vergonha de estar ouvindo sobre as intimidades dos subordinados. No fim das contas, fingindo que interpretavam, Grace e Wayne fizeram altas declarações de amor (Van Pelt surpreendeu mais que Rigsby, por tomar a iniciativa em abrir o jogo e confessar o que sentia. Como o apaixonado detetive disse, ele sempre sentiu a mesma coisa por ela. E a gente sabe, né?).

O resultado da jogada (um dos) foi descobrir que Buddy não era assassino, só pedófilo. Digo, PODOLATRA. Além disso, o velho locutor estava tendo um caso com a vítima, o que levou sua esposa, Elizabeth (Molly Hagan) a dar cabo de Missy. Mais um manjado crime passional.

O outro resultado da jogada foi a reconciliação de Rigsby e Van Pelt. Fogos de artifício no final do episódio, por favor! Como mencionei no início, já estava mais do que na hora. Que venha a continuação do romance no episódio desse domingo.

Nos dois episódios, o que mais evoluiu foi o relacionamento dos dois pombinhos. Mas, a season finale se aproxima e com certeza o caso Red John terá mais evidencia nas próximas semanas. Preparem os corações! 


Talvez Você Curta

0 comentários

Fala aí, seuslindos!

Disqus for Seriadores Anônimos

Subscribe