The Voice 6x07/08: Battle Rounds Part 1/Part 2

domingo, março 30, 2014


E os destaques começam a aparecer.

Depois de uma super morna fase de Blind Auditions, era a hora do famoso empurrãozinho dos treinadores para que os seus candidatos com mais potencial pudessem se destacar na competição. Com o início das Battles mesmo os candidatos que eram fortes, que não conseguiram o fator diferencial, acabaram rodando na fase eliminatória. Vimos um Blake completamente recuperado da temporada passada e montando um time bem diverso e de super potências, muito parecido com o seu da segunda temporada, e dentro dele um grande nome, assim como Jermaine Paul, Sisaundra Lewis, que foi o grande destaque da primeira semana.

Mas não foi o #TEAMBLAKE que saiu lucrando, na realidade Usher perdeu apenas um de seus pupilos, de quatro steals que tivemos três foram para o #TEAMUSHER, e por sinal todos eles muito bem feitos. No geral acho que os treinadores souberam controlar bem a mão e usaram seus steals na hora só certa, só mesmo alguns pupilos do blake que eu acho que mereciam uma chance maior. #TEAMSHAKIRA e #TEAMADAM não poderiam ter sido mais avulsos no geral. Apesar de Adam ter fortes nomes, todos eles deixaram a desejar, e esses dois times acabaram deixando a primeira semana de batalhas bem mais ou menos.


A primeira noite de Battles começou com a dançante e contagiante apresentação de T.J. Wilkins e Biff Gore. Sério, foi tudo muito divertido do começo ao fim. De um lado tínhamos o encorpado tom de voz e toda a experiência que de Biff que cantou impecavelmente o tempo todo, e do outro tínhamos os incríveis agudos de T.J. que musicalmente conseguiram se destacar muito mais. Apesar de T.J. ter se destacado um pouquinho mais nos vocais, o show era todo de Biff, que chutava, agachava, e entretinha o público de todas as formas. Foi uma Battle daquelas muito especiais, muito bom começar desse jeito. Eu particularmente não saberia quem escolher, mas acho que Usher fez sim a escolha mais sensata, e Biff justissimamente foi roubado por Blake.




Como nem tudo é tão empolgante como #TEAMUSHER, e presenciamos também a fraca primeira batalha do #TEAMBLAKE. A completamente desafinada e fora do tom Lexi Luca enfrentou o ótimo tom de voz de Jake Worthington. A menina bem que se esforçou, tentou fazer muitas notas altas, mas realmente não deu, o rapaz foi muito consistente na apresentação, inclusive acho que ele foi melhor que na blind dele. Quando ele cantava "And it goes like this", com aquele tom de voz, nossa, eu viajava aqui. E quando ele atingiu aquela nota alta no meio da música? Muito bom! O único problema do rapaz é que realmente não consigo vê-lo comercialmente, mais cedo ou mais tarde nos lives ele vai rodar. Espero que Blake não invista todas as cartas nele.




Eu já não tinha dúvidas de que o pior da noite viria do #TEAMSHAKIRA, a cantora montou um time tão avulso e qualquer coisa, que nossas expectativas não poderiam estar menores. E na minha opinião, por lá ficaram. Dani Moz e DeShaw Washington entregaram uma fraca e desanimada versão da música da Emeli Sandé, aonde eu simplesmente não conseguia sentir nenhuma energia, parecia que eles estavam super se esforçando o tempo todo, principalmente Dani, que inclusive saiu do tom algumas vezes. Por esses motivos e pelo ótimo tom de voz dele, eu ficaria com DeShaw, mas realmente não poderia me importar menos com o escolhido. Ben Hazlewood e The Voice Austrália mandaram lembranças de qualidade e profissionalismo.




Eu realmente não sei o que achar da batalha entre a roqueira Kat Perkins contra Patrick Thompson. Por horas eu achava que a interpretação dos dois, do clássico "Whenever I Call You Friend", estava bem sem graça, e em outras horas Kat tomava o palco de uma forma que eu já me sentia entretido novamente. A versão com certeza foi bem legal, mas em alguns momentos parecia que eles estavam no karaokê do japa, com Patrick balançando a cabecinha igual a um poodle. Sem dúvidas Kat Perkins dominou no quesito apresentação e notas altas, e mereceu ganhar a battle, e Shakira mais um vez com sua enorme capacidade de garimpar avulsos para o seu time, roubou Patrick, que é bom sim, mas não convence como uma estrela no palco.




Com certeza o melhor estava guardado para o final e a battle de Sisaundra Lewis e Paula DeAnda era uma das que eu mais esperava, não só pelo poder vocal das cantoras, mas também pelo hype que as duas tinham, acho que Blake Shelton errou em pareá-las, ele poderia atingir dois públicos diferentes com elas nos lives. Voltando a battle foi tudo o que eu esperava, as cantoras "lacraram" com sua performance de "Do What You Want", Paula foi incrível, ótima voz, presença de palco... Mas é claro que inevitavelmente uma hora Sisaundra iria ofuscá-la, e quando a cantora foi atrás daquela nota alta e lá ficou durante um minuto, não tinha mais dúvidas de quem ganharia. Essa mOlher é um monstro e acho que Blake é Tetra essa temporada.




E a noite fechou com mais uma ótima batalha do #TEAMUSHER, que vem provando a cada battle que é o time mais forte essa temporada. Ele pode não ter os melhores cantores, mas com certeza os mais cativantes. A battle de Stevie Jo e Jake Barker foi uma das coisas mais legais de presenciar na história do The Voice. Geralmente quando você tem uma battle de meninos novos assim é sempre um desastre, seja de palco ou de voz, alguma coisa sempre está off. E para provar que são exceções a regra, e que foram treinados pelo que temo dizer, tem se tornado o melhor treinador do The Voice, eles simplesmente arrasaram. Vocais super acertados, notas altas certinhas, falsetes incríveis de ambas as partes, uma harmonia ótima de ouvir, enfim... Parfeito. Gostei da escolha de Usher, porque além de preferir o tom de voz de Stevie, acho que ele tem uma imagem mais marcante. Agora, achei muito justo Jake ser roubado por Adam, por que ele é sim muito bom, apesar de eu achar que ele não tem muitas chances se continuar avulso desse jeito.




A primeira noite de Battles já não tinha sido super incrível, e a segunda foi menos ainda. Começando com a fraquíssima apresentação de Clarissa Serna e Jeremy Bringgs. Eu tinha altas expectativas para eles, pois achava que era a única Battle relevante do #TEAMSHAKIRA. Não poderia ter me decepcionado mais. Achei que os dois estavam muito travados no palco e que Clarissa deixou muito a desejar. Jeremy foi atrás das notas altas, e na minha opinião acabou ofuscando ela. Apesar disso a minha escolha teria sido a mesma de Shakira, afinal Clarissa tem muito mais imagem e é a única "4chair" dela. Ela é meio antinha, mas nem tanto.



#TEAMADAM está com um grande problema essa temporada, bem parecido com o que ele passou na quarta temporada. Ele tem cantores muito fortes, com vocais ótimos, mas nenhum deles conseguiu se destacar até agora na competição, além de Christina. E a battle entre Delvin Choice e Caleb Elder foi mais uma das super avulsas que teve em seu time. Primeiro, escolha musical péssima, The Voice quer pimpar Aloe Blacc de qualquer forma. E os dois candidatos que eram super carismáticos parece que sucumbiram à canção, que é super robótica. No geral Caleb foi super ofegante, e Delvin preencheu o palco com o seu ótimo tom de voz. Mereceu ganhar e está com pinta de quem vai para os lives, vamos acompanhar.



No Combo dos mais avulsos ainda, como se desse para ficar, vimos Blake Shelton sacrificar mais uma de suas novinhas, parece que ele traumatizou depois de Holly e não é mais o perfil que ele procura. Tanto Ria quanto Paula tinham potencial para ira pros lives, mais enfrentaram candidatas muito mais experientes e dentro do mesmo estilo musical, então não tiveram mesmo chance. No #TEAMSHAKIRA a avulsa Ddendyl enfrentou uma mais avulsa ainda, que nem lembro o nome, e ganhou. E fechando o combo levamos o belo soco no estômago de ver Usher abrindo mão dos Brothers Walker, que nem sequer tiveram sua battle exibida por completo. Porque a única eliminação no #TEAMUSHER tinha que ser uma cagada?


E fechando a primeira semana tivemos mais uma grande vitória do #TEAMUSHER, que saiu praticamente ileso com quase noventa por cento de aproveitamento. É claro que Melissa Jiménez teve muito mais personalidade e presença de palco. Enquanto Brittnee Camelle parecia constipada durante toda a apresentação, ela arrasava, fazia carão e entregava o seu A-Game. Os vocais realmente foram bem parecidos, e não tão bons assim como os treinadores disseram. E como Brittnee era mais avulsa que nota de dois reais, é claro que Shakira queria ela para o seu time, mas ela preferiu sucumbir no #TEAMADAM.



No mais é isso meus caros, a primeira semana de Battles foi bem mediana, mas pelo menos quem era realmente importante conseguiu ir a frente na competição. Dos nomes mais importantes ficaram faltando Bria, Christina e Kaleigh. A esperança é que a outra leva de batalhas tenha sido um pouco melhor para que possamos ter o mínimo de vontade em continuar assistindo a competição. E finalmente acertando os ponteiros com as reviews do The Voice, daqui a pouco eu retorno com a review dessa semana. Até!

Talvez Você Curta

0 comentários

Fala aí, seuslindos!

Disqus for Seriadores Anônimos

Subscribe