Drop Dead Diva 6x07: Sister Act

domingo, maio 11, 2014

Aquelas três palavras perigosas

Com um episódio recheado de veneno de rato, canções de ninar, bebês que são a cara do George Clooney e shows em prisões, Drop Dead Diva dessa semana trouxe dois casos bastante legais, conseguindo ainda dar continuidade ao que foi deixado nos últimos episódios. Estamos oficialmente no meio da temporada, e daqui pra frente é de se esperar que as coisas comecem a rumar para o fim definitivo.

Logo no primeiro caso temos o velho e bom problema da pobre garota, Laura, diagnosticada com Leucemia e que precisa de um transplante de medula, mas não encontrando nenhum parente compatível, pois o pai era doador de esperma, acabaram encontrando esperança em uma doadora na igreja, que desistiu misteriosamente, mandando apenas uma carta dizendo que não iria doar mais, uma noite antes da cirurgia. A coisa começou a ficar interessante quando vi que a doadora seria a Irmã Sally-Anne Frankle, uma freira. Pensei que a coisa fosse continuar bem, e a sambada da gravidez da Irmão foi exatamente isso, uma sambada, porém foi só isso; ela grávida de um membro da paróquia e incapacitada de doar por ser arriscado para o bebê. Teria sido legal ver o desenrolar disso, mas como o caso realmente é sobre a menina que necessita ser tratada, o caso continua no clichê, tentando descobrir quem é o pai biológico, tentando levar a clínica de doação para um julgamento e assim por diante. Só então com a ajuda de Stacy, eles encontram Becky, uma das crianças geradas a partir do mesmo esperma que gerou Laura. A recentemente encontrada irmã enfrenta a mãe para poder doar, por ser menor de idade, e é nisso que fica o caso, sem reviravoltas, apenas um caso normal.

Já com Owen, o caso da prefeita de Malibu, Ellie Chapin, enfrentando um Impeachment foi no mínimo apreciável. Claro que as loucuras da prefeita fizeram toda a diferença. Ellie está sendo votada para fora da prefeitura por ter doado o prédio da mesma para uma escola de Oxfnard, que após um incêndio, não tinha dinheiro para reforma ou condições de continuar as aulas. Claro que “doar” a prefeitura no caso se trata de alugar o prédio por 1 dólar ao mês pelos próximos 3 anos. Além de tudo isso, realocou os funcionários para a livraria anexa, causando revolta nos outros membros do conselho, que não foram consultados. Tentando impedir o conselho de revogar a alocação de pessoal e recursos, Ellie recorre a Owen, que apesar de ser paciente e antigo colega, não deixa de se impressionar com as loucuras da mulher. Afinal, não são todos que trancam os colegas numa adega (mas vejam só, ela deixou um vinho caro aberto #preocupada). Toda essa loucura serviu para definir bem a personalidade da personagem, achando que iria morrer de câncer pancreático, mas descobrindo pouco depois que não passou de um erro do hospital. Owen então acaba encontrando uma forma de fazer o colega que a denunciou por sequestro (Really?) e o hospital, que sofreria um baita de um processo, entrarem em um acordo.

Por trás de tudo isso, temos Kim querendo demitir Terry e Jane não querendo demiti-la. Terry, aliás, continua sendo uma das melhores coisas da série, afinal a cantora do hit de prisão “Jane Put Me Away” ainda sabe dar seus pulos para conseguir cigarros e aplausos. Como muitos sabem da carreira de cantora de Margareth Sho, não me surpreendi com Tery recebendo ofertas para tocar em prisões e tendo o seio transformado em escultura de sabão. Só não espero que desapareçam com ela como fazem com Paul (#VoltaPaul<3)

PS:
- Aquela conversa entre Ellie e Owen serviu mesmo pra dar a coragem que ele precisava para falar com Stacy. Se bem que depois do episódio do aspirador de pó, não tinha mais pra onde correr.

- Agora que Jane e Grayson finalmente trocara aquela frase temida, como será que as coisas continuarão? Estou bastante ansioso pelo próximo episódio.

Talvez Você Curta

0 comentários

Comenta, gente, é nosso sarálio!

Subscribe