Game of Thrones 3x08 / 09: Second Sons /The Rains of Castemere

terça-feira, junho 04, 2013


Game of Thrones tem o poder de nos fazer criança mais uma vez. Só para depois nos puxar de volta para a realidade, destruir todos os nossos sonhos e roubar toda a nossa inocência.


Épico. Extraordinário. Assustador. Surpreendente. Realista e fantástico ao mesmo tempo. Poderia ficar horas e mais horas procurando mais adjetivos para caracterizar o maravilhoso “The Rains of Castemere”, mas, infelizmente, não haveria leitor nenhum no mundo com saco o suficiente para ler uma review de trezentas páginas. A verdade é que Game of Thrones nos provou mais uma vez a sua capacidade de criar momentos épicos, que ficarão gravados para sempre na cabeça do telespectador e na história da televisão (mas não é TV, é HBO) e que pegarão todos (pelo menos aqueles que não lerão os livros ou que não fugiram para as montanhas com medo de levar um spoiler na cara) de surpresa. Antes de mais nada, como leitor de As Crônicas de Gelo e Fogo, tenho que dizer que o fator surpresa é responsável por pelo menos 50% do choque do Casamento Vermelho, assim, gostei muito da adaptação e tenho que parabenizar toda a equipe da série, porém o impacto deve ter sido muito maior naqueles que tiveram no episódio sua primeira experiência com o evento.

Numa linda tarde de sábado, resolvi ler um ou dois capítulos de A Tormenta de Espadas e acabei lendo um pouco mais do que o planejado na expectativa de chegar logo ao possível encontro de Arya e sua mãe. Fui pego completamente desprevenido por um plot twist que, além de matar dois importantes personagens do livro, ainda descarta (pelo menos por enquanto) uma das principais tramas de tudo, a guerra dos Stark contra os Lannisters. Apesar de ter ficado o resto do dia completamente atônito e sem conseguir pensar em mais nada, a experiência acabou apenas hoje quando vi o acontecimento com a fantástica produção da HBO. Meu coração já batia um pouco mais forte lá pelo meio do episódio quando a porta do salão se fechou e os músicos começaram a tocar “The Rains of Castamere” (música gravada brilhantemente pela banda The National) e entrei num verdadeiro êxtase.

Foi impossível não acompanhar Catelyn em todo o seu desespero e toda a sua dor. Diferente de muitos, eu sempre simpatizei com a personagem, mas acredito que todos sentiram o mesmo que eu, graças ao clima criado na série e pelo excelente trabalho da atriz Michelle Fairley. Depois de perder o marido enforcado, saber que as filhas estão desaparecidas diante de seus maiores inimigos, os filhos mais novos perdidos entre traidores, perder seu filho mais velho, só poderia levar Catelyn ao desespero total, capaz de fazê-la matar uma jovem inocente num sinal de que chegou até o fundo do poço. Nada me tira da cabeça de que Martin foi chifrado e roubado por uma mulher (ou homem, vai saber) de sobrenome Stark e resolveu se vingar desta família através de uma obra de 7 livros. A crueldade e o sadismo do autor chegam a níveis astronômicos ao mesmo tempo em que ele consegue ser um gênio da literatura fantástica, capaz de desconstruir completamente a noção de heroísmo. Ele nos faz torcer por Ned para enforcá-lo e depois faz a gente torcer por um exército que é completamente destroçado num casamento, quem tem tanta ousadia para escrever algo assim? Mesmo se tratando de uma série que sempre fogiu do maniqueísmo, é impossível não concordar que Walder Frey é o verdadeiro vilão desta bagaça e nós não sossegaremos até ver sua cabeça espetada em um espigão. Segundo as leis de Westereos, a quebra da promessa de hospitalidade é uma das coisas mais graves que uma pessoa pode fazer, mesmo que ela tenha sido fruto de uma primeira promessa não honrada. Assim, todos nós temos que torcer para que os Lannisters fiquem putos com estes traidores filhas de uma puta, se provem os verdadeiros heróis desta história e destruam todos os Frey vivos ou que os dragões de Danny façam churrasquinho de Frey. Infelizmente, nada disto é certo e talvez Walder Frey termine a série todo felizão com mais uma nova penca de filhos e filhas por aí, já que de Martin eu já aprendi a esperar o pior.

A lição que podemos tirar do Casamento Vermelho é que nem todas as guerras são ganhas no campo de batalha e que muitas vezes o maior perigo está entre aqueles em que confiamos. Rob Stark foi um verdadeiro lobo gigante na arte militar, porém tinha que ter comido muito arroz com feijão para chegar na esperteza e astúcia de Twin Lannister. Durante a temporada, vimos o personagem lutar com os próprios aliados, fazendo mais e mais inimigos e sem conseguir manter os números do seu lado. Como grande fã de Survivor que sou, sei muito bem que a confiança é a coisa mais perigosa no jogo dos tronos e que, quando um golpe vem de onde a gente não espera, este golpe é fatal. Rob pode não ter sido o melhor personagem da série (longe disto), mas conseguiu fazer jus ao personagem dos livros, que também não tem muito destaque ou muita força na trama, além de revelar Richard Madden, que deve se tornar com justiça um grande nome em sua profissão, já fez um bom papel na cancelada Sirens e vai ser um príncipe em mais uma adaptação Hollywoodiana de um conto de fadas.

Já ouvi muitos comentários a respeito da série ter conseguido ser ainda mais cruel do que os livros, já que colocou a esposa de Rob grávida e como vítima da tragédia, porém sou completamente contrário a esta visão. Para mim, o livro é muito mais cruel, já que a esposa de Rob é de uma família juramentada aos Lannisters e fica subentendido (ou evidente, não lembro muito bem) que tudo foi um plano desde o início para fazer o Rei do Norte perder o apoio de Lorde Frey. Tanto que Jeyne Westerling (nome da personagem no livro) fica o tempo todo pedindo para Rob manter seu lobo gigante longe e ainda nem vai até as Gêmeas, onde a tragédia aconteceu. Não sei ao certo qual foi o objetivo da série ao fazer esta adaptação, mas acredito que não tenha comprometido em nada. Talvez a ideia fosse não retratar Rob como um idiota completo que é facilmente enganado por todos e ainda deixar a coisa com proporções ainda maiores, uma vez que nem uma grávidas eles Frey perdoam. O que deixou tudo ainda mais triste foi ver Arya mais uma vez abandonada sem ter para onde ir e Vento Cinzento sendo covardemente abatido. Uma pena que a série não tenha proporcionado uma cena de Rob atacando os seus inimigos montado em seu lobo gigante. #RipVentoCinzento.

Diferente do que aconteceu nos últimos episódios (que também deveriam ser temas desta review), “The Rains of Castemere” conseguiu repetir o êxito dos episódios de número 4 e 5, mantendo a qualidade e a ação em todos os plots. O que mais me incomoda em Game of Thrones é o excesso de tramas e a falta de foco no que á mais legal, o que faz com que quase todo episódio seja um verdadeiro juntado de cenas sem nada que faça um sentido maior. Em “Second Sons” por exemplo, apesar do casamento de Sansa e Tyrion ter sido bem legal e ter sido capaz de manter muita tensão entre os melhores personagens da série, o episódio acaba perdendo um pouco da força quando pouca coisa acontece nas outras histórias, que interrompem a trama mais legal a todo tempo. Entretanto, como a série é especialista em fazer excelentes penúltimos episódios, desta vez, todas as tramas foram bem legais e quase todas traziam algum Stark em uma grande mudança. Mais do que merecida homenagem à família que mais se ferrou na história da televisão (se alguém souber de alguma que se ferrou mais, por favor, divida com a gente nos comentários ou chore sozinho).

Jon Snow finalmente mostrou onde está a sua lealdade e se viu obrigado a fugir dos selvagens quando descoberto. Apesar de ter sido bem legal ver o personagem tendo que escolher entre ficar com Ygritte ou fazer o que acredita ser certo, o mais legal de tudo foi a sua proximidade de Bran e Rickon. Sem dizer que o cara acabou sendo salvo por Verão (com Bran dentro) e Cão Felpudo. Ainda fico um pouco descontente com a atuação de Kit Harington, que dá vida a um Jon Snow muito assustado e que não mostra possuir muita força ou inteligência.

Além de explorar suas habilidades como warg, Bran se viu num momento muito importante, a separação do irmão mais novo. O momento foi muito bonito e até que as crianças mandaram bem na emoção. Se pensarmos racionalmente é realmente inteligente dividir os dois herdeiros do norte, já que se um deles for morto ainda resta o outro para herdar o legado do pai e do irmão. Entretando, é sempre ruim perceber que mais personagens estão sendo divididos e que teremos ainda mais núcleos (inúteis) para acompanhar a partir de agora.

O plot de Daenerys também foi bom e mostrou grande agilidade e ação, porém achei que foi neste ponto em que a série mostrou alguns defeitos. Com um elenco tão grande, é normal que a gente tenha uma irregularidade na qualidade dos atores envolvidos, mas Verme Cinzento e Daario estão sendo vividos por atores abaixo do limite. O pior é que a má atuação deles aliada a falta de soldados na batalha fez a coisa parecer um pouco baixo orçamento, sendo que, mesmo tendo suas limitações, a HBO quase sempre consegue passar uma impressão completamente oposta a esta. Já não consigo ligar muito para a história de Danny na série e a falta de personagens secundários interessantes podem prejudicar ainda mais a personagem. Num mundo perfeito, Daenerys já estaria em Westereos botando fogo nos Frey e tomando café da tarde com a Rainha dos Espinhos.

Semana que vem teremos o final de temporada, que obviamente vai ser mais calmo do que este episódio, mas que contará com o retorno do núcleo mais legal e divertido da série. Tenho que confessar que os personagens de Porto Real não fizeram nenhuma falta, resultado da alta qualidade de todo o episódio, que ainda conseguiu ser mais focado do que de costume, porém fico na expectativa de ver Tyrion, Jaime, Brienne, Twin, Olenna, Cersei e Margaery na semana que vem.

PS: Imaginem como seria um filho de George R. R. Martin com a Shonda Rhimes. Mãe, pai e toda a equipe do hospital morreria logo no parto da criança.


PS2: Toda esta história de Casamento Vermelho ainda nos reserva uma twist e espero que seja antecipado para a season finale. 

PS3: A cada episódio meu desejo por aquele tabuleiro com as peças tipo de xadrez com o formato das casas de Westereos aumenta mais. Inteligente será quem lançar um War versão Guerra dos Tronos. Eu compraria.

Talvez Você Curta

16 comentários

  1. Concordo com tudo que você disse e também estou na expectativa que L.S. seja o cliffhanger dessa temporada! Torço por Dany desde o começo mas estou começando a ficar mais apático aos acontecimentos do arco dela, espero que isso melhore na próxima temporada. Outra coisa que me incomoda muito é Samwell, não sei se o ator ou a química um tanto forçada - na minha opinião - entre ele e Goiva (Gilly) na série, que me fazem ter vontade de pular todas as cenas em que os dois aparecem.

    ResponderExcluir
  2. Diogo, eu não tinha entendido nos livros que a vagaba da Jeyne tinha sido também um

    plano dos Lannisters. Furo meu ou isso só fica subentendido?

    Eu já estava esperando essa separação do Bran e do Rickon e achei muito legal a forma como aconteceu.

    Com relação aos diversos núcleos e histórias, isso não me incomoda. Porque para mim é um elemento que aumenta minha tensão e ansiedade. Quando a gente quer ver mais de algum personagem, PUF corta pra outra história e a gente fica com gostinho de quero mais.



    E semana que vem, teremos outro casamento em Porto Real, será? ;O


    Shonda é aprendiz iniciante de G. Martin! Mas já shippo o casal! kkkk

    ResponderExcluir
  3. Amanda, acho que ficou subentendido. Ela era de uma família próxima aos Lannisters, ela insistia que o Rob prendesse o Vento Cinzento falando que tinha medo dele e por nenhuma razão não foi ao Casamento Vermelho. Acho que no quarto livro, num capítulo do Jaime, isto fica mais claro, mas faz tempo que eu li e não lembro td direitinho.


    Acho que o outro casamento ficará para a próxima temporada mesmo pq a Víbora Vermelha foi confirmada para a quarta temporada e ele estava presente no casamento.


    Obrigado por comentar. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Como eu já não gosto do Sam no livro, eu não conseguiria gostar mesmo que a química fosse boa, mas acho sim que os atores são bem fracos.


    Valeu por comentar. Abraço.

    ResponderExcluir
  5. pensei que o Ned tivesse sido decapitado e não enforcado...

    ResponderExcluir
  6. Eu já li os livros então sabia q o casamento vermelho ia acontecer e mesmo assim assistir a cena tb me chocou uma segunda vez, apesar de nenhum ser um dos meus personagens favoritos, eu tenho uma grande simpatia pelos starks, especialmente pela Arya, estou torcendo para que as tramas de Bran e Jon deem uma melhorada com esses ultimos acontecimentos, gosto muito da Dany mas esse arco dela não é muito empolgante e torço muito pra que não vá de chato para insuportavel na proxima temporada, estou torcendo por muito Tyrion nessa Season Finale.

    ResponderExcluir
  7. Vou reproduzir meu comentário aqui também mas estou no modo desabafo, so...



    Os honrados e trágicos Stark são e sempre serão meus preferidos. Espero
    que os que restaram possam se erguer das cinzas até o final da
    saga. Porque, francamente, o que acontece com eles é pior do que
    tragédia grega.

    Tá certo que no livro o Robb era um adolescente e isto explica suas
    escolhas equivocadas em uma situação de guerra, mas a forma como ele foi
    morto é o ápice da maldade e da traição covarde. E no livro ainda fazem
    algo pior com o corpo dele.

    Terrível o sadismo do autor, transformando justamente a família com
    a qual mais se pode identificar em termos de valores morais, honra,
    coragem, honestidade, lealdade, nobreza de caráter, em símbolo
    de derrota, desgraça total,fraqueza.

    Por que escolher os Stark para uma saga de tanto sofrimento, sem
    descanso,
    só a mente doentia do criativo autor pode responder. Ele realmente não
    perdoa e retrata a conquista do poder como algo a ser feito de forma
    bastante crua, sanguinolenta e abjeta. Aos porcos, as pérolas.

    E o pior é ter de esperar a próxima temporada no ano que vem para ver
    2 das mortes que mais aguardo e que me farão sentir um pouco vingada.

    R.I.P belo Rei do norte, valoroso lobo e trágica, trágica mãe.

    #onortenãoesquecerá.


    P.S: prefiro não imaginar um filho do martin com a shonda. Com esses pais sádicos e adeptos da mortandade generalizada, a cria seria o demo. rsrs

    ResponderExcluir
  8. Faço suas as minhas palavras. O foda é que um personagem que nem entrou na série ainda e eu adoro tmbm deve morrer, então ficarei mais puto ainda. Pq ninguém mata o Theon ou o Sam.

    ResponderExcluir
  9. Acho que a finale será bem focada em Porto Real. Vamos torcer.

    ResponderExcluir
  10. Sem dúvida o GRRM é um sádico super criativo, é muito bom ler e ver algo imprevisível e de certa forma realistico pois ele disse que se baseou em eventos historicos para escrever o casamento vermelho, mesmo assim é super triste.


    Super concordo com vc GRRM + SHONDA = DEMO rs

    ResponderExcluir
  11. Fica bem claro a participação da família inteira da Jeyne, principalmente de sua mãe, que afirma em um capítulo de Jaime, ter evitado a gravidez da filha com chás e ter se comunicado com o Tywin através de cartas, ela até pede recompensas maiores, muito abusada.

    ResponderExcluir
  12. Isto mesma, véia filha da p...

    ResponderExcluir
  13. Bom o próximo episodio se chama Mysha por causa do plot de Danny em Yunkai, e provavelmente o resto fica na com Bran e Porto Real.

    ResponderExcluir
  14. Jeyne não foi ao casamento pq seria um insulto aos Frey. Li há muito tempo, mas pelo q lembro ela seduzir Robb foi plano da mãe (q sempre esteve do lado de Twyn), mas ela foi se afeiçoando a ele e parecia nao saber do plano do casamento vermelho..

    ResponderExcluir

Fala aí, seuslindos!

Disqus for Seriadores Anônimos

Subscribe