Mad Men 6x07/08 : Man with a Plan / The Crash

segunda-feira, maio 27, 2013


Drogas, mentiras e sapateado...

Em ”Man with a Plan” Mad Men mostrou como é óbvio o quanto Don Draper ama o início das coisas, e quão rapidamente o brilho do desembarque da Chevy e se tornar o novo super grupo do mundo da publicidade começou a se tornar um pouco mais maçante do que ele fez parecer naquele bar de hotel, em Detroit.

Parte disso decorre da incerteza do que essa fusão significa em termos da estrutura de poder da agência. Don e Ted Chaough eram (e ainda são) os rivais, propensos a agitar uns contra os outros como da vez que Ted fingindo ser Bobby Kennedy e ligou para dar congratulações em relação ao anúncio de página inteira denunciando o ato de fumar e Lucky strike.

Esse momento parece excêntrico, porém é sugestivo do que a série é neste ponto. Don fez uma manobra selvagem que se adequava seu melhor interesse e ego, é lidar com as ramificações de tal decisão, em parte, ouvindo aqueles que não consultou e sobre as brasas da presunção de que, só porque ele é Don Draper, todo mundo iria o seguir, de acordo com seu pensamento.

Apesar de ser amplamente presunçoso, pelo menos, Don sentiu como se estivesse no controle.

A presença de Ted, e o resto da CGC, na verdade, cria uma sensação de que enquanto a fusão pode ter resultado em uma empresa grande o suficiente para atrair um grande cliente como Chevy, mas não há muito espaço no topo.

Roger sabe que enquanto o espírito da fusão é a colaboração, ele não está interessado em lutar para ter sua voz ouvida sobre o barulho de contas lucrativos de Burt Peterson. Então Roger faz a única coisa sensata e demite Burt - de novo.

É uma vitória para Roger (John Slattery também dirigiu o episódio).

A verdade é que Don usa a todos e “brinca” com as pessoas como se elas fossem seus brinquedos e joga fora quando não os quer mais, o problema é quando o brinquedo não quer mais brincar...

Escrever para um personagem tão impenetrável como Don Draper deve ser uma faca de dois gumes. Embora a elegante atitude de Draper, distante presta-se a entrega de diálogo sentencioso e posando para silhuetas bacanas contra o horizonte de Manhattan, mas quando se trata de mostrar ao público o que está acontecendo dentro do mais inacessível galã da TV, a coisa fica difícil.



É o enredo que obriga Draper para tornar-se estranhamente volúvel e virar o rosto para a câmera pela primeira vez. “The Crash” usou uma dose anfetamina no local de trabalho, mas vislumbres do passado na mente de Draper já foram fornecidos por alucinações da gripe, óxido nitroso, e claro um bom porre.

Dick perdeu sua virgindade em uma experiência que combina abuso físico e emocional de sua madrasta com atenção maternal e erótica de sua sedutora prostituta. Para ele, sexo, violência, amor maternal e vergonha são todos confundidos em um ninho contorcido de um ciclo de problemas que vimos Draper passar através de todo seu passado nessas cinco temporadas e meia. Se você pense na história como uma origem de um super-herói decadente. 

Tudo para explicar o comportamento excêntrico com Sylvia: seduzi-la, rebaixando-a, em seguida, acabado com sua partida. Com o coração partido Don apenas quer ser amado.

Ganhar a conta Chevy acabou por ser uma vitória de Pirro para as empresas recém-incorporadas, o que pode ter ido para o campo juntas, mas ainda têm de se unir, ou até mesmo se dar um novo nome. A GM está seguindo os passos do Jaguar Herb jogando seu peso ao redor e fazendo exigências descabidas.

A solução de Don? O mesmo que a sua resposta a qualquer situação difícil: sair de lá e deixar alguém para pegar as peças.

Tão grande é a lacuna em nosso conhecimento da infância de Dick Whitman, estávamos ali ao lado de Sally, sem saber realmente a verdade, mas o instinto de provou que o intruso não era realmente quem ela disse ela era.

Já passamos da metade da sexta temporada de Mad Men agora, e seu mundo continua a escurecer. “The Crash” começou com uma colisão literal, remetendo a um momento de crise financeira nacional durante a infância de Dick, e terminou com mais um colapso de Don Draper. 

Foi em camadas, atmosférico, e mais impressionante de todos para um show tão longe ao longo de sua vida útil, surpreendente. Ficamos com um par de perguntas para ponderar entre agora e na próxima semana.

Talvez Você Curta

0 comentários

Fala aí, seuslindos!

Disqus for Seriadores Anônimos

Subscribe