Castle 6x03: Need to Know

domingo, outubro 13, 2013

Então... De qual lado você está?
Spoiler Abaixo:

Não há outra maneira de iniciar esta review senão solicitando sinceras desculpas, a você leitor, pelo extremo atraso da publicação deste texto. Mas, muitas vezes, o trabalho consome nossas vidas, e nada do que havíamos planejado realmente torna-se um fato. E talvez, esta frase seja um dilema de muitas pessoas, incluindo da própria Kate.

É... Alguém esperava por aquele ”I’m here to tell you you’re fired”? Eu confesso que eu não. E por um bom tempo me pus a pensar sobre a alternativa escolhida pelo roteiro para trazer Beckett de volta ao universo da NYPD. Em um primeiro momento, achei que talvez pudesse ser forçado, que a Kate jamais pegaria um caso em Nova Iorque com os antigos amigos e que muito menos, seria dispensada por vazar aquela informação à imprensa, até porque não haveria como provar sua verdadeira participação no fato.

E em um primeiro instante, acabei não gostando do desfecho do episódio. Acreditei que uma instituição que investiu alto em um funcionário, não iria dispensar este recurso em seu primeiro deslize. Até porque o caso do Castle não conta muito.

Mas a verdade é que quando pensei no contexto de “grandes instituições” acabei tendo aqueles momentos de epifania, que me fez amar um pouco mais Andrew W. Marlowe, (se é que é possível!).

...

Acho que primeiro, devo dizer que achei o episódio bem estruturado e focado no seu desfecho. Toda a temática do caso, o envolvimento do FBI, a investigação de Ryan, Esposito e Castle. Enquanto Kate e Maccord tornaram-se observadoras ao lado da Capitã Gates. Este cenário conseguiu transmitir, exatamente, a sensação de “traição” em um sentido divertido, que foi o grande desabafo dos detetives da delegacia. A ideia de que um “poder superior” aguarda o seu esforço e trabalho incalculável, para que ao fim o mérito seja direcionado aos “outros”.

E a mesma sensação que Beckett com seu “novo FBI” transmitiu à NYPD, este desprezo às causas menores, e a superioridade de seu objetivo. Foi exatamente o ponto onde o agente da CIA, Ethan Wright surge para expor a sua única preocupação com o assassinato da vítima que é a “queima” deste disfarce a possibilidade a destruição de todos os planos da agência... A justiça, mais uma vez, torna-se turva, e questiona seus valores.

E qual a posição de Kate neste cenário? Ela se sente deslocada, acreditando que deveria estar ao lado da justiça pela morte da vítima, mas se depara ao eterno discurso patriótico, no qual é necessário enxergar todo o panorama e acreditar no famoso “Bem Maior”. Mas... Qual é o seu bem maior? O que se sobrepõe diante à pressão? A valorização de seus ideais, e a busca literal da justiça. Ou a submissão à superioridade do sistema?

E como é difícil, olhar para esta temática, e não se deparar com a realidade de sociedades capitalistas, a nossa sociedade.

...

Há alguns anos, eu trabalhava para uma empresa de pequeno porte, e quando solicitei demissão, argumentei que minhas razões estavam relacionadas em buscar maiores objetivos profissionais. Lembro-me da frase que meu ex-chefe veio a dizer: “Pessoas idealistas não servem para trabalhar em grandes corporações!”.

A verdade é que se em um primeiro momento, aquela frase me pareceu um grande desabafo no andamento de uma discussão. O fato é que nunca me deparei com uma verdade maior...

A questão é que nunca fiquei muito tempo em grandes empresas, porque nunca acreditei na fragmentação da informação.

Esta é a expressão para determinar a economia do conhecimento para àqueles que agem subordinados às grandes instituições. Com a premissa de abonar o individuo da culpa perante a ação sobre algo desconhecido de sua pessoa. Esta é a estrutura de grandes corporações, e esta hierarquia da informação é capaz de estruturar mais fortemente um sistema, que acaba sendo aceito sobre a percepção da crença acima do conhecimento.

É... É a fé no sistema que é capaz de movê-lo e ser aceito pela sociedade.

E aonde Kate se encaixa neste panorama?
Pergunta perfeita para uma resposta genial de Marlowe, ela não se encaixa. Não importa o quanto seja extraordinária, eficiente, inteligente... Nada disso importa. Se você não é capaz de atuar sob as normas e conceitos do sistema, você não é capaz de crer no sistema, então você não serve!

É cruel e frio, tanto quanto a ação de Maccord para informar Beckett sobre sua demissão. E se a notícia é um choque, de imediato. A curiosidade é de como será a reação de Kate deste fato em diante.

...

Muitos acreditam que esta temática de Kate no FBI seja apenas uma oportunidade da série de abordar outros temas, mudanças de cenários, casos, etc. Mas que não passará disto. Mas eu discordo, em gênero, número e grau.

Acho que mais do que a abordagem de novas temáticas, e a explosão de uma première bem dinâmica e divertida para uma temporada que tende a sofrer fortes impactos na audiência. Acredito piamente, que a transição de Beckett simbolizará muito na sua evolução pessoal e profissional. E para justificar minha crença nisto, quero que você se recorde comigo sobre uma resenha que escrevi na temporada passado do episódio The Human Factor, onde eu disse que:

É um fator intrínseco da natureza humana a busca pelo autoconhecimento, e este se apresenta como uma etapa fundamental para a formação do espírito e da consciência. Desde o momento em que tomamos consciência de nossa existência, buscamos o entendimento do que somos e do que representamos. Esta é uma busca pelo reconhecimento.”

Você se lembra?

Beckett aceita o cargo em busca de tentar entender qual a sua posição na sociedade, qual o seu papel nela. E talvez, sendo demitida, enxergando o outro lado da moeda, a outra face da justiça. Ela possa alcançar um ponto de sua consciência onde ela, finalmente, compreenda o seu papel no mundo, a sua posição em Nova Iorque, e aonde se encaixam os seus verdadeiros ideais.

A extraordinária personalidade de Kate é um grande diferencial de romances como Castle. A criação de personagens tão marcantes, muitas vezes, pode significar a recuperação de valores, que muitas vezes a sociedade se deixa esquecer, por encontrar-se absorta no “panorama geral”, onde casos pequenos tornam-se contexto insignificantes e os valores dos indivíduos são substituídos pelos objetivos das corporações. E isto é o espelho da sociedade capitalista, que se estrutura sobre a formação de imagens virtuais e a concepção de status para definir os valores de um ser humano.

Filosófico demais?

Talvez!

Mas isto é Castle, e esta temática foi as entrelinhas de Need to Know.


O lado descontraído de Castle.

Rick e Kate conversando por vídeo-chamada. Muito romântico definitivamente divertido e como deu um aperto do coração quanto Castle pega o “beijo” da Beckett. Very, very, very cute!

Esposito recusando a chamada do Castle, sem saber que a TV estava filmando. Foi hilário... Depois o Castle acaba jogando na cara dele que a chamada havia sido recusada em rede nacional.

Eu confesso que não consegui encontrar relação do programa “2 Cool For School”. Acho que tinha uma mistura de The Fresh Prince of Bel-Air com Blossom e Doug. Mas acho que todas as séries dos anos 90 apresentavam certa semelhança.

O Detetive Sullivan é um verdadeiro porquinho, acabou aparecendo pouco durante o episódio, mas acho que pode ser interessante o seu personagem com o retorno de Kate.

Alguém percebeu o olhar de felicidade do Castle com a Beckett em Nova Iorque? Eu percebi!

Beckett é Judas e o Castle é um Judas da Judas! (Muito bom!).

Eu sei que todos estão com saudades da Lanie, mas eu até estou gostando bastante das participações de Perlmutter. Acho até injusto que ele não seja qualificado ao elenco principal. Mas enfim...
Perlmutter: Depois de “2 Cool For Scholl” qualquer coisa já é um avanço de vida!

Ryan dizendo que precisa levar o boné da série como evidência. Desculpinha esfarrapada.

Castle tentando subornar a Beckett com café. Devo confessar que eu cairia facinho!

Beckett: Rastreamos os movimentos de Charlie triangulando torres de celular próximas a ele. Depois olhamos as datas para conseguir as filmagens por satélite do depósito. Como vocês chegaram lá?
Ryan e Esposito: Cocô de galinha!

Capitã Gates: Este não é o meu primeiro debate com o pessoal de Washington. – Fala a verdade, você se apaixonou pela Gates depois desta frase!

Mais uma vez Rick adora montar todo um drama para depois surpreender a Kate. Foi muito legal perceber que ele jamais iria atrapalhar a profissão dela, e estava disposto até mesmo a se separar um pouco da família para ficar perto da Beckett em Washington.


Curiosidade

No episódio da semana anterior Dreamworld, há uma cena que ocorre por volta dos 21 minutos, onde o FBI tenta ler o relatório da missão, porém o texto está totalmente editado e o Castle sugere que para encontrar alguma referência a Valkyrie que seja rodada uma pesquisa com o comprimento da palavra. Então Rick justifica que em uma fonte proporcional as palavras não possuem o mesmo comprimento apenas por apresentarem a mesma quantidade de letras.

Aqui vai a curiosidade.

Vocês sabiam que foi Steve Jobs, que estudou caligrafia após abandonar o curso da universidade, foi quem implantou esta característica da variação da quantidade de espaço entre diferentes combinações de letras. Para criar uma boa e bela tipografia?

Quando ele desenvolveu o primeiro Macintosh, ele aplicou estes conhecimentos de caligrafia. Criando o primeiro computador com tipografia bonita. E isto, futuramente, acabou sendo copiado pelos outros softwares e sistemas operacionais para as inúmeras variações de fontes e características que temos hoje.


Muito legal não é?

Talvez Você Curta

14 comentários

  1. Ow Tati, obrigada Fico feliz. Eu sempre tento buscar algo a mais, porque Castle permite isto.
    Quanto ao FBI, confesso que a gente não pode se prender sempre ao que é transmitido pela TV, lógico. Mas tradicionalmente, instituições de responsabilidades federais são mais rigorosas quanto às suas normas e exigências, até por conta de estar em sua responsabilidade proteger a nação. Então acho que o que a Kate fez, somando um pouquinho a desafiar o secretário de defesa, pode sim, ser mal visto e queimar a imagem da pessoa.
    Acho que de imeadiato o episódio queria nos dar um choque "Você está demitida!". Mas acredito muito, que isto pode ser um pouco mais trabalhado, com diálogos e exposição de alguns fatos passados. Vamos ver.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Cada dia melhor os seus reviews!
    Bem eu suspeitava que Beckett seria expulsa do "jogo", ela não pularia fora do FBI mesmo que a forma que o sistema funciona não a agradasse. Ela de um jeito ou de outro tentou fazer as coisas da sua maneira, o que acabou se tornando o motivo perfeito para a demitirem, porque evidente que se tornaria um problema.
    Foi um espisódo divertido, voltando la na 2a temporada com um Castle intrometido.
    A abertura do episódio não poderia ter sido melhor, com a cena de uma conversa de travesseiro a distância, e a interação de Castle com Alexis e Marta. Pi para mim não vai dura muito e ele está ali só para irritar Castle, espero que Alexis se livre dele com urgência!
    Bem a a temporada começou com um episódio duplo, e um grande gancho no 3o, vamos ver o que nos espera daqui para frente!

    ResponderExcluir
  3. Miga cê sabe que adoro seus textos! Mas a curiosidade desde foi 'PQP' megaboga ao cubo, mas geek não dar (descobri o lance)!
    Amei o episódio, contudo repito a forma como Beckett foi dispensada do FBI foi fácil, uma perspectiva fácil demais, mas Marlowe é grande na escrita por maximizar o simples mesmo!
    Foi o episódio mais cute desde agora!
    And just say: Cutucou algumas pessoas do meio, ahh cutucou mesmo a selva de pedra de Hollywood!

    ResponderExcluir
  4. P.S.: “Pessoas idealistas não servem para trabalhar em grandes corporações!”.
    Foi a frase do seu texto! E eu fico realmente feliz por compreendê e considerar-me incluso nessa analise!

    ResponderExcluir
  5. Mais uma vez uma excelente review :) não tenho muito a acrescentar, episódio divertido e que acabou por ter uma função maior na série quando menos esperávamos.. Realmente não estava a contar com o ”I’m here to tell you you’re
    fired” no final, mas confesso de depois de pensar no assunto gostei. É sempre assim em Castle, a gente especula e sempre se surpreende pela positiva =)

    ResponderExcluir
  6. Hehehe, vlw pelo apoio, e fico feliz quando mais pessoas compreendem isto, também.

    Sobre a "curiosidade". Sempre acho bacana trazer algo a mais para as reviews, seja engraçado, curioso, novidade, alguma recordação da série. Aqui é o espaço para algo a mais e mostrar o quanto Castle é uma série rica, em todos os seus detalhes!

    ResponderExcluir
  7. Verdade Su, sempre que somos surpreendidos por Castle acabamos gostando e percebendo que algo ali, se superou! E é bacana de ver. Como eu já andei comentando, o sexto ano da série anda sendo acirrado e ela terá que se provar semana após semana. Bom saber que ela tem potencial para isso.

    ResponderExcluir
  8. Nem te digo nada do epi de ontem Marcília, mas posso te dizer que mais uma vez deu uma pequena surpreendida. Então acho que a temporada está conseguindo estabelecer um ritmo interessante. Mas não gosto muito de falar ainda, porque na temporada passada, até o quinto episódio foi muito bom, depois deu uma caidinha, para depois voltar bombando da metade da temporada para frente. Porém, não queria viver momentos de fase fraca este ano.
    Vamos ver!
    bjks

    ResponderExcluir
  9. Sol, sua linda!!! Mais uma review digna de aplausos. Adorei!

    Vc já disse tudo, mas dxo comentar uma coisa:
    A Kbex tava inspirada no jeitinho brasileiro (do bem,lógico), o que me fez rir mto. Com informação privilegiada e uma "denúncia" anônima pra chamar de sua, ela encontrou um jeito de fazer justiça mesmo lá de cima, e até demonstrou desapego com a mesa que foi dela desde sempre...qué dizê, tava pronta pra causar em DC!! *toca um sambinha* #soproud ahuuhahuauhahua
    o triste é que caiu do cavalo e nem vai pro apartamento novo, mas fzr o que?
    Beijos pra Mccord que é uma linda e ácida e fria...Necessito vê-la de novo, bem como queria a volta da agente Jordan Shaw só pra ver a piadinha que ela ia soltar na hora que soubesse que Castle e Beckett tão noivos. Impagável, pfvr.

    Sobre o novo detetive, não entendi uma coisinha...Ryan diz: "Aquele é o detetive Grant Sullivan. A Beckett faz falta, mas é bom ter um novo chefe". '-' alguém pode me lembrar em que exato instante esse cidadão liderou alguma coisa no episódio? Mas eu gostei dele, tbm quero ver sua interação com a equipe daqui pra frente.

    A coisa do cocô de galinha foi ótima!! me lembrou os melhores episódios ever, tenho certeza que a Kate ficou nostálgica naquela hora.

    Enfim, Gostei de Need to Know. Voltamos pra casa. Sensação quentinha,
    gostosa. Meu namorado riu, o que pra mim já define.



    beiiijo, Sol. <3

    ResponderExcluir
  10. Pri, sabe o que mais gosto de escrever as reviews aqui do S.A.? É que quando termino, eu não termino a resenha "perfeita", os comentários espertos e divertidissimos de vocês é que completa e transforma esta resenha perfeita!.

    Morro do rir com seus comentários "jeitinho brasileiro" é? Hummm, se gringo descobre que isto não tem nada de extraordinário!!! hehehehe

    Maior vdd sobre o Sullivan, mas não entendo porque ele seria chefe, uma vez que a Beckett não é chefe do Ryan e Esposito, eles que adotaram ela como super mãe.

    O que queria ver era ele participar mais, porém não sei se isto vai rolar, enfim... Vamos ter fé!

    Seu namorado riu? Bom termometro!!!
    Eu chorei de rir, como o joga prá joga pra cá de Judas do Judas! Foi demais! Encerrando na medida certa.

    Bjks até o 6x04 - Que também foi muito bom por sinal!

    ResponderExcluir
  11. Pri, sabe o que mais gosto de escrever as reviews aqui do S.A.? É que quando termino, eu não termino a resenha "perfeita", os comentários espertos e divertidissimos de vocês é que completa e transforma esta resenha perfeita!.

    Morro do rir com seus comentários "jeitinho brasileiro" é? Hummm, se gringo descobre que isto não tem nada de extraordinário!!! hehehehe

    Maior vdd sobre o Sullivan, mas não entendo porque ele seria chefe, uma vez que a Beckett não é chefe do Ryan e Esposito, eles que adotaram ela como super mãe.

    O que queria ver era ele participar mais, porém não sei se isto vai rolar, enfim... Vamos ter fé!

    Seu namorado riu? Bom termometro!!!
    Eu chorei de rir, como o joga prá joga pra cá de Judas do Judas! Foi demais! Encerrando na medida certa.

    Bjks até o 6x04 - Que também foi muito bom por sinal!

    ResponderExcluir
  12. Bem o proprio Marlowe adimitiu que a 5a temporada meio que deu uma caída e que ele teve que pegar as "rédias" e concertar as coisas. Mas estou otimista sobre a 6a, apesar de achar que será uma grande fanfic kkkk Pois é obvio que Marlowe está dando tudo que os fans sempre quiseram em relação a Castle e Beckett. E o seriado está tomando um outro rumo.

    ResponderExcluir
  13. "Sobre o novo detetive, não entendi uma coisinha...Ryan diz: "Aquele é o
    detetive Grant Sullivan. A Beckett faz falta, mas é bom ter um novo
    chefe". '-' alguém pode me lembrar em que exato instante esse cidadão
    liderou alguma coisa no episódio?"


    Pensei exactamente o mesmo e depois esqueci-me de comentar! Ele até para o Castle se virava a pedir orientação hahaha

    ResponderExcluir
  14. E eu estou gostando de ver!

    ResponderExcluir

Fala aí, seuslindos!

Disqus for Seriadores Anônimos

Subscribe