Glee 5x01: Love, Love, Love

sábado, setembro 28, 2013


"Esse ano letivo parece não acabar nunca", WILDE, Véia.

Para aproveitar a vibe Beatles, parece que foi ontem, mas foram mais de 4 meses sem Glee. Acrescente ao período de ausência a morte do protagonista da série, em circunstâncias pra lá de trágicas, e a única conclusão a que podíamos chegar é de que Glee jamais seria a mesma. Mas é. Pelo menos nesse retorno com gostinho de meio de temporada, a série se manteve numa constante, para o bem ou para o mal.

Talvez seja o efeito do ano letivo dividido, mas tanto o final da temporada anterior, que só ganhou relevância pela despedida de Brittany, quanto esse tributo que foi anunciado como "a maior performance da história de Glee", tiveram cara e jeito de episódios comuns, perdidos no meio de um arco que começou, caminhou muito bem e subitamente não sabe como se fechar. É lógico que isso não tira o mérito dos muitos bons momentos da premiere, mas um pouco de impacto ao começar e terminar temporadas nunca fez mal pra ninguém. Claro, a reabilitação de Cory Monteith mudou drasticamente o rumo das histórias no ano passado e o tributo aos Beatles já escrito teve que ser modificado para cumprir a missão de não começar a temporada no luto, então dá pra perdoar alguns deslizes e esperar que a homenagem a Finn, no 3º episódio, traga o impacto que está faltando.

 

Mantendo o foco nos tais bons momentos, é preciso elogiar os rumos dados para Rachel, que depois de uma aparição de 3 minutos e uma música de João Paulo & Daniel no episódio anterior, se colocou novamente nos holofotes. Impossível não se lembrar de Friends com o fato de Rachel ter virado garçonete e lidar com um chefe chamado Gunther, mas legal mesmo foi ver a amizade com Santana continuar se desenvolvendo naturalmente, com as duas mandando ver na performance de "A Hard Day's Night" e provando que o Sr. Fantástico e Peter Facinelli estavam errados. E palmas para Lea Michele pela melhor interpretação musical do episódio: "Yesterday" foi linda, sensível, suave e emocionante. Já virou uma das minhas favoritas de Rachel, que sempre me surpreende quando não grita, e é difícil não se arrepiar no trecho em que ela canta "Why he had to go, I don’t know, he wouldn’t say".


Mas quem disse que precisa ser protagonista pra fazer bonito num início de temporada? Artie e Véia, ou como chamo carinhosamente, Artéia, roubaram a cena no núcleo do McKinley em todas as chances que tiveram. Já sabemos, pelo histórico fracassado de Artie, que ele não é o melhor namorado no mundo, então se aventurar com uma pessoa tão dúbia quanto Véia seja exatamente o que ele precisa para evoluir. Com Glee, nunca dá pra saber exatamente quanto tempo vão investir num casal de coadjuvantes, então é preciso aproveitar toda e qualquer cena com os pares que gostamos, e o episódio foi um prato cheio, com direito a performances de "Drive My Car" no parque de diversões e a fofíssima versão de "You've Got to Hide Your Love Away", que mostra todo o lado doce de Véia. É bom que a nova cheerio dumal não interfira muito no romance, porque pode rolar cheericídio por parte do público.

 
 
 

Mesmo sem Artie, Kitty estava virada no Jiraya com as piadinhas ácidas tradicionais, trollando os fanboys de Beatles e fazendo a pergunta de um milhão de dólares para Ryder sobre o motivo de sua identificação com os garotos de Liverpool.



Determinada a não deixar que Artie fosse humilhado, Tina também aprontou das suas e, ao que parece, a fase bitchy-Cohen Chang está chegando ao fim. Quando Blaine recruta os rapazes para acabar com a amargura da amiga (já que a culpa é toda dele, como Sam bem ressalta) em uma serenata com "I Saw Her Standing There", me parece que é hora e pular para a nova personalidade da vez. Agora, faz-me rir que Jake faça questão de dizer que não está disponível para acompanhá-la ao baile, como se ele tivesse realmente alguma chance de ser escolhido numa disputa que tem Sam e Ryder. Muito me admira que Tina tenha escolhido Sam com o penteado atual, mas isso já acende uma fagulha de esperança para o meu shipp favorito de Glee que nunca existiu, Samtina. E fica aqui a dúvida: será que agora Celeste toma coragem e convida Ryder para o baile?

Fica outra dúvida ainda maior: alguém ainda acha graça de Sue Sylvester? Pelo amor de Deus, entendam que a graça da personagem só existe quando ela está minimamente equilibrada e cometendo um absurdo aqui e ali, porque basear todas as suas cenas somente em absurdos é tão cansativo e asqueroso quanto limpar um corredor banhado em chorume vencido. O maravilhoso zelador Figgins merece mais do que cenas dos Trapalhões ao lado dessa mulher, ele merece cenas dos Trapalhões sozinho! E nem mesmo o fato de que agora Sue está pressionando Will e a treinadora Roz a conseguirem a vitória, diferente do que costumava acontecer, me dá alguma esperança de melhora no núcleo dos adultos. Outra coisa: Becky confessou ter levado a arma para a escola e deixado uma professora levar a culpa e ficar afastada por meses e só ganhou uma suspensão, é isso mesmo?

 

Finalmente, vamos para o esperadíssimo (por quem?) plot do pedido do casamento e preciso admitir que fiquei dividido. Blaine estava mais insuportável do que de costume, com sua megalomania de reunir todos os corais do universo para mostrar o quão importante era sua cruzada por redenção ao pedir Kurt em casamento pouquíssimo tempo depois de traí-lo com um avulso que o cutucou no Facebook, a retomada do namoro dos dois foi a coisa mais apressada do mundo, o dueto com "Got to Get You into My Life" foi mais do mesmo no que diz respeito aos dois e a súbita mudança de opinião de Burt ofendeu profundamente, mas – e sempre tem um "mas" – preciso admitir que a junção dos corais com "Help!" foi divertidíssima e a superprodução do pedido em "All You Need Is Love" foi tão sensacional que todo mundo que assistiu provavelmente aceitaria.


Não é todo dia que você ganha a chance de dar um abraço em Merdacedes, limitada a uma aparição de segundos, sem falas, enquanto vê todos os seus maiores competidores unidos em uma única sambada na cara. Também não é todo dia que se ouve um discurso como o que Blaine faz ao final da música e, naquela situação, depois de ouvir um discurso do pai sobre como a vida é curta e com os amigos reunidos, parabenizando-os naquele clima de felicidade contagiante, é perfeitamente compreensível que Kurt tenha aceitado. O que não muda o fato de que são dois adolescentes com milhões de problemas para resolver antes de tomar uma decisão dessas, então ou eles decidem por um longo noivado, ou Kurt precisa demonstrar algum tipo de dúvida daqui pra frente. Mas – e de novo, sempre tem um "más" – não vamos nos antecipar e aproveitar o clima festivo enquanto é tempo. Já diriam os Beatles que tudo o que você precisa é de amor, e complementaria o mestre Sílvio Santos que "Tudo é lindo em nome do amor! Vem com a gente, em nome do amor!"


PS: foi dada a largada oficial para a temporada de reações bizarras, estrelando: Syder!

 
 

Talvez Você Curta

6 comentários

  1. o Ryder não ia deixar o Glee Club? Bem bipolar esse menino. Incoerência esse casamento depois do que fizeram e falaram no "casório" da Rachel e do Finn. só porque é um casal gay? Artéia <3 e Samtina <3 e o scooby doo jogada de mestre. Ótima review Leo.

    ResponderExcluir
  2. Acho que depois da morte de Cory, a saída de Jayma da série e da confirmação do fim de Glee, Titia jogou todos os papéis com os plots pra cima e disse: "HORA DO SAMBA DO CRIOULO DOIDO!" E assim, ele fará essa temporada, que já vou dizendo, não vai ter nexo nenhum, assim como o primeiro, que tiveram coisas como:

    1. A volta repentina de Ryder ao Glee Club
    2. mudança de opinião de Burt
    3. A chegada dos vampiros à NYC (olá família Cullen)
    4. Ryan usando seus poderes de dona Escarlate para dizer que Quinn nunca existiu
    5. Mutação genética de Mercedes, a garantindo poderes de teletransporte.



    Só me espera que RM explique o que aconteceu e que a morte de Finn impulsione a série a voltar a simplicidade e a credibilidade que eram os plots da primeira, segunda e terceira temporada e que Ryan cure seu mal de Alzheimer.

    ResponderExcluir
  3. Review maravilhosa que me deixou me sentindo melhor por não ter visto muita graça nesse episódio ao contrário de alguns. Já estava achando que eu não era mais gleeta depois de ficar bocejando durante os quarenta minutos.

    Achei um episódio correto. Não me empolgou, mas também não ofendeu.
    Minha opinião sobre Artéia é que Kitty e Artie formam um casal sem graça e nada a ver, podiam ter investido nela com o Ryder, pelo menos poderia durar mais.
    Não sou fã de Klaine, mas até que achei a proposta de casamento bonitinha. Apressada, sem necessidade, já que ninguém ali está grávido, mas bonitinha.
    As músicas foram boas, mas também não tinha como ser o contrário.
    No fim das contas, acho que não amei muito o episódio porque foi só focado nos casais e nenhum deles tem minha torcida. Tomara que o foco seja outro no episódio seguinte.

    ResponderExcluir
  4. Não sei se a volta foi boa ou ruim e faz tempo que eu não me importo com a história. Apenas com as musicas e coisas bizarras, tipo Véia e Syder!


    Melhor legenda EVER pro Blaine: Eu nunca mais vou te trair (até parece)!
    Mas verdade seja dita, no pedido de casamento, aquele discurso foi um dos mais bonitos que eu já ouvi!


    Titia, eu sei que vc precisa honrar Finnado (precisa mesmo?) mas POR FAVOR de um plot e uma sequência coerente para Ryder!

    ResponderExcluir
  5. Também fiquei como você leozio, sentindo dividido por esse episódio. Teve momentos que gostei mas tinha outros que eu revirava os olhos, até me achei chato por isso. Não teve clima de premiere, parecia um episódio de meio de temporada mas em doses foi bom. Apesar de ser apressada gostei do pedido de casamento, foi bonito e o discurso também.
    Se rolar Samtina também vou ficar feliz mas acho pouco provável pela chegada da amiga de Leota.

    ResponderExcluir
  6. Pra mim Glee é Glee sempre, então um episódio que não seja dos mais empolgantes continua sendo bom. EU gostei bastante das músicas,principalmente Yesterday e Hard day's Night. Não me lembrava direito que o Ryder tinha falado de sair do coral mas achei pior ainda foi não terem dito nada sobre a Britany; Como assim???? Nem uma menção à minha musa. De resto foi muito açucar do Blaine novamente. Rezando pra que comece a crise,porque esse amor demais tá quase abusando. Sue continua com ótimas tiradas pra mim. Episódio mediano pra bom, com as músicas se saindo melhor que os plots!!

    ResponderExcluir

Fala aí, seuslindos!

Disqus for Seriadores Anônimos

Subscribe